Viewing entries in the category Chile

Santiago do Chile é uma cidade bem legal para quem gosta de comer e beber. Já de começo tem os vinhos chilenos, alguns que a gente nunca viu no Brasil, com preços de vinho nacional :-) E segundo porque há uma seleção de restaurantes descolados, modernos e gostosos que competem com São Paulo nos quesitos comida e bebida mas ganham no quesito preço :-D

Duas regiões da cidade são especialmente interessantes por serem agradáveis para caminhar e reunirem atrações enogastronômicas para deliciar qualquer bom gourmet.

Av. Isidora Goyenechea e arredores

Região muito gostosa para andar, bem arborizada e praticamente residencial, mas que concentra alguns dos bons hotéis e restaurantes de Santiago.

No badalado Hotel W há dois bons restaurantes, o NoSo de comida francesa e o japonês Osaka. Mas o mais interessante são as lojas Coquinaria  e El Mundo del Vino, uma ao lado da outra, no mesmo prédio do hotel. Junto delas, o Juan Valdez Café para um lanche rápido.

A Coquinaria é uma delícia para almoçar e para comprar guloseimas e coisas de cozinha. E linda só para olhar também, já que seus preços são meio proibitivos. Fomos lá perto do Natal e a loja tinha árvores de Natal e outras decorações com nozes e frutas secas, criativo e bonito.

El Mundo del Vino é um dos paraísos de quem gosta e quer comprar vinho em Santiago. A loja é grande e bem completa e os vendedores solícitos. (Tenha em mente que a franquia de bagagem por pessoa voando para/do Chile é de uma mala de 23 kgs! Muito fácil ultrapassar este limite com garrafas de vinho e a bagagem extra na LAN é bem cara).

Mais para frente, a um quarteirão de distância, fica a antiga e tradicional Confiteria Torres, onde o gostoso mesmo é sentar-se nas mesinhas da frente, tipo ‘bistrô parisiense’, e pedir um espresso (muito bem tirado, o melhor que tomamos no Chile) e aproveitar para olhar as pessoas caminhando na rua. Também ali ao lado tem um Starbucks, com a sempre útil internet gratuita :-) Dê uma volta na praça na frente do W e mais adiante, na própria Av. Isidora Goyenechea, pare para comer uma pizza no Tiramisú, restaurante informal e bonitinho com boas pizzas e massas.

Nos arredores, a meia hora de caminhada ou a 5 minutos de táxi, fica o bairro da Providencia, onde há vários bons restaurantes. Entre eles o Aqui Está Coco, o Rivoli, o Astrid & Gastón e o Le Bistrot.

Ficamos na maior dúvida entre escolher um lugar novo ou voltar ao Aqui Está Coco, onde estivemos na nossa primeira viagem ao Chile, há mais de 10 anos. No fim, resolvemos voltar ao Aqui Está Coco por razões saudosas. Este restaurante é considerado turístico e muita gente torce o nariz para ele. Pois fomos e não nos arrependemos. Comemos frutos do mar muitíssimo frescos e bem feitos e a mesma sobremesa de 10 anos atrás, que continua ótima, a torta folhada de doce de leite. De quebra o sommelier era ótimo e com ele aprendemos a tomar os Sauvignon Blancs chilenos, que achamos bem mais gostosos que os Chardonnays, normalmente nossa uva branca predileta. Depois, pesquisando nos blogs amigos, descobri que não somos os únicos que gostamos deste restaurante, né Edu Luz e Destemperados?

 

Av. Nueva Costanera e arredores

Este é o point para quem gosta de comer bem e quer conhecer os lugares mais descolados de Santiago. Ao longo da Av. Nueva Costanera, que é outra ótima avenida para andar a pé, alguns dos restaurantes mais bacanas de Santiago dividem espaço com hotéis lindos e lojas de luxo nas ruas transversais, como a Alonso de Córdova. Além dos restaurantes, na Nueva Costanera tem uma ótima enoteca, a Wain, com preços um pouco melhores do que o El Mundo Del Vino em um espaço mais personalizado. Na frente da Wain, outra boa surpresa: uma loja da KitchenAid para babar bastante nas batedeiras e demais utensílios domésticos super bacanas :-) Continuando a pé está o La Mar e após mais alguns quarteirões ficam o Boragó e o Sukalde, um ao lado do outro. Um pouco mais longe, nos arredores, o bom restaurante Astoria.

