Viewing entries in the category turismo de aventura

Este post é para o Adriano B., para a Carmo, para a Carla e o Fernando, que vão para o Atacama nos próximos meses. E também para vocês que planejam uma viagem para esta região e estão curiosos e/ou apreensivos com o que vão encontrar por lá. O deserto do Atacama  faz parte daqueles destinos que chamamos de “turismo de aventura” e que requerem certos cuidados e considerações. Assim, se você planeja ou já engrenou uma viagem para o Atacama, aqui vão algumas dicas úteis para sua viagem ficar ainda mais legal. Prepare-se!

MELHOR ÉPOCA PARA IR

As melhores épocas do ano para ir ao Atacama são na primavera (setembro a novembro) e no outono (março a maio), já que no deserto a amplitude térmica é muito acentuada e nestas épocas as temperaturas são mais amenas (menos frio à noite e menos calor de dia). Também há menos risco das intempéries atrapalharem a sua viagem. Por exemplo, a chuva no Atacama no verão (pouca, mas que vira neve em alguns pontos mais altos) pode bloquear estradas e impedir alguns passeios, como os gêiseres de Tatio, um dos mais interessantes.

COMO PLANEJAR A VIAGEM

Ao planejar sua viagem ao Atacama, leve em conta o fato de que deverá pegar (no mínimo) dois voos – São Paulo (ou Rio de Janeiro) a Santiago, depois Santiago a Calama – e ainda um transporte por carro de Calama até a cidade de San Pedro do Atacama (cerca de uma hora de viagem). Ou seja, isto toma tempo e tem que ser considerado nos dias que você reserva para sua viagem. Lembre-se também que, se você chegar à noite no Atacama, vai pagar uma diária de hotel praticamente para dormir :-) Considere a logística.

LAN Chile faz os voos mais baratos e com mais oferta de horários entre São Paulo (ou Rio de Janeiro) e Santiago do Chile, e entre Santiago e Calama. Se você pretende visitar o Atacama com conforto, pesquise os seguintes hotéis na região: ExploraKunzaTierra AtacamaAlto Atacama. Todos oferecem excelentes acomodações, boa comida e bebida, estrutura para fazer os passeios e mimos que, como bem disse a Boia do Viaje na Viagem, variam conforme o preço dos locais.

O QUE VESTIR

Lembre-se que esta é uma viagem de aventura :-) e tente segurar o ímpeto de levar muitas bolsas, sapatos de salto alto, bijoux  e coisinhas do tipo. Para fazer passeios no Atacama o ideal são calças confortáveis (muita gente leva aquelas calças que se transformam em bermudas), sejam de brim, sarja ou de moleton mesmo. Camisetas de cores claras, um bom tênis para caminhadas, um chapéu para enfrentar o sol, um bom par de óculos escuros, um maiô. Os casacos dependem da época do ano. Na primavera, no outono ou no verão, um casaco leve é suficiente. No inverno, casacos mais acolchoados e com proteção contra o vento são muito importantes.

Um ponto crucial: mesmo no verão os locais em altitudes mais elevadas são sempre muito frios, principalmente pela manhã. Imagine que San Pedro do Atacama está a 2.400 m de altura e este é o local mais baixo. Assim, para ir aos gêiseres do Tatio (passeio que sai de madrugada) e aos Salares do Altiplano, que ficam a mais de 4.500 m de altitude, é imprescindível ter um bom casaco de frio. No final de novembro passado, por exemplo, estava 4ºC quando chegamos ao local dos gêiseres! No inverno, é importante levar gorro e luva para fazer estes passeios, além de uma proteção térmica para as pernas e para a parte de cima do corpo. Para quem vai na primavera e no outono, acrescente na sua mala a proteção térmica para as pernas e para o corpo e o casacão, é suficiente.

O QUE LEVAR

O deserto do Atacama é o mais seco do mundo e, além da aridez, a incidência solar é fortíssima. Imaginem um local com ar rarefeito, praticamente sem sombras e com grandes superfícies que refletem o sol. Ou seja, não subestime o sol! Eu que sou morena fiz um passeio de cavalgada sem protetor solar no colo e cheguei muito vermelha. Leve protetor solar, use pela manhã, repasse à tarde. Fora os já mencionados chapéu e óculos escuros.

