Viewing entries in the category bolos

No mesmo dia em que a Deb do  Smitten Kitchen publicou este post com uma purple plum torte com cara deliciosa, vi as ameixas Irati (as chamadas Italian prune plums) na minha quitanda, lindas, doces e suculentas. Serendipity.

Trata-se na verdade de um bolo, cuja receita é antiga e vem caminhando pela internet desde 1983, quando foi publicada pela primeira vez no New York Times pela Marian Burros. Uma receita que ela recebeu da outra co-autora do livro Elegant But Easy, Lois Levine. Esta receita foi publicada anualmente naquele jornal durante 12 anos, sempre na época em que as ameixas começavam a aparecer.  Outra curiosidade sobre esta receita é que um concurso promovido pelo jornal, que pedia sugestões de receitas para incluir em um livro, recebeu 247 receitas deste bolo. O que levou-os a suspeitar que é provavelmente a receita mais perfeita que um bolo de ameixas pode almejar ;-)

Façam! É fácil, gostoso e prático. Dá para congelar e depois descongelar e  servir com sorvete de baunilha em um dia em que você tem convidados de última hora.  É sucesso.

Bolo de ameixas do New York Times
(ligeiramente adaptado)

1 xícara (chá) de farinha de trigo
1 col (chá) de fermento químico
pitada de sal
1 xícara (chá) de açúcar
100 g de manteiga sem sal à temperatura ambiente
2 ovos
10 ameixas Irati lavadas, descaroçadas e cortadas ao meio
2 colheres (sopa) de açúcar para polvilhar o bolo
1 colher (chá) de canela para polvilhar o bolo

Usei uma forma de torta desmontável, para poder desenformar e manter quase intacta a ‘casquinha’ de cima do bolo. Não é necessário usá-la, porém. A forma não pode ser muito grande, pois é pouca massa. Usei uma redonda de tamanho pequeno,  com cerca de 20-25 cm de diâmetro. No meu bolo, ao contrário do bolo da Deb, as ameixas foram parar quase no fundo da massa. Achei que ficou até mais bonito assim.

Pré-aquecer o forno a 180ºC. Untar e enfarinhar a forma. Peneirar junto e misturar a farinha de trigo, o fermento em pó e o sal. Reservar. Bater na batedeira a manteiga e o açúcar até ficar esbranquiçado e fofo. Juntar os ovos, uma a um e bater até misturar. Desligar a batedeira e juntar os ingredientes secos, misturando bem. Colocar a massa na forma. Lavar e cortar as ameixas. Colocar as metades das ameixas sobre a massa, com a polpa virada para baixo, uma a uma lado a lado até cobrir toda a massa. Apertar um pouco as metades de ameixas sobre a massa. Misturar o açúcar e canela e polvilhar por cima das ameixas. Levar ao forno por cerca de 40 a 50 minutos.

 

Compartilhar/Favoritos

Esta receita foi passada pela Carla, amiga de Ribeirão Preto. O nome original dela era ‘torta diferente de maçãs’. Lendo a receita, achei-a com mais cara de bolo do que de torta. Mesmo sendo assada em uma forma de aro desmontável. Assim, rebatizei-a de bolo delícia de maçãs. Mas o nome não importa muito aqui.  O que importa mesmo é que a massa é bem temperada com canela, limão, baunilha e sherry e envolve muitos cubos de maçãs, deixando o bolo bem leve, molhadinho e saboroso.

Lembrou muito um bolo de maçã que comemos nesta viagem bacana que fizemos com as crianças por Gramado e Canela, há alguns anos.

Deu vontade de testar a receita esta semana. Aprovadíssima.

Bolo delícia de maçãs
(com pequenas adaptações)

Pré-aquecer o forno a 180ºC. Untar e enfarinhar uma forma de aro desmontável grande (se quiser desenformar o bolo depois, eu gosto de fazer isto sempre). Preparar as três misturas abaixo separadamente. Juntar primeiramente as maçãs aos ingredientes líquidos e em seguida juntar os ingredientes secos. Colocar a massa na forma e cobrir com 1 xíc (chá) de nozes picadas misturadas a 1 xíc (chá) de açúcar e 1 colher (chá) de canela. Assar por aproximadamente 1 hora.

ingredientes secos
2 xíc (chá) de farinha de trigo
2 col (chá) de canela
1 col (chá) de fermento em pó
1 xíc (chá) de açúcar
pitada de sal

Peneirar todos os ingredientes em uma vasilha. Misturar.

maçãs
4 maçãs grandes
suco de um limão
1 col (sopa) de sherry (ou conhaque)
1 xíc (chá) de açúcar

Descascar e cortar as maçãs em cubos médios. Envolver os cubos com o suco de limão, o sherry e o açúcar.

ingredientes líquidos
2 ovos
1/2 xíc (chá) de óleo
1 col (chá) de baunilha

Bater ligeiramente os ovos com o óleo e a baunilha.

