Viewing entries in the category Guias Úteis do Viajante

 

ESTUDO DO CASO

Diálogo 1, no raio-X da Polícia Federal, Aeroporto de Ribeirão Preto:

” – Tem bolas nestas sacolas?

- Tem sim, bolas de futebol, presentes de Natal para meus afilhados da Creche e Núcleo Sócio Educativo Cantinho da Criança…

- Mas não pode embarcar na TAM com a bola cheia, tem que murchar… se fosse outra companhia, a Gol, aí poderia… Você tem que voltar lá no check-in da TAM para eles murcharem as bolas…”

Diálogo 2, balcão de check-in da TAM, Aeroporto de Ribeirão Preto:

” – Boa tarde, estava embarcando e a policial me mandou voltar aqui para murchar estas bolas, pois a TAM não permite embarcar no avião com as bolas cheias. É isto mesmo?

- Sim, não pode. Você tem que despachá-las.

- Mas não é só murchar? E onde está escrita esta regra que eu nunca soube dela??

- São ordens da companhia, minha senhora. Eu não sei murchar bolas, a senhora sabe?

- Não sei, mas na verdade não importa, eu sou totalmente a favor de seguir regras, mas queria saber onde está a regra! Aqui no folheto que fica no check-in não está escrito nada sobre bolas!

- Mas são ordens da companhia, minha senhora, e se a senhora não despachar as bolas AGORA, VAI PERDER O VOO (com a cara já bem fechada).

-… despacha, então. Obrigada, mas queria deixar registrado meu protesto, pois é preciso que as diretrizes sobre o que pode ou não embarcar com o passageiro dentro do avião sejam mais claras!”

(E fui embora, lógico, porque nosso direito e vontade de reclamar estão infelizmente limitados pela conveniência da nossa viagem…)

Diálogo 3, dentro do avião da TAM, de Ribeirão Preto para São Paulo:

” – Desculpe, com licença, meu lugar é aí na janela, é que estou atrasada, mas tive um probleminha para embarcar com bolas de futebol…

- Ah, meu filho teve um problema para embarcar com a raquete de tênis! Viemos do Rio de Janeiro e lá ele pode embarcar com ela, mas agora de Ribeirão Preto a São Paulo, teve que despachá-la na última hora!”

Ou seja, como vocês podem perceber, esta questão do que pode ou não pode embarcar com o passageiro dentro do avião é uma nuvem cinza de regras reais/inventadas/abusadas pelos mais diversos funcionários das companhias aéreas e do setor de raio-X da Polícia Federal. Nestas, o passageiro fica perdido, sem saber muitas vezes como agir e, em alguns casos, sem o final “feliz” como foi o meu nesta viagem.

AS REGRAS

Conforme regulamentação da IATA ( International Air Transport Association), em linhas gerais, não podem ser transportados como bagagem de mão:

  • líquidos e sólidos inflamáveis – inclusive combustíveis, tintas, solventes, fósforos e isqueiros – é permitida uma unidade de isqueiro, que deverá ser carregada junto ao passageiro);
  • explosivos – inclusive munições e fogos de artifício;
  • corrosivos – inclusive baterias derramáveis, água sanitária, amônia, limpadores de fornos, limpadores multiuso, etc.;
  • radiativos;
  • venenosos, tóxicos ou substâncias infecciosas;
  • armas – inclusive armas de fogo, armas de caça, réplicas ou imitações perfeitas de armas, armas de”paintball”, armas de mergulho, espingarda de ar comprimido, pistola esportiva de partida, pistola de sinalização, dispositivo capaz de gerar corrente elétrica (dispositivo de choque);
  • gases comprimidos – inclusive aerossóis, butano, garrafas de oxigênio, garrafas de mergulho, garrafas de gás para campismo, etc.;
  • objetos cortantes ou perfurantes – inclusive tesouras, facas, alicates, canivetes, garfos, estiletes e navalhas.
Quanto aos líquidos em geral, as regras mais recentes são bem específicas e atendem as determinações da Organização da Aviação Civil Internacional (OACI). Resumidamente, os líquidos (incluindo também géis, pastas, cremes e aerossóis) têm que ser transportados em frascos com quantidade igual ou inferior a 100 ml, em embalagem transparente e completamente vedada, com capacidade máxima de um litro ou 20 x 20 centímetros. A única exceção são as bebidas e perfumes lacrados e adquiridos depois do portão de embarque e da inspeção no raio-X da Polícia Federal.
NA PRÁTICA
Na hora do embarque, porém, a coisa complica um pouco. Pois além das regras terem que ser interpretadas por pessoas com cabeças e treinamentos diversos, as próprias companhias aéreas têm suas particularidades. A Aerolineas Argentinas, por exemplo, não deixa embarcar no avião com agulhas de tricô e lixas de unha de metal. A GOL  fala sobre material esportivo, mas é silente sobre raquetes de tênis e bolas de futebol e normalmente permite seu embarque.  Pelo telefone com a TAM, fui informada de que as bolsas de futebol não podem embarcar porque entram na categoria de “gases comprimidos”!
O QUE COSTUMA DAR PROBLEMA
  • BOLAS ESPORTIVAS CHEIAS. Assim como aconteceu comigo, mais gente já embarcou e já foi barrada com bolas de futebol cheias. Outras passaram batido. A Andrea Massei Rossi veio de Orlando para São Paulo com uma bola cheia e ninguém reclamou. A Renata Luppi passou com a bola cheia tranquilamente na inspeção do aeroporto de Miami, mas foi barrada na conexão em Manaus. Ou seja, melhor não arriscar e levá-las vazias mesmo.
  • BEBIDAS E PERFUMES ADQUIRIDOS NO FREE SHOP. Outro item que dá muito pano pra manga. Quando o destino é único, tudo bem. Mas quando é preciso desembarcar para pegar uma conexão, cada aeroporto tem suas próprias regras. Nas conexões domésticas dentro do Brasil é difícil dar algum problema. Via de regra o passageiro pode levar até 5 litros de bebida (em recipientes com capacidade de até 1 litro) com não mais que 70% de graduação alcoólica por volume e com lacre de fábrica. Mas é bom se informar antes quando se tratar de voos internacionais.  O Maurício Novaes contou que  viu funcionários do aeroporto de Joanesburgo jogarem no lixo garrafas de bebidas adquiridas por passageiros no Duty Free do Aeroporto de Cape Town, na conexão para voar de volta ao Brasil.
  • BENGALAS, MULETAS, ANDADORES E CADEIRAS DE RODA. Pela regra, devem ser transportadas obrigatoriamente na cabine de passageiros. Mas a regra também diz que poderão ser “transportadas no compartimento de bagagem da aeronave quando suas dimensões, ou as da aeronave, bem como os aspectos de segurança inviabilizarem seu transporte no interior da cabine de passageiros”. Ou seja, na prática a companhia faz o que quer.
  • OBJETOS QUE PODEM PARECER ARMAS. Este é o xis da questão das bagagens de mão, pois a interpretação do que pode ser usado como arma ou ferir é muito particular. Há diversas histórias, até engraçadas. A Luciana Godoy demorou para convencer o funcionário do aeroporto de Paris ~ este lugar tão gourmet ~ que seu porta-azeite de vidro e ponta de metal não era uma arma mortal. Mas outras pessoas não tiveram tanta sorte. A Sut-Mie Guibert teve que deixar para trás um garfinho de bebê, daqueles de pontas redondas; o Sandro Marques perdeu seu marcador de livros de metal, com ponta rombuda; a Sylvia Urquiza ficou sem uma pipa de bambu, a Carla Corrêa da Silva ficou sem um prendedor de cabelo de plástico, daqueles tipo “piranha” ou “bico de pato” e o Paulo Aguiar ganhou: apreenderam sua fita crepe, supostamente algum tipo de arma :-D Ou seja, neste quesito infelizmente o que vale é a “lua do funcionário”, como disse a Marcie :-)
ISTO PODE!
  • Mamadeiras e alimentos infantis industrializados (quando bebês e crianças estiverem viajando).
  • Medicamentos essenciais acompanhados de prescrição médica (deverá possuir o nome do passageiro para ser confrontado com o que consta no cartão de embarque).
  • Medicamentos essenciais que não necessitam de prescrição médica (colírio, solução fisiológica para lentes de contato, etc., desde que não excedam 120m1 ou 4oz).
  • - Insulina e líquidos (incluindo sucos especiais ou gel) para passageiros diabéticos acompanhados de prescrição médica desde que não excedam 148 ml (ou 5 oz).
  • Cosméticos sólidos (batons, protetor labial ou desodorante em bastão, etc.).
  • Aparelhos eletrônicos (laptop, câmera fotográfica, jogo portátil, celular, etc.).
 E pensar que eu sou do tempo em que todo voo que vinha da Bahia tinha uns 3 ou 4 berimbaus viajando junto com os passageiros :-)
Compartilhar/Favoritos

Hoje inauguramos uma nova seção no Rosmarino e Outros Temperos, os Guias Úteis, que vão ajudar os leitores a enfrentar menos perrengues em suas viagens :-)  Começamos pelos remédios. Para  falar sobre isto, convidei uma profissional que entende muito do assunto, a enfermeira obstetriz especialista em saúde da família e saúde mental, Fernanda Papa de Campos. Com vocês, a palavra da Fernanda:

Chegou a hora da diversão, vamos viajar!