Seguindo as dicas do Edu Luz e da Nina, escolhemos o Boragó para o nosso jantar de comemoração de 15 anos de casados. Valeu muito! Escolhemos o menu degustação acompanhado de vinhos (ou cervejas e chás, dependendo do prato!) e foi muito divertido e gostoso. Com uma qualidade de pratos e vinhos que em São Paulo certamente custaria o dobro do preço. No Boragó finalmente perdi a birra dos vinhos Pinot Noir, depois de ter provado o Anakena Pinot Noir 2009.

Em tempo: se quiserem saber mais destes restaurantes em Santiago, não deixem de ver os posts do DCPV, dos Destemperadose do Gourmandise sobre eles.

Mercado Central e arredores

Last but not least… Deixei por último este capítulo e nem considerei esta região porque, para mim, foi uma decepção total. Tenho alguns amigos que são super fãs do Mercado Central de Santiago e recomendaram uma vista a ele. Mas li críticas no DCPVe no Viaje na Viagem e fiquei na dúvida. No fim fomos de teimosos. De fato a insistência dos garçons do Donde Augusto, restaurante onipresente no mercado, enche um pouco. Mas o pior não foi isto. Chegamos ao Mercado após as 15h e o lugar estava cheio de lixo e restos de peixe jogados no chão, quase todas as barracas de peixes fechadas e as poucas abertas cheias de moscas pousando na ‘mercadoria’. Um cheiro de peixe podre aqui e acolá, fomos embora depois de 5 minutos.

Sim, estou cansada de saber que em feira e mercado tem que ir cedo, mas esperava mais de um ponto turístico de Santiago. Se alguém ainda tem vontade de ir ao Mercado Central de Santiago, faça um esforço para chegar pelo menos antes das 10h da manhã, quando o movimento das barracas de peixes e frutos do mar é maior.

Nos arredores do mercado, caminhando por cerca de 30 minutos (uma caminhada meio árida, não tão agradável como nas duas regiões acima), chega-se ao Pátio Bellavista, dito shopping a céu aberto com bons pequenos restaurantes. Não sei se pelo horário, ou pela época do ano, mas o que vimos no Bellavista foram lojinhas de artesanato, de bijuterias e de souvenirs, nada incrível ou diferente, o mesmo de sempre.

Na rua atrás do Pátio Bellavista há muitos restaurantes, entre eles oComo Água para Chocolate, que é bem gostoso. Desta vez não estivemos lá, mas é um programa legal para quem vai visitar La Chascona, a casa do Pablo Neruda, que fica ali perto e é para mim um dos programas mais legais para fazer na cidade.

Agradeço as dicas da Mari Campos, do Edu Luz, da Nina e da Natalie.

E com este post o Rosmarino e Outros Temperos encerra o ano de 2011. Desejo um Feliz Natal e um bom Ano Novo para todos vocês! E aguardem que 2012 traz grandes novidades para o blog :-)

Compartilhar/Favoritos

Uma das dúvidas mais frequentes de quem vai ao Atacama é como escolher os passeios. São tantas opções e quase sempre poucos dias para aproveitá-las, que fica dificil mesmo saber o que fazer. Tentarei aqui ajudar os viajantes aventureiros nesta dura mas deliciosa tarefa. Lembrando que se trata da minha opinião e não de um tratado a respeito :-)

Para começar, é importante considerar dois aspectos. O primeiro deles é respeitar seus limites físicos. Ceder à pressão do grupo e topar fazer um passeio para o qual você não está preparado pode trazer dores, contusões, mal estar. Fora o constrangimento perante o grupo. Por exemplo: a caminhada pelo Valle de la Luna é muito interessante, mas são mais de 6 km andando num altitude de 2.400 m, incluindo pelo menos três subidas, uma delas por uma duna de areia onde o pé afunda. Por mais tentador que seja, só vá se você aguenta mesmo.