 

Quem tem filhos em idade escolar sabe como esta época de férias escolares transforma a rotina da casa.

Ou seja, podia dizer para vocês que resolvi assar um bolo porque estamos de férias.

Podia, também, falar que um bolinho é uma ótima desculpa para a pausa da arrumação anual da casa, aquela de jogar coisas fora, separar roupas e brinquedos para doação, tirar remédios vencidos.

Podia, ainda, dar a desculpa do frio ~ e da preguiça ~ para assar um bolo e comê-lo quentinho com chá ou café.

Mas a verdade é que fiz este bolo porque… estava morrendo de vontade de comer um bolo de goiabada :-) (igual àquela piada antiga do Papa, mas isto a gente deixa para lá).

Andei dando uma olhada em várias receitas de bolos de goiabada por aí. Com  medo de fazer um bolo muito pesado, preferi adaptar uma receita de um bolo ‘chiffon’ de goiabada, uma espécie de pão-de-ló. No início, achei que o bolo não havia ficado muito ‘goiabudo’, que poderia ter colocado mais goiabada na massa. Mas depois achei que ficou perfeito assim. Fofinho, úmido, não muito doce, com leve sabor de goiabada e com a textura dos pedacinhos de goiabada cascão pelo meio (imprescindíveis!). Bolo simples, bem do jeito que eu gosto.

Esqueci o bolo no forno por uns 8-10 minutos a mais do que necessário :-) O de vocês deverá ficasr um pouco mais clarinho que este.

Bolo de goiabada

5 ovos
1 xíc (chá) de açúcar
1 e ½ xíc (chá) de farinha de trigo
2 col  (sopa) de fermento
½ xíc (chá) de óleo
1 xíc (chá) de goiabada mole ou derretida
½ xíc (chá) de cubinhos (de ½ cm quadrado) de goiabada cascão

Pré-aquecer o forno a 180º C.  Bater as claras em neve com uma pitada de sal.  Separar.  Bater as gemas com o açúcar até ficar fofinho e esbranquiçado. Juntar aos poucos o óleo, a farinha de trigo previamente misturada com o fermento em pó,  e em seguida a goiabada derretida. Misturar bem. Juntar delicadamente as claras em neve e por fim os cubinhos de goiabada.  Colocar a massa em uma forma de buraco no meio de tamanho médio, untada e enfarinhada,  e levar o bolo ao forno por 45-50 minutos.

 

Semana passada contei aqui para vocês  sobre o livro “Receitas de Família – volume 2″ do Pró-Família.  E prometi uma receita dele e o sorteio de um exemplar para os leitores do Rosmarino.

A receita escolhida foi a de um bolo, é claro.  Quem lê o Rosmarino sabe como eu sou fã dos bolos e adoro fazê-los. Este bolo, cuja receita foi dada pela Piti Meinberg, é uma receita de avó mesmo :-)

Fica di-vi-na esta calda com ameixas secas e vinho tinto, experimentem!

Bolo da vovó Laly
Piti Meinberg

Ingredientes

4 ovos
250 g+300 gde açúcar
250 gde manteiga
250 gde farinha de trigo
250 gde ameixas pretas sem caroços
1 xícara (chá) de leite
2 colheres (chá) de fermento em pó
1 copo (requeijão) de vinho tinto
½ copo de água

Modo de preparo

Pré-aquecer o forno a 180ºC. Bater as claras em neve e reservar. Bater bastante o açúcar (250 g) com a manteiga na batedeira. Adicionar as gemas, uma a uma, batendo bem entre cada adição. Desligar a batedeira e misturar alternadamente a farinha peneirada com o fermento e o leite. Por fim, misturar delicadamente as claras em neve. Fazer a calda: levar ao fogo médio as ameixas com o vinho tinto, a água e o restante do açúcar (300 g). Quando as ameixas estiverem cozidas, retirá-las da calda e forrar com elas uma forma de bolo de buraco no meio previamente untada. Derramar por cima a massa e levar ao forno por30 a40 minutos ou até o palito sair limpo. Depois de pronto, derramar a calda quer sobrou das ameixas sobre o bolo.