Entre os cuidados que devemos ter antes de embarcar está o preparo de uma boa necessaire de medicamentos que podem ser úteis durante nosso lazer, pois não são todos os lugares que vendem remédios sem receita médica ou que encontraremos uma farmácia por perto.

Primeira regra que gosto de lembrar sempre: não esqueça dos remédios que você faz uso contínuo, ou seja, aquele que você toma todos os dias e não pode ficar sem. Seja ele para a tireoide, pressão alta, depressão, diurético, artrite, enfim… seu organismo está “acostumado” e não pode de uma hora para outra ficar sem os chamados medicamentos de uso diário.

Vale uma observação importante: leve sempre junto aos medicamentos controlados, principalmente os de tarja preta, a cópia da receita médica (pode ser em português) e se for ficar muito tempo fora e tiver que levar uma quantidade maior, distribua entre as malas, tire das embalagens e leve receita médica compatível com o número de comprimidos que você está levando para que não vire uma dor de cabeça na sua viagem.

Antes da listinha básica gostaria de chamar atenção para algumas outras medidas preventivas antes de sair em férias:

  • vacine-se contra gripe, pois você estará  protegido em até 70% contra as principais gripes existentes mundo a fora. Lembre-se que deve ser vacinado um mês antes do embarque!
  • procure saber se para o destino que você irá é obrigatório alguma outra vacina como por exemplo a da febre amarela, se for vacine-se 15 dias antes e leve o comprovante com você. (O FAQ da Anvisa esclarece as dúvidas e dá mais orientações sobre como proceder no caso da exigência da vacina de febre amarela)
  • se você vai para uma região com muitos mosquitos, veja com seu médico se é indicado tomar vitamina B antes de embarcar, pois ajuda muito a não ser picada, é um excelente repelente!

Agora vamos a uma listinha básica de medicamentos que não podem faltar na sua necessaire, vou colocar por classe de medicamentos e não nomes comerciais, ok?

Procurem sempre orientação médica, pois SOMENTE o médico é capacitado para prescrever qualquer remédio!

Faça uso de medicamentos que você já tenha feito antes, não deixe para experimentar novos medicamentos em viagem, pois pode ser perigoso!

Vamos da cabeça aos pés!

  • Analgésico para dor de cabeça;
  • antitérmico para febre;
  • colírio para uso após banho de piscina e mar;
  • colírio para conjuntivite ( este precisa de receita médica, pois contém antibiótico);
  • gotas para o ouvido (este precisa de receita médica, pois contém antibiótico);
  • descongestionante nasal tópico;
  • remédio para afta se você tem propensão para ter, pois fora do Brasil não são vendidos sem prescrição médica;
  • antitussígeno (pode ser xarope ou gotas, as gotas são mais fáceis de carregar);
  • antibiótico (este precisa de receita médica), se for passar mais de 15 dias fora leve dois tipos, costumamos orientar a levar um que seja mais específico para doenças da cintura para cima ( problemas respiratórios) e outro da cintura para baixo (infecção urinária). Faça os cálculos para não faltar remédio e peça orientação ao seu médico de quais você deve levar;
  • antialérgico;
  • antiemético (contra enjôo);
  • relaxante muscular;
  • antiespasmódico ( para cólica intestinal e de estômago), fundamental em viagem, pois a alimentação é totalmente alterada;
  • antiácido e/ou remédio para dor de estômago;
  • antidiarreico se seu médico recomendar;
  • caixinha de Band Aid.

Devo levar pomadas? Lembre-se que pomadas podem abrir e melecar toda a mala, logo se tiver alguma de uso específico tudo bem, caso contrário você estará coberta com o arsenal acima.

Muitos acharão um exagero, mas antes prevenir do que atrapalhar uma viagem ou se desesperar em plenas férias!

Se precisar de algum outro medicamento fora desta imensa lista é porque a coisa ficou mais séria, logo lembrem-se de fazer seguro viagem… você pode precisar dar um pulinho no pronto socorro.

Como última lembrança: se for fazer uma necessaire para os filhos jovens não esqueça de colocar preservativos e se sua filha usa anticoncepcional, coloque uma cartela extra na necessaire.

Boa viagem a todos!

Enjoy!

Fernanda Papa de Campos, enfermeira obstetriz, especialista em saúde da família e saúde mental.

Proprietária da NANTU Ensino e Saúde (empresa de prevenção e promoção da saúde)

Tel para contato: (11) 9 9992.8500

email: nantuconsultoria@gmail.com

https://www.facebook.com/groups/nantuconsultoria/