Viewing entries in the category Itália

Na semana passada, o Theo contou da parte da sua viagem com os avós a Veneza. Hoje, ele conta sobre Firenze, Pisa e Lucca :-)

 

7/7/12 – 5º dia e primeiro em Firenze

“Saímos com uma lancha para a piazzale Roma e pegamos um trem para Firenze. Chegamos e fomos para o hotel. Do hotel nós fomos ao mercado e fui embora para a ponte Vechio onde vimos várias casas vendendo bugigangas e aí vimos a réplica do Davi de Michelangelo. Voltamos para o hotel jantamos e dormimos”.

8/7/12 – 6º dia

“Neste dia fomos ao museu Academia onde se encontra o verdadeiro Davi de Michelangelo. Vimos a parte musical do museu onde tinha os primeiros pianos e tinha também três Estradivarius e etc. O Davi era perfeito em sua mão havia os músculos, veias, cartilagens e etc. Era magnífico. No resto da tarde voltei ao hotel e: ZZZZ e acabei o meu livro”.

9/7/12 – 7º dia

“Hoje fomos a Pisa e Lucca. Primeiro em Pisa fomos a famosa torre para olhala de perto então em seguida fomos ao batisterio que tem uma acustica perfeita. Logo andamos mais um pouco e fomos subir a torre de Pisa (mas só eu e minha avó). Quando chegamos ao topo vovó ficou meio tonta e sentou, então eu dei uma volta pelo topo da torre… isso. Em Lucca almoçamos e fomos andar de bicicleta na muralha que foi muito legal. E minha avó caiu quando estava descendo a muralha de bicicleta. E é isso”.

10/7/12 – 8º dia

“Hoje nós fomos passear no palazzo Pitti, foi legal e tudo mais. A tarde descansei e saímos para passear rapidinho. Fomos jantar no restaurante Buca Mario onde comi um macarrão com tartufo tão bom que foi a coisa que mais gostei de comer na minha vida… tão bom que parecia um presente dos deuses. Até logo e tchau”.

 

Compartilhar/Favoritos

Neste post expliquei como surgiu a ideia dos diários de viagens dos meus filhos.

Nestes posts, meu filho Bruno conta como foi sua viagem para a África do Sul, Zâmbia e Zimbábue.

Agora chegou a vez do Theo, que em julho passado foi para a Itália com os avós, contar um pouco de como foi sua viagem. Todos os textos – literais – são do próprio Theo e as fotos em que ele não aparece também. Esperamos que gostem :-)

 

Diário de viagem do Theo – Itália

 03/07/12 – 1º dia 

“Hoje nós chegamos em Frankfurt (Alemanha) e pegamos a conexão para Veneza. Chegamos aqui as 6:00. Pegamos um taxi e depois pegamos um barco para o hotel. Nos arrumamos e fomos jantar no Café Florian.  No café que jantamos tinha música: violino, flauta, piano, violão selo e sanfona. Era muito legal, principalmente a sobremesa… petit gateou.”

 04/07/12 – 2º dia 

“ Hoje acordei cansado mas logo ja me recuperei. Logo depois do café fui passear de gôndola… estava um calor que nem aproveitei direito. Depois do passeio fui almoçar, comi um ravioli muito bom. Depois de almoçar fomos andando entrando em lojas e coisa e tal passamos pela ponte de Rialto e quando estávamos voltando passamos na Piazza de San Marco onde tinha a igreja e o palazzo Ducalle e o leão de San Marco. Resolvemos tomar um café eu pedi um suco de limão. Só que esse suco era limão espremido puro e não deu para beber. Voltamos para o hotel saímos pra jantar e é isso”.

 

05/07/12 – 3º dia 

“Hoje nós fomos a Murano. Chegamos e já começamos a ver vidro, e vimos como o vidro é fabricado e tudo isso… mas nesse passeio você tem que gostar bastante de vidro pois no museu do vidro só se vê vidro, vidro vidro vidro… vidro… vidro. E lojinhas com vidro. E mais lojinhas com vidro. Foi legal mas na verdade não sou tão fã de vidro, mas gostei”.

 06/07/12 – 4º dia e último em Veneza

“Este é o meu último dia em Veneza. Fizemos um tour pelo palácio Ducalle. Passeamos pela ponte dos Suspiros foi muito legal tomamos um bom gelato e ai voltamos para o hotel fazendo nosso último passeio de gôndola. Fomos jantar no Hard Rock mas estava lotado jantamos num lugarzinho e depois voltamos ao Café Florian para tomar sobremesa e ouvir a orquestra foi legal e triste ao mesmo tempo adeus Veneza adeus gôndola adeus tudo de bom e legal que vi aqui espero voltar um dia”.