Quanto ao sorteio, vai funcionar assim:  participa quem deixar um recado neste post do blog, contando um pouco qual sua receita de família preferida, quem a ensinou, etc.  O sorteio será no dia 28 de fevereiro. Boa sorte procêis :-)

Faz tempo que o meu filho de 9 anos, o Theo, pede um bolo de bem-casado. No aniversário dele em junho este foi o bolo escolhido, mas por total falta de tempo da mãe acabamos encomendando um bolo de brigadeiro para a festa dele no paintball, aqui em Ribeirão Preto. A festa foi ótima, mas a vontade do bolo de bem-casado não passou.

Fiz uns testes de bolo de bem-casado mas não fiquei satisfeita. Não queria o bolo que é normalmente vendido como tal em São Paulo, recheado e coberto de doce de leite ou, na versão mais simples, recheado de doce de leite e pulverizado com açúcar de confeiteiro. Queria um bolo que fosse igual ao bem-casado mesmo. Com o recheio de doce de leite mais clarinho e suave, com a massa úmida e com aquela casquinha dura por cima. A @thecookieshop me socorreu, indicando um blog que tinha uma boa receita de bem-casado. Dele, tirei o recheio do bolo e adaptei pequenas mudanças na cobertura. A massa de pão-de-ló achei no blog da @FlaviaGPantoja, na receita do bolo tres leches (que aliás é de comer de joelhos também!).

Esta versão do bem-casadão ficou perfeita. Praticamente um bem-casado gigante. Foi o bolo de aniversário do Marcinho, amigo querido de Araraquara, que esteve aqui no almoço italiano que fizemos no último feriado de Sete de Setembro. Nunca um bolo meu fez tanto sucesso, acabou em menos de 10 minutos! Tive que correr para tirar algumas fotos antes de acabar. Um bolo para repetir muitas vezes. E que eu ainda vou fazer para a @liliantrigo, a maior adoradora de bem-casados que conheço.

Bem-casadão

massa

6 ovos
1 copo (requeijão) de açúcar
1 copo (requeijão) de farinha de trigo

Pré-aquecer o forno a 160ºC. Bater as claras em neve (não muito dura) e reservar. Bater as gemas com o açúcar até ficar esbranquiçado e fofo. Juntar delicadamente as claras em neve. Peneirar a farinha de trigo aos poucos sobre a massa e misturar com cuidado. Colocar a massa numa forma redonda de 25 cm untada e enfarinhada e levar ao forno por cerca de 25 minutos. Fiz duas vezes. Na primeira, usei ovos recém-tirados da geladeira e forno a 180ºC. O bolo ficou mais alto no centro. Na segunda, que é este da foto, usei ovos à temperatura ambiente e forno um pouco mais baixo. O bolo ficou fofo mas manteve o formato, não cresceu. Aguardei 15 minutos para desenformar.

recheio

2 latas de leite condensado
1 colher (sopa) de manteiga com sal
2 colheres (sopa) de amido de milho
200 g de creme de leite (de caixinha)

Cozinhar uma das latas de leite condensado na panela de pressão, contando 10 minutos após ferver. Tirar do fogo e deixar esfriar antes de abrir. Fazer o creme de confeiteiro: misturar o creme de leite com o amido de milho. Levar à panela no fogo baixo o creme de leite, a outra lata de leite condensado e a manteiga. Cozinhar até engrossar um pouco e ficar com consistência de ‘mingau’. Juntar o doce de leite e voltar ao fogo. Cozinhar até ficar com consistência de brigadeiro.

cobertura

250 g de açúcar de confeiteiro
1 colher (chá) de extrato de baunilha
60 ml de água fervente

Fazer uma calda juntando o açúcar de confeiteiro, a baunilha e a água fervente. Cobrir o bolo já pronto e montado e deixe secar por 12 horas para formar uma casquinha dura.

montagem

Aguarde 15 minutos para desenformar. Depois que o bolo esfriar, divida-o ao meio. Pincele na parte de dentro das duas metades de bolo uma mistura de partes iguais de açúcar e água com um pouquinho de extrato de baunilha. Recheie com o recheio já frio. Monte o bolo, tire o excesso de recheio das laterais e cubra com a calda de açúcar. Deixei descansar de um dia para o outro.