O maiô é importante, pois será bem usado nos passeios às termas de Puritama (água quente) e à Laguna Cejar (água fria!). No verão/outono/primavera, para ficar por lá durante o dia: bermudas, shorts, camisetas, sandálias rasteiras, maiô. No inverno, roupa esportiva um pouco mais quente.

Outro artigo muito útil é uma mochila. Pense que você vai caminhar (muito ou pouco, depende da sua forma física) e vai precisar das mãos para subir em pedras, tirar fotos, beber água. E vai precisar guardar as roupas de frio durante as horas quentes do dia. Normalmente, os hoteis fornecem aos hóspedes uma garrafinha de água individual, que você deve encher antes de cada passeio. Esta garrafa pesa e também fica mais fácil levá-la na mochila.

O Atacama é um dos lugares mais fotogênicos que eu conheço :-) Se você curte fotografia, não esqueça a câmera! Se tiver uma lente com bom alcance, melhor ainda.

COMO ESCOLHER OS PASSEIOS

Assunto compriiiiido, fica para o próximo post. Aguardem :-)

Compartilhar/Favoritos

Turismo de aventura está na moda. E não falo aqui do turismo praticado por aventureiros, que põem uma mochila nas costas e saem por aí, para o que der e vier. Quero tecer algumas considerações sobre o turismo de aventura para leigos, ou seja, para nós que viajamos com filhos, que já não estamos na mais tenra idade e nem na mais perfeita forma física, que já queremos um mínimo de conforto e, se possível, unir as aventuras a experiências gastronômicas e outras :-)

Mas por que escrever sobre isto? Porque tenho observado nas viagens que fiz ultimamente uma parcela de brasileiros seduzidos pela moda do turismo de aventura, pelas lindas fotos tiradas por um amigo, pelo status de dizer que foi a este ou aquele lugar – mas que não estão minimamente preparados para este tipo de viagem. E que vão ter suas expectativas um pouco – ou muito – frustradas. E convenhamos, para quase todos nós mortais o tempo e o dinheiro para as férias são bens escassos e precisam ser muito bem aproveitados.

Ou seja, quem quer fazer uma expedição pelas geleiras da Patagônia, pelo deserto do Atacama, pelos rios e florestas da Amazônia, pelas dunas e manguezais dos Lençóis Maranhenses ou ainda um safári na África, entre outros destinos, tem que estar ciente de certos aspectos inerentes a este tipo de turismo. E ver se esta é, de fato, a sua praia. Ou se seria melhor curtir uma praia de verdade, com areia, sol, mar e muito sossego.

Vamos lá.

Turismo de aventura com conforto é caro

Sim, não tem jeito. Os hotéis onde o turismo de aventura é praticado, sejam eles confortáveis ou luxuosos, normalmente ficam no meio do nada: na selva, no deserto, nas geleiras, etc. É quase sempre difícil e caro manter uma estrutura nestes locais, trazer suprimentos e treinar pessoas. E a maioria destes hotéis tem um comprometimento com a sustentabilidade: procuram interferir o mínimo possível na Natureza, promovem programas de reaproveitamento e reciclagem e prestam serviços à comunidade (por exemplo, os guias do Explora Atacama dão aulas de inglês para as crianças da cidade de São Pedro do Atacama), ações que podem encarecer ainda mais a operação do local. Ou seja, só vá se você curte muito este tipo de aventura. Vi gente nestes hotéis que se recusa a acordar cedo para os passeios ou deixa de fazer vários deles para ficar lagarteando na piscina. Nada contra isto, mas financeiramente não compensa mesmo :-)

Respeite os horários e o ritmo da Natureza

Estes hotéis onde se pratica turismo de aventura com conforto (ou luxo) são quase como um acampamento: há horários rígidos para acordar, não se pode atrasar para os passeios e em alguns casos é preciso acordar de madrugada mesmo. Por exemplo, nos safáris na África durante o verão sair tarde significa não ver muitos animais, pois eles se escondem por causa do calor. No Atacama, os gêiseres só aparecem de manhã bem cedo. E experimente andar pelo deserto mais árido do mundo entre 11 da manhã e 3 da tarde! Ou seja, é necessário respeitar o ritmo da Natureza. A pontualidade também é um elemento essencial, já que os passeios normalmente exigem veículos adaptados ao clima e relevo do local, as distâncias são grandes, é necessário ter gente treinada e equipamentos de segurança, pelo que os passeios normalmente são montados para grupos e não individualmente e não dá para simplesmente dormir mais meia hora e deixar todo mundo esperando.