 Semana que vem tem mais :-)

 

Não pretendo fazer resenhas de hotéis aqui no blog. Pelo menos não de forma habitual. Mas como muita gente vem me pedindo dicas de hotel na Toscana e o assunto tem rodado as páginas do Twitter nestes últimos dias, resolvi contar sobre este lugar ‘mágico’ onde nos hospedamos no coração do Chianti Classico, o Riserva di Fizzano.

Ficamos uma semana neste hotel com a nossa turma do vinho, em maio passado. Foi uma viagem tão, tão gostosa que minha opinião sobre o lugar acaba sendo carregada de fortes emoções :-) Ainda assim, tentarei ser o mais isenta possível. Procurávamos um hotel que ficasse no campo e de onde poderíamos fazer a Toscana de carro. Queríamos um lugar onde pudéssemos entrar de fato na atmosfera toscana. Um dos membros do nosso grupo selecionou dois hotéis e no fim ficamos com este, que se encaixava perfeitamente no desejado.

RISERVA DI FIZZANO

Localizado na região do Chianti, a poucos quilômetros da charmosa cidadezinha de Castellina in Chianti (uma das pequenas surpresas da Toscana), este hotel fica também bem próximo de Greve in Chianti (onde fizemos a feira), de Panzano in Chianti (onde visitamos o açougue mais famoso da Itália) e de San Donato in Poggio (onde jantamos lindamente no La Toppa).

As distâncias das principais cidades da Toscana também são bem convenientes: o Riserva di Fizzano fica a 24 km de San Gimignano, a 29 km de Siena, a 55 km de Firenze (cerca de uma hora de viagem) e a 74 km de Montalcino, por exemplo.

Em cima de um morro, em meio aos vinhedos (na realidade, dentro de um vinhedo e vinícola próprios, a Rocca delle Macie), a paisagem é bonita de qualquer ponto do lugar. E bem na frente do restaurante há uma área de mesas com um horizonte onde o sol se põe em cores lindas.

O conjunto todo é um charme só. Construções de pedra, jardins floridos, quartos aconchegantes. Os prédios todos foram restaurados respeitando-se a arquitetura original, sendo que cada apartamento tem sua única disposição com pisos de cerâmica, grandes lareiras e móveis antigos de madeira. Os apartamentos têm um ou dois quartos, banheiro, saleta e minicozinha com todos os utensílios necessários. Alguns apartamentos do térreo têm janelas francesas que se abrem para um jardim, onde é uma delícia ficar no final da tarde bebendo um vinho e curtindo o ambiente.

O hotel é administrado por duas senhoras super simpáticas e solícitas, a Jho e a Elena, que são ‘mil e uma utilidades’. Desenham mapas, sugerem restaurantes, fazem reservas. Para o nosso grupo, conseguiram alugar um ônibus de última hora e até arrumar uma consulta de urgência com um médico de Castellina in Chianti. No hotel há um restaurante razoável, uma piscina que serve mais no verão e uma saleta de estar. Há bicicletas para empréstimo e vale a pena pegá-las, pois é possível pedalar pela região de forma segura. O tour e a degustação pela propriedade, Rocca delle Macie, também é gratuito.

O esquema do hotel, no entanto, é só para os fortes :-) Praticamente self service, é importante saber que só há serviço de limpeza e troca de toalhas (e reposição de papel higiênico rsrs…) uma vez por semana. Se quiser mais que isto, é necessário pagar à parte (cerca de € 20). Para nós foi tranqüilo, mesmo nos aventurando na cozinha para fazer o jantar em algumas noites. Nos abastecemos de víveres no supermercado em Castellina e acabamos solicitando serviço extra de limpeza e troca de toalhas uma vez no meio da semana, o que foi suficiente.

A lavanderia também é por conta do hóspede – há uma casinha ao lado dos quartos que tem máquina de lavar, máquina de secar, varal, tábua e ferro de passar roupa e os materiais para uso nas máquinas. É preciso comprar (por € 6) uma ficha para usar a lavanderia.

A única coisa que nos incomodou um pouco foi o chuveiro, que nos horários de pico resolvia ter xiliques e ‘pelava’ e ‘gelava’ de repente. Mas foi a única coisa chata.

Mesmo tendo que encarar este esquema self service (principalmente para nós brasileiros, mais acostumados com mordomias), vale a pena considerar o Riserva di Fizzano, pela localização, pelo charme e pelo preço. Comparado a outros hotéis do mesmo tipo na região, é um bom custo/benefício. Estávamos em grupo e pudemos assim barganhar melhor a tarifa. Pagamos por casal, por uma semana (sete diárias), com café da manhã incluso, o valor de € 900. E valeu cada centavo. Mas atenção: os preços variam bastante conforme a época do ano e o tipo de apartamento. Vale a pena se informar.