O segundo ponto a considerar na sua estratégia de escolha de passeios é a altitude. Pense que você está a 2.400 m acima do nível do mar e alguns dos passeios são feitos a mais de 4.000 m. O recomendado é que se faça uma adaptação gradual à altitude. Assim, quando chegar, planeje seus passeios levando em conta que os mais “altos” terão que ser feitos ao final da jornada.

Uma outra dica é procurar diversificar as atividades para que seu dia fique mais interessante. Se andou muito de carro pela manhã, faça uma caminhada à tarde. Cavalgou de manhã? Procure um passeio de bicicleta para fazer no final do dia, e por aí vai.

OBS. os passeios variam um pouco de hotel para hotel. Estou tomando por base os passeios promovidos no Explora. Os demais hotéis devem ter pequenas variações em percursos e trajetos.

PASSEIOS IMPERDÍVEIS

Na minha opinião, são três os passeios imperdíveis: os Gêiseres de Tatio/Termas de Puritama, os Salares do Altiplano e o por-do-sol na Laguna Chaxa do Salar de Atacama. Destes, os dois primeiros só podem ser feitos a partir do terceiro dia em que você está no Atacama, sendo que o dia em que você chega, mesmo de noite, conta como sendo o primeiro dia. Não tivemos tempo para ir, mas se você tiver, não perca o Salar de Tara, um dos passeios mais completos no Atacama.

Gêiseres de Tatio/Termas de Puritama

 

O grande inconveniente deste passeio é que é preciso sair às 5h30 da manhã, pois são duas horas até o local dos gêiseres e estes só estão ativos de manhã bem cedo. Quem chega mais tarde vê só os ‘buracos’. Também é preciso ir bem agasalhado, por conta do horário e da altitude. Mas é muito bacana ver os gêiseres de perto. E depois, quando o dia esquenta e o percurso continua para uma altitude mais baixa, nadar nas águas cristalinas, limpíssimas e quentes das Termas de Puritama. Uma verdadeira delícia :-) Este passeio também é interessante pelos contrastes, há lindas paisagens de um deserto tipo ‘faroeste’, com cactus, pequenos animais, lagunas, vegetação rasteira em alguns pontos. Bem diferente do cenário desolado do Valle de La Luna, por exemplo.

Salares do Altiplano

O passeio aos Salares do Altiplano também é imperdível. Neste local ficam as lagoas mais azuis, os salares mais brancos, as paisagens mais desoladas e tranqüilas. Fora de temporada você pode dar a sorte de visitar estes locais incríveis praticamente sozinhos, como aconteceu conosco. As lagunas Miscanti, Miñiques, Tuyajto e o Salar de Águas Calientes Sur são deslumbrantes, com coloridos e formatos absurdos de tão bonitos. Durante o percurso, lindas vistas dos vulcões e das montanhas com neve.

Salar do Atacama/Laguna Chaxa

É legal ver os flamingos no Salar do Atacama, mas o lugar é especialmente bonito no por-do-sol, quando as cores do poente se refletem nas águas, nos salares, nas pedras e no céu do lado oposto. Inesquecível e imperdível!

 

CAMINHADAS

 

Para quem gosta – e agüenta – caminhar, o deserto oferece paisagens lindas e muito diferentes, um silêncio repousante, detalhes de pedras, vegetação e animais que a gente nunca viu antes. Uma experiência incrível mesmo! Para mim, as caminhadas mais legais são a de Kamur/Valle de la Luna e de Guatin/Punta Del Inca. A de Kamur é um pouco mais puxada, já que são 6,5 km e há duas ou três subidas um pouco mais íngremes, além da caminhada pelas dunas. Mas as paisagens que parecem o solo lunar são fantásticas. A de Guatin é mais leve, são 3,5 km descendo pela beira de um rio e um cânion, com vegetação típica desértica, um percurso também bacana. Para os fortes, há outras opções mais puxadas, como Machuca/Rio Grande e Copa Coya.

