Viewing entries in the category religião

Muito difícil falar de religião. E até por isto relutei em escrever uma resenha do livro The God Delusion, do Richard Dawkins. Mas o livro desperta curiosidade e várias pessoas me pediram a opinião sobre ele. Vamos lá. É bom começar esclarecendo minha posição sobre religião, para que o leitor possa conhecer a “lente” pela qual enxergo o tema. Na prática, sou mezzo católica e mezzo anglicana (acabando em pizza mesmo), filosoficamente sou extremamente aberta a quaisquer ideias religiosas (ou não-religiosas!), desde que sigam o preceito básico da tolerância (já falei sobre educação com tolerância neste post).

Há duas historinhas, provavelmente lendas bonitinhas, mas que mostram bem como penso a religião. A primeira diz que Gandhi, quando perguntado a que religião pertencia, respondeu: “Sou Hindu, sou Muçulmano, sou Judeu, sou Cristão e sou Budista”… Outra diz que o Dalai Lama, quando perguntado qual seria a melhor religião do mundo, respondeu que era “aquela que te faz ser uma pessoa melhor”. E serve como uma luva esta placa que fotografei na frente de um centro de ioga no Village, em Nova York.

True is one. Paths are many.

Dito isto, foi com ‘boa’ pré-disposição que iniciei a leitura deste livro. Gosto de temas que desafiam, que mostram outras maneiras de entender um pré-conceito e que nos fazem pensar. O autor acerta muito em chamar a atenção para a questão da posição privilegiada que a religião tem hoje no mundo. De fato, há uma presunção geral de que a religião é especialmente vulnerável às ofensas; organizações religiosas baseadas em qualquer crença, seja antiga ou moderna, criada há mil anos ou ontem, têm em quase todos os lugares isenção de impostos e facilidades políticas. Organizações religiosas têm uma liberdade quase ilimitada (nos EUA inclusive sustentada pela jurisprudência) de exercer preconceitos e disseminar o ódio e a intolerância. A Primeira Emenda da Constituição norte-americana garante a liberdade de expressão, desde que esta expressão não dissemine ódio – já a liberdade religiosa não tem esta limitação.

Como cientista, o autor sustenta que a existência de Deus é uma hipótese científica como qualquer outra. Como biólogo, baseia muito sua tese de que Deus não existe na teoria da evolução. Assim, em última instância, quer provar que qualquer inteligência criativa e suficientemente complexa existe somente como um produto final de um extenso processo de evolução gradual e não de uma inteligência superior e sobrenatural. E diversos exemplos vêm disto: as pessoas são boas não porque querem um lugar no reino dos Céus, mas porque necessitam disto para sobreviver na natureza – nosso altruísmo seria genético, para preservar a espécie.

Mas o autor peca por duas razões principais. Primeiro, é um tanto arrogante e fala demais de si mesmo e dos embates e discussões que já teve. Segundo, mostra-se tão apaixonado pelo tema que comete um pecado mortal para um cientista – na máxima de Carlos Maximiliano, “apaixonar-se não é argumentar”. Dawkins é muito cuidadoso e ‘preciosista’ com pesquisas, números e argumentos contrários à religião, mas não age da mesma forma do outro lado. Assim, abusa um pouco de estatísticas traiçoeiras e manhosas.

Exemplos estão abaixo, se não quiser spoilers, pule os três próximos parágrafos.

Na página 102, o autor menciona que uma pesquisa feita com um “grande número de americanos selecionados aleatoriamente” (quantos seriam ‘um grande número’?) mostra que quanto maior o grau acadêmico, menos religiosa é a pessoa; e que a religiosidade é inversamente proporcional ao interesse pela ciência e o liberalismo político. Questiono muito esta estatística que provavelmente é restrita a um pequeno universo e cujas conclusões são temerosas. Outro exemplo: na página 229, menciona um texto e estatísticas que dizem que “embora a filiação político-partidária nos EUA não seja um perfeito indicador de religiosidade, números mostram que a violência e a criminalidade são maiores nos Estados dos congressistas cristãos conservadores”…

Na página 249 menciona um cientista Prêmio Nobel que diz: “religião é um insulto para a dignidade humana. Com ou sem ela, teremos pessoas boas praticando o bem e pessoas más praticando o mal” – até aí, tudo bem. Mas fecha muito mal sua colocação inicialmente ponderada: “mas para pessoas boas fazerem o mal, é preciso a religião”. Mais um exemplo de argumentação que descamba para a paixão: na página 259, o autor reconhece que “a religião é um rótulo para a inimizade ente grupos e para a vingança – não necessariamente pior que outros rótulos como cor da pele, idioma, ou time de futebol, mas frequentemente à disposição quando outros rótulos não estão” (?)…

Muitas vezes usa os argumentos conforme sua conveniência: na página 273, quando fala de Hitler e Stalin, diz que “não importa se Hitler ou Stalin eram ateus, mas se o ateísmo sistematicamente influencia as pessoas a fazerem o mal. Não há a menor evidência que o faz” (Mas a religião sim…?! Com base nas generalizações e estatísticas que ele colhe ao acaso). O mesmo argumento usa para a guerra. Mas o fato do ateísmo não levar às guerras não necessariamente significa que a religião leva! Não sou nenhuma historiadora, mas pelo pouco que estudei vejo que as guerras no mundo quase sempre têm uma motivação econômica por trás, normalmente de escassez – seja de dinheiro, de empregos, de terras, de recursos naturais. Ainda que hoje em dia tenhamos a ‘Guerra Santa’ explodindo por aí. E por vezes as guerras são fruto de fenômenos como Hitler e Stalin – passando por Idi Amin Dada e Pol Pot – cujos denominadores comuns não têm qualquer relação com religião e são o carisma, o poder, a loucura e a maldade.