Em tempo: a @maricampos tem outra ótima dica de hotel no campo na Toscana, o Laticastelli, também uma boa pedida para quem pretende fazer a Toscana de carro e conhecer vinícolas, as pequenas surpresas e as joias da Toscana.

Os melhores restaurantes

  • Antica Trattoria La Toppa (San Donato in Poggio)
  • Albergaccio di Castellina (Castellina in Chianti)
  • La Taverna Castello Banfi (Montalcino)
  • Trattoria dei Quattro Leoni (Firenze)
  • La Buca di Sant’Antonio (Lucca)
  • Trattoria Za Za (Firenze)
As melhores refeições rápidas
  • Pizza di prosciutto crudo, rucola e grana – Pizzeria Tre Porte
  • Accoglienza – Dario+
Os melhores antipastos
  • Tartara di vitellone allo zenzero, Parmigiano i carciofi – Albergaccio di Castellina
  • Torre di melanzane – Trattoria dei Quattro Leoni
  • Burrata – Pizzeria Il Pomodorino
Os melhores primeiros pratos
  • Ravioli di spinaci e ricotta con burro e salvia – Antica Trattoria La Toppa
  • Fiocchetti alle pere con salsa di taleggio i asparagi – Trattoria dei Quattro Leoni
  • Spaghetti alla carbonara – Osteria Cipolla Rossa (Firenze)

 

Os melhores segundos pratos

  • Maiale in umido – Antica Trattoria La Toppa
  • Arista di maiale com patate al rosmarino – La Taverna Castello Banfi
  • Costolette dal’agnello con funghi fritte – La Buca di Sant’Antonio

 

 As melhores sobremesas

  • Pinolata Senese con salsa al FloruS – La Taverna Castello Banfi
  • Crema bruciata profumata alla vaniglia naturale con insalata di fragole flambate – Albergaccio di Castellina
  • Crostata fichi e noci – Café Nannini (Siena)

 

Os melhores sorvetes

  • Gelateria di Piazza – San Gimignano
  • GROM – Siena
  • Cremi – Arezzo
  • Vivoli – Firenze

 

Os melhores vinhos
    • Schidione Oro 1997 III Millennio – Castello di Montepó
    • Syrah Banditone 2005 – Ferenc Maté
    • Soldera Brunello di Montalcino Riserva 2002 – Case Basse
    • Brunello de Montalcino 1998 Riserva Biondi-Santi – Tenuta Greppo
  • Sassoalloro 2006 – Castello di Montepó
  • Chianti Clássico Riserva La Forra 2003 – Tenuta di Nozzole
  • Chianti Clássico Riserva Castellare di Castellina 2007 – Domini Castellare di Castellina
  • Bianco Avignonesi Toscana 2010 – Avignonesi
  • Centine Bianco 2010 – Castello Banfi

E um agradecimento especial a @RomaineCarelli, ao @bronza e ao @umlitrodeletras que forneceram dicas excelentes da Toscana.

Quando planejávamos a viagem para a Toscana surgiu a ideia de fazermos uma aula de culinária lá. Mais da metade do grupo topou e começamos a procurar um entre alguns cursos e aulas que são oferecidos na região. Optamos pela Tenuta Casanova, no Chianti, bem perto do nosso hotel. Valeu a pena, tanto para os que não costumam ir para a cozinha como para os que já estão mais familiarizados. Foi divertidíssimo e acho que rimos mais do que cozinhamos :-)

A Tenuta Casanova é uma propriedade familiar, tocada principalmente pelo Silvano e pela Rita, que trabalham muito! Na chácara eles criam porcos e galinhas e cultivam parreiras, oliveiras e alecrim. Produzem vinho, vinagre balsâmico, azeite e mel para vender e fornecem alecrim para diversos mercados na região. Cultivam ainda uma horta com uma grande variedade de verduras e legumes. Toda a produção da tenuta é orgânica. Na aula, cerca de 80% dos ingredientes utilizados eram de procedência própria.

A aula durou uma tarde e no início da noite jantamos juntos os pratos por nós preparados. A professora, Rita, é auxiliada pelo marido Silvano na tradução para o inglês, se necessário. Todos os participantes ganham seu avental e põem a mão na massa. Durante toda a aula e depois no jantar, são servidos os vinhos produzidos pela Tenuta Casanova. Cozinhar com booze é muito mais legal não? ;-)

Começamos pelas sobremesas, torta di mele (torta de maçã) e tiramisù. Em seguida, preparamos antipasto di peperoni (antepasto de pimentão), pomodori ripieni di riso (tomates recheados com arroz temperado com um ‘pesto’) e vários ciaccini, uma espécie de focaccia típica da região. Finalizamos com o gnocchi di patate al sugo di gorgonzola (nhoque com molho de gorgonzola).