A Nigella tem seu famoso bolo quádruplo de chocolate, que leva este nome por conter chocolate de quatro formas diferentes: cacau em pó na massa, gotas de chocolate na massa, calda de chocolate por cima e raspas de chocolate por cima da calda. Pois sendo uma adoradora de coco em suas mais diversas formas, resolvi criar meu bolo quádruplo de coco. Minha versão é adaptada da receita publicada por uma cooperativa que vende produtos de coco. Na massa do meu bolo quádruplo vai farinha de coco, óleo de coco, leite de coco e coco ralado. E ainda coco ralado para cobrir – será que posso chamá-lo de um bolo quíntuplo de coco? :-)

Esta abundância de coco tem explicação. Conversava um dia destes com uma amiga sobre os tipos de óleo mais saudáveis para cozinhar e ela me contou do óleo de coco. Disse que o tinha provado e que, além de saudável, era uma delícia. Conversei então com a minha nutricionista predileta, que confirmou que de fato o óleo de coco é muito bacana para o consumo pois é bastante resistente à alta temperatura e suas propriedades ficam mais preservadas no cozimento (junto com o óleo de canola, são os mais indicados. Mesmo o azeite não resiste bem à alta temperatura e é mais saudável se usado cru nos alimentos já cozidos).

Enfim, voltando ao bolo. Fiz uma compra de óleo de coco e aproveitei o frete para pedir também a farinha de coco. Com isto em mãos, veio a ideia. O coco ‘quádruplo’ realmente acentuou os sabores e o bolo ficou uma delícia! A farinha de coco é mais escura e deu um tom moreno ao bolo. Ele não cresce muito, pelo que não ficou fotogênico. Mas é tão, tão gostoso que achei que não podia deixar de publicar a receita. Da próxima vez farei receita dupla para sair melhor na foto. Mas quem tiver oportunidade, experimente o bolo quádruplo de coco e depois conte :-) Receita também super legal para celíacos.

Bolo quádruplo de coco

4 ovos
¾ xícara (chá) de açúcar
2 colheres (sopa) de óleo de coco virgem
½ xícara (chá) de leite de coco
1 xícara (chá) de farinha de coco
3 colheres (sopa) de coco ralado
1 colher (sobremesa) de fermento em pó
coco ralado para enfeitar

Pré-aquecer o forno a 180ºC. Bater as claras em neve e reservar. Bater na batedeira as gemas com o açúcar até ficar branquinho, juntar o óleo de coco e bater até misturar bem. Desligar a batedeira e misturar o leite de coco aos poucos, e em seguida a farinha de coco, o coco ralado e o fermento em pó. Por último, acrescentar as claras em neve, misturando delicadamente. Colocar a massa em uma forma de bolo inglês untada com manteiga e enfarinhada com farinha de trigo. Assar o bolo por cerca de 30 minutos ou até o palito sair limpo. Esperar esfriar um pouco, desenformar e enfeitar com coco ralado.

Atenção… observação importante! Esta receita é excelente para quem não pode consumir glúten. Neste caso é preciso usar um refratário untado com óleo de coco e enfarinhado com farinha de coco mesmo. O problema é que assim gruda um pouco no fundo da forma, ou seja, melhor usar um refratário bonito e NÃO DESENFORMAR o bolo depois de pronto. Eu testei.

Em tempo… um esclarecimento oportuno. Fiquei curiosa sobre as denominações ‘óleo VIRGEM de coco’ e ‘óleo EXTRAVIRGEM de coco’. A Sonia Hirsch diz que não há diferença no método de prensagem e que esta classificação oficialmente não existe, ao contrário do que ocorre para os azeites de oliva. Perguntei ao fabricante e ele me respondeu que ‘o óleo de coco virgem é prensado a frio assim como o extravirgem, porém utiliza a polpa em volta da castanha, portanto tem uma coloração amarronzada em comparação ao extravirgem. Apesar dos dois terem as mesmas características organolépticas, o extravirgem é indicado para ingestão oral e o virgem para frituras, além de refogados e assados, entre outros usos como por exemplo a hidratação capilar. Porém, a grande diferença está mesmo no custo por conta do tipo de polpa utilizada’.