Fique ciente das intempéries

Quando a gente lida com a Natureza, está sujeito às intempéries. Se chover, simplesmente não dá para fazer o safári, já que o carro é aberto. Andou horas e não viu nenhum animal interessante? Acontece. Em alguns lugares as estradas de acesso são precárias e quando chove algumas ficam intransitáveis e simplesmente não dá para fazer determinados passeios. Foi fazer o passeio para observar as baleias e elas não apareceram? Faz parte. Não dá para apertar um botão como na Disney para ver as maravilhas da Natureza. Isto é muito importante principalmente em relação às crianças, pois precisamos gerenciar muito bem suas expectativas neste tipo de viagem. Paciência, não adianta esbravejar, são riscos inerentes ao turismo de aventura.

Prepare-se para passar desconforto

Turismo de aventura, mesmo com conforto ou luxo, demanda algum desconforto e é preciso estar preparado para isto. Primeiro, como já falei acima, a questão dos horários rígidos e de ter que acordar algumas vezes de madrugada. Prepare-se ainda para passar frio, passar calor, ficar no vento, engolir uma montanha de pó, sacolejar num veículo desconfortável por horas, ficar com o sapato cheio de areia ou com a garganta seca, ser comido pelos bichos. Não gostou da ideia? Desista do turismo de aventura, melhor ir mesmo curtir uma praia, andar ao léu pelas ruas de alguma cidade charmosa ou fazer um cruzeiro, o que te apetecer mais.

Porém, se você topar encarar todos estas questões com espírito esportivo, disposição e paciência, será recompensado com grandes emoções e com algumas das experiências mais incríveis que uma pessoa pode ter na vida. Poucas coisas são tão bacanas como o silêncio do deserto ou das geleiras e suas paisagens contrastantes, o som da selva e a observação dos animais vivendo no seu mundo, como se você não estivesse lá. Ou andar a pé dentro de uma floresta e poder explorá-la. Certamente compensa, e muito!


Mas por que diferentes? Bem, primeiro porque são de fato fazendas que foram transformadas em hotéis e não vice-versa, como a gente vê muito por aí. Segundo, porque têm história e personalidade; terceiro, porque se localizam numa região muito bonita do Estado, na Serra de Brotas. E quarto, mas não menos importante, porque são hotéis-fazenda geridos pelos próprios donos, que moram por lá mesmo e estão sempre presentes, dando uma atenção e um carinho especiais aos hóspedes. Mais ainda, são hotéis-fazenda relativamente pequenos, onde não tem ‘muvuca’ na hora das refeições, na piscina e nos passeios. Se você quer descansar, curtir a Natureza e ainda mostrar aos filhos como é a vida numa fazenda, vem pra cá :-)

Primavera da Serra

A Primavera da Serra é o resultado do sonho e do trabalho do Ataliba e da Alice, dois paulistanos que resolveram mudar de vida e transformaram um pedaço de terra de uma ex-fazenda de cana de açúcar num paraíso. Os dois, que são simpaticíssimos e super alto astral, contam como chegaram lá há anos e com o tempo foram restaurando prédios antigos, refazendo a mata e trazendo os bichos de volta. O Ataliba é jipeiro e construiu na fazenda uma trilha e uma pista de testes para jipes e o passeio de jipe com ele é um das atrações imperdíveis do hotel. Faça!

