Viewing entries in the category saladas

Torceu o nariz para esta combinação? Pois senta que lá vem história!

Gosto muito das receitas do Mark Bittman. É uma pena que ele tenha deixado de escrever sua coluna ‘The Minimalist’,  que saía no New York Times e no suplemento Paladar do jornal Estadão. Para quem não o conhece, esta introdução à coluna do Mark publicada no Estadão por ocasião da sua estreia no jornal descreve-o bem:  “Bittman é um cozinheiro da vida real. Cozinha com ingredientes comuns e técnicas simples. Ele é avesso ao esnobismo, dispensa equipamentos sofisticados e preparações muito elaboradas. Trabalha numa cozinha pequena, é adepto do improviso, e acha que ter tudo na despensa é perder a chance de se sentir desafiado. Costuma dizer que não quer transformar ninguém em chef, quer apenas ensinar as pessoas a cozinhar”. Não é tudo este Mark? :-)

Identifico-me bastante com esta cozinha de técnicas e preparações simples. E o Mark consegue fazer isto com receitas diferentes e criativas, que ficam muito gostosas. Quantas vezes não dei nada por uma receita dele  no papel e adorei o resultado na prática? Foi o caso desta salada de batata-doce com feijão preto. Preparei-a para minha sogra, que veio de São Paulo para Ribeirão Preto em um final de semana com o ‘recorte’ de jornal da receita na mão e os ingredientes dela debaixo do braço :-D

Fizemos a salada de batata-doce e feijão preto para acompanhar um churrasco no domingo.  Com pão francês fresquinho, farofa e uma salada verde. Só. Ficou divina, todo mundo adorou e acabou rapidinho. E eu tirei o chapéu para o Mark Bittman pois não imaginava que esta combinação de ingredientes pudesse ser tão gostosa.

Salada de batata-doce com feijão preto

3 batatas-doces médias descascadas e cortadas em cubos
1 cebola grande picadinha
½ xíc (chá) de azeite
1 ou 2 col (chá) de pimenta vermelha, sem sementes, picada
1 dente de alho
suco de 2 limões
2 xíc (chá) de feijão preto cozido e escorrido
1 pimentão amarelo ou vermelho sem sementes e bem picado
1 xíc (chá) de coentro fresco bem picadinho
sal e pimenta-do-reino a gosto

Pré-aqueça o forno a 200º C. Espalhe em uma assadeira os pedaços de batata-doce e cebola em uma só camada, cobrindo com 2 colheres de sopa de azeite. Tempere com sal e pimenta-do-reino moída. Ponha para assar, virando de vez em quando, até as batatas ficaram moreninhas nos cantos e macias por dentro. Leva de 30 a 40 minutos. Tire do forno e mantenha as batatas na assadeira até a hora de misturar com o molho. Ponha no liquidificador a pimenta, o alho, o suco de limão, o resto do azeite e mais uma pitada de pimenta-do-reino. Bata até homogeneizar. Coloque as batatas ainda quentes em uma vasilha grande, junte o feijão, o pimentão picado e jogue por cima o molho. Coloque o coentro e misture bem. Se necessário, acerte o sal. Leve à geladeira até a hora de servir.

OBS. Esta receita foi publicada originalmente no blog Rosmarino e Prezzemolo.

Compartilhar/Favoritos

Este veranico fora de hora que invade o inverno e ainda não deixa a chuva passar convida para uma saladinha de almoço.

Como muitos, também fui daquelas que comia verduras e legumes quando criança, depois não mais como jovem e depois voltei a gostar, e muito, de uma boa salada, de legumes assados bem temperados e outros pratos gostosos com verduras e legumes em geral. Confesso que adoro e sinto falta de uma salada bonita, caprichada e saborosa. E cheguei à conclusão que uma boa salada também exige elementos importantes. Folhas, claro, em primeiro lugar. Depois, um elemento doce. Em seguida, uma dose de crocante. E algo bem salgado para finalizar. Tudo isto, claro, com um bom molho, senão não tem graça nenhuma.

Esta semana recebi na minha cesta de orgânicos uma novidade: flores de rúcula comestíveis. São lindas! Aproveitei para dar uma ‘cara de festa’ para uma salada que gosto muito de fazer, com rúcula, pêra, queijo parmesão e nozes. Reparem bem que todos elementos essenciais numa salada estão presentes aí :-)

Salada de rúcula, pêra, parmesão e nozes

1 maço de rúcula lavado
2 peras grandes fatiadas sem a casca e as sementes
10 a 12 nozes inteiras quebradas grosseiramente
50 g de queijo parmesão em lascas
flores de rúcula para enfeitar

Espalhar as folhas de rúcula no fundo da saladeira. Cobrir com as fatias de pêra. Jogar as nozes por cima. Por fim, colocar as lascas de parmesão. Enfeitar com as flores de rúcula. Se não for servir a salada imediatamente, é bom mergulhar as fatias de pêra em água com suco de limão para não ficarem muito escuras. O parmesão deve ser o pedaço inteiro, passado no ralador de fatiar e não no ralador fino.

Vinagrete de mel para acompanhar a salada

1 xíc (chá) de azeite
½ xíc (chá) de vinagre
2 col (sopa) de mel
1 col (sopa) de mostarda
sal a gosto

Misturar todos os ingredientes e servir sobre a salada.