No final, enquanto a Rita e a equipe da cozinha terminavam os preparativos para o jantar, o Silvano nos levou para conhecer a cantina e nos mostrou os vinhos que produz. Em seguida nos levou a balsameria e explicou em detalhes como é produzido e envelhecido o vinagre balsâmico.

Para mim, o mais interessante foi mexer com a massa do ciaccino/focaccia e aprender a fazer a focaccia recheada, com a massa bem fininha. Também gostei das dicas do nhoque e de ver como é feito o verdadeiro tiramisù italiano. A melhor surpresa para o paladar foi o ciaccino com sálvia frita no azeite e salpicado de açúcar: um sabor incrível, que vou repetir logo em casa.

Para quem vai viajar em grupo e gosta de cozinha, um super programa legal.

Comemos muito bem na Toscana. Pratos simples ou sofisticados, quase sempre deliciosos. Mas alguns restaurantes se destacaram na viagem. Uns pela comida, outros pelo ambiente e outros ainda pelas inovações e criatividade. E é sobre eles que vou contar.

O sofisticado: Albergaccio di Castellina (em Castellina in Chianti)

Fomos ao Albergaccio di Castellina atraídos pela sua ‘uma estrela’ no guia Michelin e porque ele coincidentemente ficava na cidade do nosso hotel. E valeu a pena, embora o preço tenha sido meio salgado pela dita estrela.

>Um lugar lindo, charmoso, tranquilo, agradável sem ser luxuoso, com serviço impecável. Almoçamos na varanda do restaurante um menu da estação, que foi uma pausa merecida no roteiro do vendaval das vinícolas. O Albergaccio é um restaurante de comida típica toscana, que aproveita os ingredientes da estação e valoriza os produtos locais. Seus menus mudam sempre e são compostos por variedades de pratos tradicionais com o toque especial dos donos, Sonia e Francesco.

Nosso menu, que tinha o poético nome de “Sapori, colori e profumi della Primavera”, tinha quatro pratos: para começar um tartar de vitela Chianina, perfumado com gengibre, parmesão e alcachofras. Como primeiro prato um spaghetti com aspargos selvagens sobre um fondue de queijo parmesão com um toque de açafrão. Como segundo prato, uma caçarola de coelho ao vinho, alho e alecrim, com alcachofras grelhadas e seu fígado ao Vin Santo. Por fim, um creme brulée com morangos flambados. Pães da casa e um mini minestrone no couvert, mini docinhos com o café.

O tradicional: Antica Trattoria La Toppa (em San Donato in Poggio)

A Antica Trattoria La Toppa está aqui por ter representado um dos melhores momentos ‘emotivos-gastronômicos’ da viagem. Uma noite em que estávamos super cansados por mais de três horas de viagem e passeios em vinícolas, fomos mesmo porque o restaurante tinha sido muito recomendado por um casal de franceses gourmets amigos do Jacques e principalmente porque havia sido reservado com antecedência. E foi a melhor coisa que fizemos.

Engraçado que o salão do restaurante estava completamente vazio. Em compensação, as mesas na rua (sim, porque não há calçadas em San Donato in Poggio, mas ruas estreitas onde os poucos carros dividem o espaço com os pedestres e as lambretas) estavam lotadas. Fomos agraciados com um clima muito ameno numa noite linda, com a atmosfera perfeita da iluminação do La Toppa sobre as pedras e as construções antigas da cidade.

Fomos recebidos muito calorosamente pelo dono do restaurante e por seu filho, que descreveu os pratos que a mãe preparou naquele dia. E não que a comida era deliciosa? Começamos com uma variedade de massas, entre as quais o típico pici al cinghiale, um pappardelle con funghi e o me-lhor ravióli de espinafre e ricota que já comi na vida, regado a um simples molho de manteiga e sálvia. Como prato principal, porco assado com batatas ao alecrim e espinafre refogado. Também um dos melhores pratos da viagem. Foi uma noite impecável, perfeita e que deixou saudades, em todos os sentidos. Quem passar pela região do Chianti, não deixe de ir ao La Toppa.

O completo: Taverna Banfi (em Montalcino)

SelecionamosLa Taverna do Castello Banfi para o almoço na volta da vinícola Biondi Santi Tenuta Greppo. E foi uma escolha super acertada. Além dos dois restaurantes (Il Ristorante, ‘estrelado’ e mais sofisticado e La Taverna, mais despojada), Banfi tem um castelo histórico restaurado que fica em um jardim bonito, uma vinícola, uma adega e uma balsameria (onde ficam armazenados os vinagres balsâmicos), um museu de objetos de vidro antigos e uma boa enoteca com guloseimas e vinhos a bons preços.

Ambos os restaurantes em Banfi são muito procurados e tivemos que reservar – e pagar uma parte – antes de irmos para a Itália. A Taverna envia opções de menus de três, quatro ou cinco pratos para escolha antecipada.