Já falei outras vezes de como eu gosto do livro do David Lebovitz, o Ready for Dessert. Recentemente postei aqui no blog o bolo de canela com cobertura de maple, peras e amêndoas em lascas, super campeão em textura e sabor. Pois este outro bolo do livro me conquistou pela foto. Bem escuro, bem úmido, bem denso, quase caramelado. E bem ‘gengibrento’, do jeito que eu gosto. A quantidade de especiarias que vai nele assusta. Assim, se você tem receio de não agradar ou de ‘queimar a boca’, faça como eu e coloque metade da quantidade que o David Lebovitz recomenda na receita para a canela em pó, o cravo moído e a pimenta-do-reino moída. Achei que assim o ‘tempero’ ficou perfeito. Adaptei um pouco a receita também nas quantidades, uniformizando as medidas em xícaras. Ainda assim, com um pouco menos de gengibre e de especiarias do que a receita original, continua sendo um bolo ‘de gente grande’. E perfeito para os adoradores de gengibre. O bolo é daqueles que basta comer uma fatia para ficar satisfeito. Mas eu gostei tanto dele que comi logo duas fatias grossas :-)

Bolo de gengibre, melado e especiarias

100 g de gengibre fresco descascado e ralado
1 xíc (chá) de melado
1 xíc (chá) de açúcar
1 xíc (chá) de óleo
2 ½ xíc (chá) de farinha de trigo
½ col (chá) de canela em pó
¼ col (chá) de cravo moído
¼ col (chá) de pimenta-do-reino preta moída
1 xíc (chá) de água
2 col (chá) de bicarbonato de sódio
2 ovos

Pré-aqueça o forno a 180ºC. Unte e enfarinhe uma forma de buraco no meio. Numa vasilha grande comece misturando o açúcar, o melado e o óleo. Reserve. Em uma panelinha ferva a água, desligue o fogo e misture na água fervente o bicarbonato de sódio. Junte à mistura de óleo e açúcar e mexa para incorporar. Junte o gengibre ralado e misture para incorporar também. Peneire junto a farinha de trigo, a canela, o cravo moído e a pimenta-do-reino moída. Junte à mistura líquida, aos poucos, para não empelotar. Adicione os ovos, um a um, misturando bem com um fouet ou batedor. Coloque a massa com cuidado na forma de bolo. A massa fica líquida mesmo. Leve ao forno por 30 a 40 minutos ou até o palito sair limpo.

A @liliantrigo e a @fezoca estavam no Twitter ontem falando sobre avós. Me deu uma saudade das minhas… Curti muito minhas avós, cada uma a sua maneira.

Minha avó paterna viajava muito, conheceu o mundo todo junto com meu avô, juiz de direito já aposentado. Os dois são uma lição interessante para muita gente que acha que “depois de velho” não se faz mais nada. Foi só depois do meu avô se aposentar e de criarem os seis filhos que eles começaram a viajar, sem falar uma palavra de idioma estrangeiro, sem ter qualquer experiência no ramo! E minha avó Olga sempre tinha histórias interessantes para contar. Trazia para nós, de todas as viagens, uma boneca vestida com os trajes típicos do lugar que ela visitava. Temos estas bonecas até hoje, uma coleção linda. E foi com eles que comecei a pegar o gosto pelas viagens :-)

Minha avó materna foi uma das pessoas mais amorosas, tolerantes e doces que já conheci na vida. Esposa de médico pediatra, suas atitudes e a maneira de ver a vida refletem-se até hoje no comportamento da família, muitíssimo unida. Vi poucas famílias como a da minha mãe, na qual tanta gente tão diferente convive junto e sempre bem. E este legado de bondade e tolerância da minha avó procuro seguir também na minha vida. Assim como o gosto para cozinhar, que também veio dela. Boas lembranças da macarronada ao sugo e do bolo “de Iguape”, feito com farinha de arroz, delícia que já tentei e não consigo fazer igual. Das tardes em que, assim que chegávamos, ela ligava no ‘empório’ e vinha um menino de bicicleta trazer pão francês e queijo mineiro fresquinho para acompanhar o café. Mas… voltando ao bolo :-)