Quase sempre, no livro, os religiosos são pintados como fanáticos, violentos e irracionais. O autor não considera que existem milhares de religiosos pacíficos e ponderados no mundo! Os exemplos de ponderação são quase sempre de não-religiosos. Ele dá exemplos de cartas e emails violentos enviados para sites que pregam o ateísmo. Ora, maluquice não é privilégio de religiosos não – tenho amigas que tem blogs de culinária e já foram ameaçadas de morte. Tem louco para tudo no mundo. Para mim, a pior parte do livro é a referência à pedofilia. Se não quiser mais um spoiler, pule esta parte.

Na página 316, Dawkins fala sobre os pedófilos. Diz que a “histeria contra os pedófilos assumiu proporções epidêmicas e vem levando os pais ao pânico”. Menciona que um jornal britânico de segunda linha iniciou em 2000 uma campanha que incentivava a violência contra os pedófilos, motivado por um crime real, a morte de uma garota de 8 anos que foi sequestrada e estuprada. Mas o autor chega ao ponto de afirmar: “no entanto, é claramente injusto jogar sobre todos os pedófilos uma vingança apropriada apenas à pequena maioria que também é assasina”. Como é?? Muita bondade e compreensão para quem é implacável com os religiosos. Chega a dizer que nas três escolas que freqüentou havia professores “cuja afeição por meninos pequenos ultrapassava as barreiras do que era apropriado” – mas que mesmo assim o autor se “sentiu obrigado a vir na defesa deles, inclusive como vítima de um deles (em uma experiência embaraçosa mas que não deixou danos)”. Não entendo como ele pode achar isto muito melhor do que os padres professores que ameaçavam as crianças com o fogo do Inferno. Questão de opinião, mesmo.

Ele advoga a extinção de Igrejas e de padres, citando exemplos de pessoas traumatizadas por experiências de infância com padres que aterrorizavam prometendo castigos, o Inferno, etc. Ora, se for assim, devemos abolir também as escolas por conta daqueles professores que não ameaçam com o castigo de Deus, mas são capazes de dizer a um aluno que ele é ‘burro’ e que ‘não vai ser nada na vida’, como existem casos por aí. Isto é melhor de alguma forma? Devemos culpar a totalidade de escolas e professores por estes exemplos isolados? Então não podemos também culpar a totalidade das Igrejas e padres.

Voltando à tese do livro, o autor observa que a religião preenche quatro lacunas na vida humana: explicação, exortação, consolação e inspiração. Concordo com o autor quando ele diz que, historicamente, a tarefa de explicar nossa existência e a natureza do Universo no qual nos encontramos já foi – melhor dizendo, vem sendo – suprida pela Ciência. Por exortação o autor quer dizer instruções morais, ou como devemos nos comportar. Parte disto de fato se deve à solidariedade da espécie, como o autor defende, mas na minha opinião ainda há muito que explicar. Assim como os contos de fadas ajudam às crianças a expor seus medos e levam ao auto-conhecimento, também a religião pode satisfatoriamente fazer isto. Claro, a religião como nós, eu e você, a praticamos e não a religião fundamentalista que é tão ruim como qualquer outro meio de disseminação de proconceitos, ódio e intolerância. Na difícil questão do consolo, o autor usa uma argumentação muito frágil. Compara a religião com os amigos imaginários e as muletas de afeto das crianças, como chupetas e cobertores. Ele quer dizer que, quando amadurecemos, teoricamente não necessitamos mais destas muletas psicológicas par vivermos bem e felizes.

Tão difícil entrar nesta seara… eu mesma não consigo escapar do consolo que a religião oferece no caso da morte de pessoas queridas. Preciso, quero e acredito que minha avó, que foi uma mãe para mim e cuja morte senti muito, está lá (onde quer que seja este lugar) nos vendo e zelando por nós, que ela de alguma forma conheceu os meus filhos e acompanha a minha vida. Possivelmente sou um ser humano imaturo, mas enfim, difícil achar quem não seja.

Por fim, sobre a inspiração, o autor pega mais leve e diz que “é uma questão de foro íntimo e o método de argumentação que vai usar é mais retórico que lógico” Tenta trabalhar na abertura dos horizontes e na ampliação da nossa visão, mas não convence. Não vejo porque tirar os benefícios da religião utilizada para esta função. Já saí de algumas missas muito inspirada, de alma leve, tendo aprendido alguma coisa interessante. E acho que isto vale para milhares de pessoas. Mesmo que algumas vezes a inspiração seja usada para o mal.

Mas leia o livro! Gostaria muito de ouvir outras opiniões. Obs. 1 Li o livro em inglês, assim as traduções para o português deste texto são todas minhas. Aceito críticas. Obs. 2 Este texto foi originalmente publicado no blog A Roupa Nova do Rei.

Compartilhar/Favoritos