>Depois de um aperitivo na enoteca fomos para o restaurante, onde foi servido o menu de quatro pratos, acompanhados dos vinhos Banfi. De entrada um flan de ricota e abobrinha ao molho de queijo pecorino, um prato de textura delicada e muito sabor, delicioso mesmo. Acompanhou um vinho muito gostoso, o Centine Bianco 2010. Como primeiro prato, um fusilli caseiro com aspargos e lingüiças, acompanhado de um Rosso di Montalcino 2009. Em seguida, porco assado com batatas ao alecrim que rivalizou com o prato do La Toppa, com o Brunelo di Montacino do Castello. De sobremesa, a que foi eleita a melhor da viagem, uma Pinolata Senese, torta recheada com creme de baunilha e coberta com pinoli, acompanhada do FloruS Moscadello di Montalcino 2008. Refeição memorável. A vinícola é bastante turística, mas vale a pena considerar o Castello Banfi em um roteiro de viagem a Toscana.

O diferente: Antica Macelleria Cecchini (em Panzano in Chianti)

A refeição mais curiosa, mas não menos deliciosa da viagem, foi no Dario+, restaurante que abre para o almoço no segundo andar de um dos açougues mais badalados do mundo gastronômico, a Antica Macelleria Cecchini do açougueiro Dario Cecchini.

A Macelleria Cecchini é hoje um ponto turístico: sábado pela manhã e Dario está lá, recebendo os clientes – e as dezenas de turistas – no seu açougue na cidadezinha de Panzano in Chianti. Difícil ver alguém com tanta paixão pelo que faz. Alegre, bem humorado, carismático. Dario recebe as pessoas com música italiana e chamando-as para dentro do açougue, cumprimentando todos e servindo nacos de porchetta que ele vai fatiando na hora, junto com pão, azeitonas, salame, pasta de lardo e um copo de vinho Chianti. Quando o açougue esvazia um pouco, Dario conversa e responde às dúvidas dos clientes/turistas.

Dario herdou o negócio do seu pai Tullio, que herdou do seu avô também Dario e este do bisavô, Luigi. Mas o Dario neto explica que embora tenha herdado o negócio da família e venha de uma geração de antigos açougueiros, ele é ‘um açougueiro dos tempos de hoje’. Daí surgiu a ideia dos restaurantes. É através deles que Dario melhor conceitua seu trabalho. Nas palavras dele: “Não sou um chef ou um cozinheiro, mas um açougueiro que cozinha. Desta forma, explico melhor e com mais resultado o meu trabalho”.

Ele tem três propostas diferentes no seu restaurante, que funciona no segundo andar do açougue e cujo caminho para chegar a ele passa por dentro do açougue propriamente dito. Durante o dia, funciona o Dario+, que serve dois menus de almoço. À noite, funciona no mesmo local, em dias e horários alternados, a Officina della Bistecca, quando Dario serve a famosa bistecca Fiorentina e outros pratos peso-pesados de carne e o Sollo Ciccia, quando é servido um menu de comida caseira da cozinha ‘da família’. À noite, convém reservar lugar no restaurante. No almoço já é mais tranqüilo, chegamos cedo e não tivemos problemas para sentar imediatamente.

A ideia do Dario+ é oferecer comida boa a preço justo. O primeiro menu brinca com a ideia de um ‘fast food bom’ e o segundo procura mostrar as especialidades do açougue. No menu Dario + ele serve um hambúrguer suculento de 250 g, acompanhado de batatas ao forno com sálvia e alho, uma salada e um pão crocante e fresquíssimo. No menu Accoglienza, quatro variedades de carnes: o sushi di Chianti, um tartar; o tonno Del Chianti que é uma carne de porco desfiada e bem temperada que supostamente ‘lembra’ atum, a porchetta em cubos e o cosimino, almôndegas em cubos com um molhinho picante. Tudo muito saboroso!

As principais cidades da Toscana – e imperdíveis na minha opinião – são San Gimignano, Siena e Firenze.

San Gimignano

San Gimignano é a menor das três cidades e dá facilmente para um dia ou mesmo uma tarde de passeio. Estacione e entre pela Porta San Giovanni e siga nesta via até a igreja de Santo Agostino. No caminho, tome um café ou um sorvete na Piazza della Cisterna – aliás, o melhor sorvete que tomei na Itália desta vez. Continue até a Piazza del Duomo e visite a catedral da cidade, a Collegiata. Ao lado da igreja, uma feirinha de ‘pulgas’ bacaninha. Suba na Torre Grossa para uma vista linda da cidade e dos arredores. Outros passeios na cidade: Galeria Gagliardi e Museo della Tortura, para quem curte. San Gimignano tem muitas lojinhas ‘gourmets’ de queijos, frios, massas, molhos, azeites e vinhos. Como nós ficamos em um hotel com quarto com cozinha equipada, aproveitamos para comprar uma massa, um molho e um bom queijo parmesão e brincar de cozinheiros no hotel mesmo :-) Ou então fique por lá mesmo: San Gimignano é uma cidade perfeita para curtir o fim de tarde e o anoitecer.