Lembrei da minha avó materna quando fiz este bolo na semana passada. A receita é antiga, eu devia ter uns 15 anos de idade quando a recortei de uma revista, que acho que era uma Cláudia Cozinha. Assei o bolo e levei na casa dos meus avós. Todos amaram. E a minha avó Jurema disse: “minha filha, não dê esta receita para ninguém, este fica sendo o seu bolo especial, aquele que todos vão pedir para você fazer!”  Já se passaram mais de 20 anos e os tempos mudaram, hoje o gostoso é justamente compartilhar com as pessoas as nossas receitas queridas. Tenho certeza que minha avó amada concordaria, ainda mais sendo quem ela era.

Espero que gostem do “meu” bolo. É um bolo fofinho com perfume de maçãs e canela, uma delícia mesmo.

Fiquem, vai ter bolo :-D

Bolo de maçã segredo de vó

100 g de manteiga à temperatura ambiente
1 xíc (chá) de açúcar branco
½ xíc (chá) de açúcar mascavo bem apertado na xícara
3 ovos
2 ¾ xíc (chá) de farinha de trigo
1 col (chá) de canela em pó
1 col (chá) de fermento em pó
1 col (chá) de bicarbonato de sódio
½ xíc (chá) de leite
2 xíc (chá) de maçã descascada ralada no ralo grosso, bem apertada na xícara
1 col (chá) de baunilha
1 xíc (chá) de passas ou nozes picadas grosseiramente (opcional)

Pré-aquecer o forno a 180ºC. Untar e enfarinhar uma forma de bolo de buraco no meio. Misturar a farinha de trigo, a canela, o fermento e o bicarbonato e reservar. Bater a manteiga e o açúcar, acrescentar os ovos um a um. Parar de bater e juntar as maçãs raladas e a baunilha. Acrescentar a mistura de farinha alternadamente com o leite. Mexer só para misturar. Adicionar as nozes e despejar a massa na forma. Assar por 30 minutos ou até o palito sair ‘limpo’.

Em tempo: esta luva de pegar coisas quentes é da Ana Sinhana, que faz muitas coisas lindas!

Estou em uma fase in love com dois gostosões do pedaço gourmet: o David Lebovitz e o Ottolenghi :-)Vontade mesmo de dar uma de Julie Powel e fazer todas as receitas destes livros deliciosos. Uma das receitas que fiz recentemente e da qual gostei muito foi este bolo com canela na massa e cobertura ‘invertida’ de maple e peras.

Na receita original do livro Ready for Dessert – My Best Recipes, o David Lebovitz coloca mais canela na massa do bolo e usa avelãs na cobertura. Usei metade da quantidade de canela sugerida. E como não sou grande fã de avelãs em doces (exceção seja feita ao creme de avelãs com chocolate, claro) coloquei amêndoas em lascas, levemente tostadas. Combinaram muito bem com as peras.  Ficou um bolo muito macio e úmido, gostoso mesmo.

Bolo de canela com cobertura de maple, peras e amêndoas

cobertura
1/3 xíc (chá) de maple syrup (colocaria 1/2 xíc da próxima vez)
1/4 xíc (chá) de açúcar mascavo
1/3 xíc (chá) de amêndoas em lascas levemente tostadas
4 peras portuguesas descascadas e cortadas em fatias finas

massa
1 1/2 xíc (chá) de farinha
1 col (chá) de fermento em pó
1 col (chá) de canela em pó
1/2 col (chá) de sal
100 g de manteiga sem sal a temp. ambiente
1/2 xíc (chá) de açúcar demerara
1/4 xíc (chá) de açúcar mascavo
1/2 col (chá) de essência de baunilha
2 ovos
1/2 xíc (chá) de leite

Pré-aquecer o forno a 180ºC. Começar pela cobertura. Em uma forma redonda de 23 cm de diâmetro juntar o maple syrup e o açúcar mascavo. Misturar e levar ao fogo baixo até borbulhar. Contar um minuto, mexendo sempre, e desligar o fogo. Espalhar uniformemente sobre a calda na forma as amêndoas em lascas. Por cima, arrumar as fatias de peras. Reservar. Fazer a massa: bater o açúcar mascavo, o açúcar demerara e a manteiga até ficar fofo e esbranquiçado. Juntar a baunilha e os ovos, um a um, batendo bem. Desligue a batedeira e peneire sobre a massa os ingredientes secos: farinha, fermento, canela e sal. Coloque metade do leite e misture até incorporar. Junte o restante do leite e misture. Coloque delicadamente a massa sobre as peras na forma e leve ao forno por 40 minutos ou até o bolo assar. Retire e deixe esfriar um pouco. Para desenformar, passe a faca na lateral da forma. Desenfome com cuidado.