Nunca imaginei que pepino e gorgonzola ‘ornassem’ tanto rsrs… Comi uma salada que juntava estes dois ingredientes, em um restaurante em São Paulo na véspera do Natal. Estava tão boa que decidi fazer uma versão dela para o Reveillon. Todo mundo gostou e o ‘pratão’ de salada acabou em um minuto, sinal de que agradou mesmo. Os sabores do pepino e do queijo gorgonzola vão muitíssimo bem juntos. E, seguindo os conselhos da @Faby_Zanelati de incluir um ‘crocantezinho’ na salada, escolhi as lascas de amêndoas torradas. Ficou uma delícia. Refrescante, cremosa e crocante ao mesmo tempo, uma salada ótima para qualquer hora :-)

 

Salada de alface, pepino, gorgonzola e lascas de amêndoas torradas

1/2 maço de alface
3 pepinos japoneses
80 g de queijo gorgonzola
4 a 6 col (sopa) de amêndoas em lascas
sal, azeite e limão

Pré-aquecer o forno a 180º C. Lavar, rasgar a alface e forrar o fundo da saladeira com as folhas. Lavar e cortar o pepino em cubinhos, com casca e tudo. Temperar com azeite, limão e sal e deixar escorrer um pouco. Enquanto isto, colocar as amêndoas em lascas em uma assadeira e levar ao forno alto, por cerca de 10 minutos. Sacudir a assadeira na metade do tempo. Amassar o queijo gorgonzola com um garfo. Montar a salada: sobre as folhas, jogar os cubinhos de pepino. Por cima colocar o queijo esmigalhado e por fim polvilhar com as lascas de amêndoas.

Um dos lugares mais gostosos onde comi na última viagem ao Rio de Janeiro foi o Celeiro. Além das saladas super diferentes e saborosas, provei quiches e pãezinhos frescos e crocantes, umas massas levinhas, tudo muito bom mesmo. Neste restaurante praticamente todas as verduras e legumes são orgânicos. Os grãos, quase sempre integrais. E tudo com muita bossa e ênfase nos temperinhos. Não resisti, passei numa livraria no Leblon e trouxe para casa o livro “Saladas” do Celeiro. Veio mesmo a calhar, pois tenho tentado fazer saladas nutritivas e criativas todas às noites para o jantar.

Uma das saladas que fiz recentemente foi a de ‘carne seca com abóbora assada ao molho balsâmico’. A minha versão dela tem pequenas mudanças nas quantidades, mas a mistura de sabores continua perfeita. Também optei por usar azeite em vez de óleo de girassol/milho e a abóbora cabotcha no lugar da abóbora vermelha (baiana) indicada na receita. Adoro a cabotcha porque ela é bastante substanciosa, cheia de fibras e bem pouco calórica.

Salada de rúcula, carne seca e abóbora assada
(adaptada do livro “Saladas” do Celeiro)

½ kg de carne seca
1 ½ kg de abóbora cabotcha
½ xic (chá) de cebola bem picadinha
2 col (sopa) de azeite
1 maço de rúcula

molho
¼ xíc (chá) de vinagre balsâmico< 2 col (sopa) de azeite extravirgem ½ col (sopa) de sal 1/3 xíc (chá) de manjericão picado 1/3 xíc (chá) de cebolinha picada Corte a carne seca em cubos, lave-a e deixe-a de molho por uma hora para tirar um pouco do sal. Coloque-a para cozinhar em panela de pressão, com água suficiente para cobri-la, por 30 minutos ou até ficar macia. Escorra e deixe esfriar. Desfie a carne retirando as gorduras. Refogue a cebola em uma col (sopa) de azeite até dourar. Junte a carne seca à cebola e refogue mais um pouco. Reserve. Você pode fazer esta parte um dia ou algumas horas antes de preparar a salada. Pré-aqueça o forno a 180ºC. Descasque e corte a cabotcha em cubos. Coloque os cubos de abóbora numa assadeira misturados com uma col (sopa) de azeite e leve ao forno por 30 minutos ou até dourar. Cuidado para não deixar a abóbora ficar muito cozida e mole, senão ela vai desmanchar na hora de misturar a salada. Enquanto isso, prepare o molho: numa vasilha grande misture o vinagre balsâmico, o azeite, o sal, o manjericão e a cebolinha. Misture a abóbora e a carne seca ao molho. A rúcula pode ser rasgada e misturada à salada ou então colocada feito uma ‘cama de folhas’ na vasilha de servir, com a salada por cima. Fica a seu critério. Eu fiz das duas formas já.

Semana retrasada contei aqui do jantar Interblogs que fizemos junto com o DCPV. No post do Edu estão as fotos do jantar e da produção dos pratos. Nesta sequência de posts, algumas das receitas que fizeram parte do menu Fusion Fun Praias. A salada grega do campo, ou horiatiki salata, representa as praias/ilhas da Grécia. A foto é minha, ‘de casa’ mesmo, antiga como a receita.

Horiatiki Salata

A salada grega é deliciosa na sua simplicidade de bons ingredientes e pouquíssimos temperos. Desenvolvi esta receita depois de experimentar a legítima horiatiki em um restaurante grego em Nova York, o Molyvos. O segredo dela é usar ingredientes de boa qualidade: tomates-cereja bem vermelhinhos e doces, um bom queijo feta, azeitonas pretas kalamata gregas e um bom azeite extra-virgem.

2 pepinos fatiados em palitos
2 copos de tomates-cereja cortados ao meio
200 g de queijo feta em cubinhos
2 col (sopa) de cebola em fatias bem finas
½ copo de azeitonas pretas sem caroço cortadas em quatro
azeite extra-virgem
sal (se necessário)

Aferventar as cebolas para tirar a acidez. Juntar todos os ingredientes, com cuidado para não desmanchar muito o queijo, e temperar com azeite e sal (cuidado que o queijo já é bem salgado).