(E as frutas vermelhas? Provei groselhas frescas pela primeira vez na vida. E as cerejas?? Praticamente todos os dias comprávamos cerejas e comíamos de baciada. Para quem está acostumado com cerejas a preço de ouro no Brasil, um paraíso. No caminho da volta para o hotel, achamos ainda uma cerejeira carregada de frutas e paramos o carro para comer cereja no pé.)

Siena

Siena, para mim, é uma mini Firenze e vale a pena passar ao menos uma noite lá para curtir o entardecer e anoitecer. Se puder, fique em um hotel dentro da cidade e aproveite para andar a esmo, explorando ruas, becos e vielas. Cada hora do dia o sol bate de uma forma nas paredes de pedra e assim a cidade ora tem cores frescas, ora tem cores douradas, uma lindeza.

A praça principal, Il Campo, é impressionante. Visite o Palazzo Pubblico, um palácio gótico que tem salas lindas e onde acontecem muitos casamentos :o) Suba na Torre del Mangia para ter uma vista incrível da cidade e dos campos ao redor. O Duomo de Siena é das igrejas mais bonitas da região, imperdível. Visite também o Battistero atrás do Duomo e se tiver tempo o Museo della Opera Metropolitana. Dentro dele há um mirante que não é tão alto como a Torre del Mangia mas oferece também uma vista bem bonita da cidade. Na frente do Duomo, a igreja de Santa Maria della Scala é muito interessante, principalmente pelas recentes escavações feitas debaixo da igreja. Há capelas e salas do antigo hospital com afrescos lindos, uma igreja subterrânea, corredores e um pátio descobertos recentemente. Gostamos muito da Pinacoteca Nazionale, que por ser um museu pequeno e vazio permite que apreciemos as obras muito mais de perto e com muito mais calma que nos grandes museus. De resto explore os detalhes das portas e outras surpresas que aparecem na cidade.

A cidade tem muitas lojinhas de cerâmicas, gravuras, souvenirs e também lojas de roupas, sapatos e bolsas para quem está na vibe ‘shopping’. Tomamos um sorvete maravilhoso na Grom e comemos doces típicos muito bem feitos na Nalinni. Em Siena fica a Enoteca Italiana, único wine bar ‘público’ da Itália, dentro da fortaleza dos Médici. Degustamos vinhos e depois jantamos na Enoteca e não achamos nada de especial. Comemos muito melhor na pizzaria Il Pomodorino, frequentada mais por locais do que por turistas.

A 20 km de Siena fica Monteriggioni, uma microcidade medieval que, como diz o guia Frommer’s, “nem Disney faria melhor”. Um cidadezinha de duas ruas, cercada por muralhas e por torres, está tão bem preservada que sua foto é uma das que mais ilustra os cartões postais da Toscana. A cidade foi imortalizada na “Divina Comédia” de Dante Alighieri, que fala de suas 14 torres. Muita gente gosta, mas nós não achamos graça em Monteriggioni, que parece mesmo uma ‘Disney’ para turista ver. E bem mais bonita de longe do que por dentro.

Vale mais a pena visitar, perto de Siena, a Abazzia de Monte Oliveto Maggiore. Esta abadia fica a 36 km de Siena e, se você tiver tempo, passe por lá. O lugar é lindo e por estar ainda em funcionamento tem toda uma atmosfera de calma e tranquilidade. O claustro tem afrescos lindos, a biblioteca é interessante e ainda de lambuja vimos um dos monges preparando o almoço dos monges no refeitório. Na antiga cantina, um senhor muito simpático nos mostrou a antiga adega onde se armazenavam vinhos, azeites e alimentos, explicando ainda como era feita a captação de água para o mosteiro.

Firenze

Firenze tem tanta, mas tanta coisa para ver que nossos dois dias inteiros na cidade não foram suficientes. Assim, diria que o imperdível, para mim, são os seguintes passeios: Piazza della Signoria com Uffizi e Palazzio Vecchio, Ponte Vecchio e Palazzo Pitti, Piazza del Duomo com o Duomo, o Battistero e a Campanille (torre do sino); a Chiesa di San Lorenzo não tanto pela igreja mas pelas Cappelle Medicee e pela Biblioteca Medicea Laurenziana; e a Galleria dell’ Accademia. Outros passeios interessantes: Chiesa di Santa Maria Novella, Chiesa di Santa Croce, San Marco e o Palazzo Medici-Ricardi.