As crianças pequenas adoram o antigo terreiro de café cheio de bicicletas, bem de frente ao restaurante onde os pais podem comer sossegados. De manhã cedo, o programa é ir ao estábulo tirar leite da vaca e tomá-lo com café, achocolatado, mel ou canela. Depois do café, uma caminhada até a cachoeira cai bem. À tarde, as crianças vão pescar no laguinho da fazenda, onde fazem um piquenique. A piscina, o parquinho com uma mini-tirolesa e a brinquedoteca também distraem os pequenos. Não há recreação formal, mas o tio Ratinho leva a criançada nos passeios e na pescaria, dando aos pais uma oportunidade de descansar um pouco.

A comida é caseira, variada e gostosa. Os horários das refeições são bem adequados às crianças, tudo cedo. Há quartos no prédio principal do hotel e também chalés um pouco mais distantes, com ótima acomodação para famílias, já que são antigas casas de colonos e têm dois ou até três quartos, uma salinha, um banheiro espaçoso, chuveiro com boiler, quintal com varal para roupas molhadas e uma varanda agradável para colocar uma rede. O caminho a pé dos chalés à sede da fazenda leva 5 minutos e passa pela vista do vale, pelo túnel de trepadeiras e flores e pela ponte sobre a cachoeira, onde de manhã aparecem os macacos-pregos. Lindo!

Bom para quem gosta de cavalos e para crianças maiores: Fazenda Bela Vista

A Bela Vista é a fazenda do Pedroca, uma figura ímpar, que fez história cavalgando pelo Brasil e que vale a pena conhecer. Citado no Guiness Book como o recordista mundial de Cavalgada de Longa Distância e um dos 130 maiores viajantes a cavalo do mundo, o Pedroca é um gentleman, cheio de histórias para contar. E mesmo hoje aos 78 anos de idade ainda sai a cavalo com os hóspedes quase que diariamente. Tanto o Pedroca como seus familiares estão sempre na fazenda recebendo os hóspedes como se fossem visitas queridas. É uma delícia conversar com eles e ouvir as histórias da fazenda e da região.

A Bela Vista é um programão para quem gosta de cavalgar. Na fazenda há um plantel de excelentes cavalos manga-larga e são feitos passeios diários e longos a cavalo, por trilhas, rios e cachoeiras que cortam a mata nativa da região, que é muito bonita. À tarde, a criançada joga bola e pingue-pongue e aproveita a piscina. Não há recreação formal, mas as crianças maiores brincam muito bem. Há muitos bichos e é uma atração à parte ver os macacos-prego e os quatis vindo buscar comida perto da sede. Na Bela Vista a vida é bem tranqüila e é possível tomar café da manhã tarde, almoçar tarde e jantar tarde. A comida é caseira e muito gostosa.

Os chalés são simples, mas ainda assim amplos e acomodam bem as famílias com dois ou três quartos, banheiro, sala e cozinha. Mas há chalés reformados e outros mais antigos, com banheiros que deixam a desejar. Não há TV nos quartos. A ideia é criar mesmo um clima de fazenda. Muitos estrangeiros hospedam-se na Bela Vista e a maioria dos hóspedes é muito fiel e frequenta o local há mais de 10 anos.

Passeios perto dos hotéis-fazenda, para quem vai ficar mais do que um final de semana ou feriado

Turismo de aventura em Brotas

Brotas é um lugar muito legal para adultos e crianças e oferece muitas aventuras ‘radicais’. Vale uma visita! Há rafting e mini-rafting para as crianças pequenas, tirolesa para todas as idades, arvorismo, rapel, passeios em cachoeiras, entre outros. Uma das boas agências na cidade que oferece os melhores passeios é a Eco&Ação. Tudo com seriedade e segurança. Em breve post sobre Brotas e o turismo de aventura.

Fábrica de Laticínios Búfalo Dourado

O Laticínio Búfalo Dourado, um dos pioneiros na fabricação de laticínios de búfalo no Brasil, localiza-se na Fazenda Santa Eliza, vizinha da cidade de Dourado, na região de Brotas. Ambos hotéis podem agendar visitas às instalações da Búfalo Dourado. De manhã é interessante observar a produção por janelas da fábrica, bem como degustar as muzzarellas produzidas. À tarde, dá para acompanhar a ordenha das búfalas.