Estou chovendo no molhado publicando este bolo aqui no Rosmarino. É que além dele ter sido inicialmente publicado no Serious Eats, também foi postado pela @MariaRe no blog Fogão Azul, um dos meus preferidos (dêem uma olhadinha neste molho assado de tomates e neste calzone para ter uma ideia das gostosuras da Maria Rê).

Mas é que este bolo é tão, tão gostoso – e tão, tão diferente – que não podia deixar de mostrá-lo de novo – para quem ainda não viu :)

Os brasileiros não têm muito o hábito de comer grão-de-bico, mas incluí-lo na alimentação vale a pena pelas propriedades deste grão. Rico em nutrientes e fibras, combate a depressão e, assim como a lentilha e o espinafre, é uma excelente fonte de ácido fólico para as grávidas :) Façam, façam, façam!

Ah… fiz mudanças mínimas na receita: dobrei a quantidade de fermento em pó e usei açúcar demerara. Um detalhe: o meu ficou com pequeninos pedaços de grão-de-bico na massa. Dá para ju-rar que é castanha. Bem interessante.

Bolo de grão-de-bico com chocolate

2 xíc (chá) de grão-de-bico cozido
140 g de chocolate meio amargo
4 ovos
½ col (chá) de essência de baunilha
½ xíc (chá) de açúcar demerara (pode ser açúcar cristal)
1 col (chá) de fermento em pó
½ col (chá) de sal

Pré-aquecer o forno a 180°C. Untar e enfarinhar uma forma de bolo inglês (na receita original polvilha-se com cacau em pó ao invés de farinha de trigo). Cortar o chocolate em pedaços pequenos e derreter no microondas. Bater no processador o grão-de-bico, os ovos e a baunilha, até formar um purê (cerca de 1 minuto). Adicionar o açúcar, o fermento e o sal e bater mais um pouco (cerca de 20 segundos). Juntar o chocolate derretido e misturar bem até homogeneizar. Despejar essa mistura na forma untada e colocar no forno pré-aquecido por cerca de 50 minutos ao até o palito sair limpo.

Sou daquelas aquarianas típicas que desde pequena quer salvar a Humanidade e fazer justiça. Que tenta viver ecológica e organicamente. E que dificilmente se deixa seduzir por grifes e modas. Prefiro gastar meus petrodólares viajando, comendo e bebendo ;-)

Mas se tem uma coisa que desperta meus surtos consumistas são os badulaques de cozinha… shame on me, eu sei. Enfim, adoro uma forma de bolo nova, cortadores de biscoito diferentes e ‘inutilidades’ como um termômetro para doces, uma faca de cerâmica, etc. Entre os badulaques mais legais que comprei na última viagem está a forma de bundt cake. Para quem não conhece, é esta forma de bolo cheia de ‘gominhos’ da foto acima. Aquela forma da minha cena predileta do filme Casamento Grego, na qual a mãe americana leva para a mãe grega um bolo que ela chama de bundt e que a outra não entende o que é de jeito nenhum. Depois de muitos agradecimentos, o bolo volta para a mesa como ‘cachepot’, com um vaso de flores enfiado no ‘buraco’ do meio. Não me perguntem porque, mas eu ri histericamente desta cena. Humor gastronômico…

Esta receita de bolo veio no livrinho da fabricante da forma de bundt cake. Fazia tempo que eu estava procurando uma receita de bolo bem macio com cobertura de caramelo. Esta foi a receita mais legal que eu fiz. Vamos lembrar que americano é exagerado e tive que reduzir o açúcar (sim, tinha mais 1/2 xícara de chá na receita!) e a manteiga (a receita original pedia 200 g!), mas mesmo assim o bolo ficou maravilhoso. Fofinho, macio, com gostinho amanteigado e de baunilha. Combinou imensamente com a cobertura de butterscotch- que eu traduziria livremente para cobertura de ‘bala de caramelo’. Combinação dos deuses.