CAVALGADAS

Mesmo para quem não costuma cavalgar, fazer um passeio a cavalo pelo deserto é uma experiência interessante. Nem todos os hotéis oferecem estes passeios, alguns não tem um plantel de cavalos próprios, mas se o seu hotel oferece cavalgadas, faça pelo menos uma em nome da aventura :-) Eu gostei da cavalgada pelo Valle de Quitor, bem tranqüila e ótima para quem não está muito familiarizado com os cavalos. Uma outra interessante, um pouco mais puxada, é a cavalgada pelo Valle de la Muerte. Para quem anda bem a cavalo, é imperdível fazer a cavalgada pela Quebrada Del Diablo.

PASSEIOS DE BICICLETA

Quase todos os percursos de bicicleta são relativamente planos e as bicicletas dos hotéis normalmente boas. Nós aproveitamos para pegar bicicletas no hotel e dar uma volta pela cidade de San Pedro do Atacama. Na rua principal, a Caracoles, é preciso prender a bicicleta em um cadeado e continuar a pé. Mas vale a pena dar uma volta de bicicleta e olhar de perto as pessoas, as casas, a vida acontecendo no local. Um passeio bom para fazer de bicicleta é o da Laguna Cejar. São 18 km em um percurso quase todo plano e no final um banho na laguna Cejar, cujas águas são tão salgadas quanto as do Mar Morto e onde é uma delícia boiar. Mas é preciso encarar a água fria! Se for fazer este passeio, coloque na sua mala uma sandália tipo ‘papete’ para entrar na lagoa. A volta é feita de van.

No hotel onde fiquei, a van acompanhava o passeio de perto e quem cansava podia desistir no caminho. Uma mão na roda para os que querem fazer o passeio mas estão receosos da sua falta de forma física. Procure se informar no seu hotel desta possibilidade antes de fazer o passeio.

ASTRONOMIA

Dizem que o céu do Atacama é um dos mais bonitos do mundo. Assim, se você se interessa pelas estrelas, não deixe de fazer um passeio astronômico :-)

Alguns hotéis, como é o caso do Explora, oferecem um tour no próprio hotel. Nele, um guia leva o grupo a um local um pouco afastado e faz uma explanação sobre o céu do deserto do Atacama a olho nu. Em seguida, leva ao observatório para ver estrelas e planetas através de um telescópio eletrônico.

Mas para quem não está neste hotel, há um passeio ainda mais bacana, contratado direto na cidade e promovido pelo astrônomo francês Alain Maury e sua esposa, em sua própria casa, próxima a cidade de San Pedro do Atacama. Os tours são feitos em três linguas: inglês, francês ou espanhol, em três horários diferentes. Há uma explanação bastante completa sobre o céu a olho nu e como identificar planetas, constelações, galáxias e nebulosas. Em seguida, é feita a observação de estrelas e planetas em cinco telescópios já montados. Quem foi, adorou!

E boa viagem!

Em tempo: no blog Viaje na Viagem tem um post muito bom para quem procura hotéis e operadoras de turismo no Atacama, inclusive com muitas dicas de leitores que foram para lá. Confiram aqui. Os blogs Matraqueando e Rotas Capixabas tem excelentes posts sobre o Atacama. Para ler antes de ir!

Este post é para o Adriano B., para a Carmo, para a Carla e o Fernando, que vão para o Atacama nos próximos meses. E também para vocês que planejam uma viagem para esta região e estão curiosos e/ou apreensivos com o que vão encontrar por lá. O deserto do Atacama  faz parte daqueles destinos que chamamos de “turismo de aventura” e que requerem certos cuidados e considerações. Assim, se você planeja ou já engrenou uma viagem para o Atacama, aqui vão algumas dicas úteis para sua viagem ficar ainda mais legal. Prepare-se!

MELHOR ÉPOCA PARA IR

As melhores épocas do ano para ir ao Atacama são na primavera (setembro a novembro) e no outono (março a maio), já que no deserto a amplitude térmica é muito acentuada e nestas épocas as temperaturas são mais amenas (menos frio à noite e menos calor de dia). Também há menos risco das intempéries atrapalharem a sua viagem. Por exemplo, a chuva no Atacama no verão (pouca, mas que vira neve em alguns pontos mais altos) pode bloquear estradas e impedir alguns passeios, como os gêiseres de Tatio, um dos mais interessantes.