Tanto o Uffizi como a Accademia tem filas imensas. O ideal é comprar os ingressos antecipadamente pela internet, com reserva de horário marcado. Dá para comprar com reserva também nos próprios locais, a qualquer hora. Mas vale a pena para quem curte arte. Fomos ao Uffizi logo de manhã cedo, quando o museu é mais vazio. Na Galleria dell’ Accademia está o Davi original e sim, valeu a pena vê-lo e não ficar só com a réplica, achamos o original muito mais bonito e de quebra vimos as esculturas inacabadas de Michelangelo.

O Palazzo Pitti é lindo e bem completo. Há a Galleria Palatina, os quartos do palácio que rivalizam com Versalhes, o Giardino di Boboli. Como estávamos hospedados no centro histórico, passamos pela Ponte Vecchio a caminho do Palazzo Pitti. Linda! Repare nos cadeados presos nas ferragens da fonte: diz a lenda que dá pra amarrar bem o amor ali :o) Hoje em dia é proibido colocar novos cadeados no local, sob pena de uma multa altíssima.

O Duomo também tem filas imensas, Vá cedo! E não perca o Battistero na frente, mais vazio. As capelas mediceias na San Lorenzo são incríveis. Se conseguir, pois o horário é apertado, visite a Biblioteca. Perto da igreja de Santa Maria Novella fica a Farmacia Santa Maria Novella, que vale uma visita. Além de ser um museu e ter salas antigas preservadas, vende os produtos da marca, que são deliciosos. Perto, tem o Mercado Central para quem gosta deste tipo de programa.

Por último mas não menos importante, se estiver de carro ao entrar na cidade é obrigatório passar pelo mirante da Passeggiata ai Colli. A Piazzale Michelangiolo tem, de longe, a melhor vista da cidade. Imperdível mesmo. Se der tempo, visite a igreja de San Miniato al Monte no mesmo local.

Em Firenze comemos muito bem na Trattoria dei Quattri Leoni. Outros restaurantes indicados: Trattoria Za Za e Paoli. Tomamos um sorvete divino na Cantina del Gelato.

A Toscana é sem dúvida um dos lugares mais lindos – e românticos – onde estive. A cada curva da estrada uma paisagem diferente, mas com os mesmos elementos compostos por morros, casas de pedra, fortalezas, muralhas, vinhedos, oliveiras, ciprestes, campos floridos e semeados, bosques. Dizem ainda que, no verão, é possível ver as plantações de girassois. Pena que tive que vir embora antes :-)

Paisagens poéticas, pontilhadas por cidadezinhas que oferecem sempre uma surpresa. Percebi antes de viajar que todos que já estiveram por lá tinham uma cidade preferida ou um lugar “onde você não pode deixar de ir”. De fato, além das joias da coroa toscana que são Firenze, Siena e San Gimignano, tem outras dezenas de cidadezinhas lindas e interessantes para visitar. Na minha opinião e pelo que pesquisei entre os viajantes, uma viagem ideal pela região deveria incluir Pisa, Lucca, Volterra, Arezzo, Cortona, Montepulciano, Pienza e Montalcino, além das três cidades já mencionadas. (E conheço alguém que vai perguntar: e Orvieto e Bagnoreggio?) A Claudia do blog Viajar pelo Mundo! tem uma excelente lista de posts sobre a Toscana e destaca, ainda, as cidades de Colle di Val D’Elsa, Viareggio, Montefollonico, Pitigliano, Sovana e Sorano, além da região de Cinque Terre, já na divisa com a Liguria.

Nós não conseguimos ir a Volterra e a Pienza, e passamos praticamente batido por Montepulciano, quando fomos à vinícola Avignonese. Mas em compensação visitamos umas cidades lindas no Chianti, região onde ficava o nosso hotel: Castellina in Chianti, Panzano in Chianti, Greve in Chianti e San Donato in Poggio.

O ideal na Toscana é mesmo estabelecer um hotel tipo ‘quartel-general’ em alguma cidade ou no campo e visitar os arredores de carro, munido de um bom GPS. O único cuidado é que a tentação de beber vinho é grande e a polícia italiana não anda dando mole pros motoristas nesta região. Nós estávamos em grupo e alugamos um ônibus nos dias em que fomos às vinícolas.

É possível passar um dia e ver quase tudo nestas cidadezinhas. Mas o entardecer e o anoitecer são especiais e vale a pena selecionar algumas onde você possa curtir o fim de tarde, passear pelas ruazinhas menos óbvias, olhar o movimento das pessoas, curtir a atmosfera de uma cidade italiana do interior.

A seguir, um pouco das cidadezinhas da Toscana para vocês.