Bolo amanteigado com cobertura de butterscotch

150 g de manteiga em temperatura ambiente
1 xíc (chá) de açúcar refinado
1 xíc (chá) de açúcar de confeiteiro
6 ovos
3 xíc (chá) de farinha de trigo
1 xíc (chá) de creme de leite
1 col (chá) de essência de baunilha
1 col (sobremesa) de fermento em pó

Pré-aqueça o forno a 180ºC. Unte e enfarinhe a forma. Na batedeira, junte a manteiga com os açúcares e bata até a mistura ficar fofa e clarear. Adicione os ovos, um a um, batendo sempre. Adicione alternadamente o creme de leite e a farinha de trigo previamente misturada com o fermento. Bata na velocidade baixa só para misturar. Coloque a baunilha, misture e coloque a massa na forma. Leve ao forno por 45 minutos ou até o palito sair limpo.


cobertura de butterscotch

1 xíc (chá) de açúcar refinado<
1/3 xíc (chá) de manteiga
1 xíc (chá) de creme de leite
1/2 xíc (chá) de glucose de milho
1/2 col (chá) de essência de baunilha

Levar todos os ingredientes ao fogo alto até ferver. Abaixar o fogo e cozinhar mexendo sempre até a mistura reduzir e escurecer um pouco. Leva cerca de 20 minutos.

Em julho passamos alguns dias no Sul do Brasil. Primeiro na serra catarinense do rio do Rastro, o lugar mais frio do país, com paisagens de canyons de tirar o fôlego, incríveis mesmo. Lá visitamos a Villa Francioni, uma das vinícolas brasileiras mais modernas e charmosas. Em seguida fomos a Gramado, no Rio Grande do Sul, ótima pedida para as crianças pequenas. Mas falarei sobre a Villa Francioni e Gramado mais para frente, pois hoje é dia de doce :-)

No Sul era comum no café da manhã ter cuca, bolo típico desta região. Fruto da colonização alemã, é aquele bolo com massa mais densa e coberto com uma farofinha doce. Delícia e perfeito para acompanhar um café preto.

Fiquei com vontade de fazer cuca em casa, mas queria uma receita diferente. E achei esta do João Roberto, chef e ex-proprietário do restaurante La Pyramide de Ribeirão Preto, receita que foi publicada recentemente na revista Revide. A receita original do João é feita com framboesas congeladas misturadas à massa, resultando em um doce para se comer de colher. Adaptei a receita para o meu gosto, usando metade da quantidade de framboesas e apenas colocando as frutas sobre a massa crua antes de levá-la para assar.

Achei a massa da cuca bem densa, tanto antes como depois de assada, mas amigos tuiteiros disseram que é assim mesmo. A cuca não é um bolo fofinho, mas um bolo-pão, ‘primo’ do banana bread americano. As framboesas azedinhas fizeram um belo contraste com o doce. Eu achei um pouco doce demais, como sempre, mas fui voto vencido pois em casa todos acharam doce na medida certa. O açúcar demerara, que eu nunca tinha usado, deu um toque especial à farofinha da cobertura.

Cuca de framboesas

massa
3 ovos
250 g de açúcar demerara
100 g de manteiga derretida
200 g de amêndoas moídas
200 g de farinha de trigo
1 col (chá) de fermento em pó
1 col (chá) de essência de baunilha
250 g de framboesas congeladas

farofa para cobertura
6 col (sopa) de açúcar demerara
6 col (sopa) de amêndoas moídas
2 col (sopa) de manteiga gelada em cubinhos

Pré-aqueça o forno a 180º. Bata um pouco os ovos. Junte o açúcar, a manteiga derretida, as amêndoas moídas, a farinha de trigo, o fermento e a baunilha. Coloque a massa em uma forma retangular pequena, untada e enfarinhada. Por cima da massa espalhe as framboesas. Leve ao forno por 30 a 35 minutos (não deixe assar muito pois a massa voltará ao forno com a cobertura). Enquanto assa, faça a cobertura: misture o açúcar e as amêndoas moídas, junte a manteiga gelada em cubinhos e forme uma farofinha, sem mexer muito para não virar uma massa compacta. Retire o bolo do forno, cubra com a farofinha e volte ao forno por 10 a 15 minutos.

Bom apetite :-)
1 2 >