COMO PLANEJAR A VIAGEM

Ao planejar sua viagem ao Atacama, leve em conta o fato de que deverá pegar (no mínimo) dois voos – São Paulo (ou Rio de Janeiro) a Santiago, depois Santiago a Calama – e ainda um transporte por carro de Calama até a cidade de San Pedro do Atacama (cerca de uma hora de viagem). Ou seja, isto toma tempo e tem que ser considerado nos dias que você reserva para sua viagem. Lembre-se também que, se você chegar à noite no Atacama, vai pagar uma diária de hotel praticamente para dormir :-) Considere a logística.

LAN Chile faz os voos mais baratos e com mais oferta de horários entre São Paulo (ou Rio de Janeiro) e Santiago do Chile, e entre Santiago e Calama. Se você pretende visitar o Atacama com conforto, pesquise os seguintes hotéis na região: ExploraKunzaTierra AtacamaAlto Atacama. Todos oferecem excelentes acomodações, boa comida e bebida, estrutura para fazer os passeios e mimos que, como bem disse a Boia do Viaje na Viagem, variam conforme o preço dos locais.

O QUE VESTIR

Lembre-se que esta é uma viagem de aventura :-) e tente segurar o ímpeto de levar muitas bolsas, sapatos de salto alto, bijoux  e coisinhas do tipo. Para fazer passeios no Atacama o ideal são calças confortáveis (muita gente leva aquelas calças que se transformam em bermudas), sejam de brim, sarja ou de moleton mesmo. Camisetas de cores claras, um bom tênis para caminhadas, um chapéu para enfrentar o sol, um bom par de óculos escuros, um maiô. Os casacos dependem da época do ano. Na primavera, no outono ou no verão, um casaco leve é suficiente. No inverno, casacos mais acolchoados e com proteção contra o vento são muito importantes.

Um ponto crucial: mesmo no verão os locais em altitudes mais elevadas são sempre muito frios, principalmente pela manhã. Imagine que San Pedro do Atacama está a 2.400 m de altura e este é o local mais baixo. Assim, para ir aos gêiseres do Tatio (passeio que sai de madrugada) e aos Salares do Altiplano, que ficam a mais de 4.500 m de altitude, é imprescindível ter um bom casaco de frio. No final de novembro passado, por exemplo, estava 4ºC quando chegamos ao local dos gêiseres! No inverno, é importante levar gorro e luva para fazer estes passeios, além de uma proteção térmica para as pernas e para a parte de cima do corpo. Para quem vai na primavera e no outono, acrescente na sua mala a proteção térmica para as pernas e para o corpo e o casacão, é suficiente.

O QUE LEVAR

O deserto do Atacama é o mais seco do mundo e, além da aridez, a incidência solar é fortíssima. Imaginem um local com ar rarefeito, praticamente sem sombras e com grandes superfícies que refletem o sol. Ou seja, não subestime o sol! Eu que sou morena fiz um passeio de cavalgada sem protetor solar no colo e cheguei muito vermelha. Leve protetor solar, use pela manhã, repasse à tarde. Fora os já mencionados chapéu e óculos escuros.

O maiô é importante, pois será bem usado nos passeios às termas de Puritama (água quente) e à Laguna Cejar (água fria!). No verão/outono/primavera, para ficar por lá durante o dia: bermudas, shorts, camisetas, sandálias rasteiras, maiô. No inverno, roupa esportiva um pouco mais quente.

Outro artigo muito útil é uma mochila. Pense que você vai caminhar (muito ou pouco, depende da sua forma física) e vai precisar das mãos para subir em pedras, tirar fotos, beber água. E vai precisar guardar as roupas de frio durante as horas quentes do dia. Normalmente, os hoteis fornecem aos hóspedes uma garrafinha de água individual, que você deve encher antes de cada passeio. Esta garrafa pesa e também fica mais fácil levá-la na mochila.

O Atacama é um dos lugares mais fotogênicos que eu conheço :-) Se você curte fotografia, não esqueça a câmera! Se tiver uma lente com bom alcance, melhor ainda.

COMO ESCOLHER OS PASSEIOS

Assunto compriiiiido, fica para o próximo post. Aguardem :-)