Pisa e Lucca

É claro que dá para ficar mais tempo e, por exemplo, caminhar ao longo das margens do rio Arno em Pisa. Mas para uma viagem mais corrida é possível, sim, conhecer Lucca e Pisa em um dia só. Vá primeiro a Pisa, estacione o carro no estacionamento vizinho ao Campo dei Miracoli, onde ficam os quatro edifícios que formam, nas palavras do guia Michelin, “um dos mais belos complexos arquitetônicos do mundo”: Duomo, Torre Pendente, Battistero e Campo Santo (cemitério). Vá direto à bilheteria e compre o ingresso para todos os edifícios que quiser visitar. Hoje em dia, é possível subir na torre de Pisa, que está firmemente fincada na terra desde 2001, quando sofreu sua última manutenção. Porém, as filas são grandes, o número de pessoas por vez é limitado e pode-se ficar o tempo que quiser no alto da torre – o que torna a espera imprevisível. Não subimos, uma vez que a paisagem do alto da torre não tinha destaque especial. Pegamos o final da missa no Duomo e nos emocionamos com um coro de ‘canto gregoriano’. No Battistero, fique atento: um senhor responsável pela bilheteria sobe na parte central e canta, para mostrar a acústica perfeita do local!

Lucca, ao contrário da maioria das cidades da Toscana, é plana. Além disso, é circundada por uma muralha tão larga que foi transformada em uma ciclovia e até em parques em determinados pontos. Ou seja, é uma cidade perfeita para pedalar. Entrando na cidade pela Porta Santa Maria, é possível estacionar e logo alugar bicicletas em perfeito estado de conservação na Cicli Bizzarri. Explore a cidade de bicicleta e não deixe de dar uma volta ao redor da muralha, são cerca de 5 km em uma via muito fácil de pedalar. Escolhemos um domingo para visitar a cidade e foi uma escolha certíssima: ruas muito mais vazias, quase sem carros circulando, nos deixaram bem a vontade para pedalar. Não deixe de andar pela Via Fillungo, passando pela Piazza Anfiteatro e seguindo até o Caffè di Simo, para um café com um doce caprichado. Passe pela igreja de San Michele in Foro, mais bonita por fora do que por dentro; pela Casa de Puccini, pelo Duomo e se tiver disposição suba na torre Guinigi. Comemos muito bem em Lucca, no restaurante Buca Sant’Antonio. E compramos cantucci na pastelaria Taddeucci.

Arezzo e Cortona

A maior graça de Arezzo está mesmo no conjunto da cidade. Pequenos e singulares antiquários, lojinhas de gravuras e de objetos de decoração e uma vista linda do alto das muralhas da fortaleza dos Medici, ao lado do Duomo. A Basílica di San Francesco vale uma visita e a Piazza Grande é simpática. Nela, nos primeiros finais de semana de cada mês, há uma feira de antiguidades. Tomamos um sorvete delicioso em Arezzo na sorveteria Cremi.

Quem leu “Sob o sol da Toscana” fica mesmo com irresistível vontade de ir a Cortona, tão bem descrita pela autora do livro, Frances Mayes. Passeie pelas praças centrais, Piazza Repubblica e Piazza Sgnorelli, onde ficam os edifícios principais. Ande até o Duomo e visite o Museo Diocesano bem na frente, algumas pequena e boas surpresas. Olhe a vista do vale e volte para pegar o carro e subir até a Fortezza Medicea Girifalco, onde a vista é incrível!

Montalcino

O ideal é juntar Montalcino e a Abazzia de Sant’Antimo a uma visita à cidade de Pienza, no alto do ranking das cidades charmosas da Toscana. Como fizemos uma viagem também voltada às vinícolas, passamos apenas por Montalcino, na volta da visita à Tenuta Greppo da Biondi Santi. Uma cidade bonita de longe e charmosa de perto, terra dos Brunellos e o paraíso de quem gosta de vinhos. Há dezenas de lojinhas de vinhos na cidade, que oferecem degustações e vendedores super solícitos. A mais bonita de todas, no alto e dentro da fortaleza, é também a mais cara. A praça central é ideal para um café. Achamos a maior variedade e os melhores preços em uma loja de vinhos fora do centro da cidade, a Enoteca Bruno Damazio. Tente sair de lá sem uma comprar uma garrafa sequer!

Castellina in Chianti

Por ser a cidade mais próxima ao nosso hotel, estabelecemos com ela uma relação de verdadeiro amor rsrs… Castellina in Chianti – junto com Gaiole, Rada, Greve e Panzano – formam o coração do Chianti. Todas cidades bonitinhas e legais para passear. Em Castellina, nossa eleita, há uma rua coberta, de pedra, com algumas galerias de arte e restaurantes ao longo. Nas duas praças da cidade (sim, a cidade tem praticamente duas grandes ruas e só), restaurantes gostosos. Lá, curtimos muito a atmosfera de um passeio de final de tarde e de um entardecer mais preguiçosos. Em Castellina fica o Albergaccio di Castellina, restaurante premiado com ‘uma estrela’ pelo Guia Michelin e muito gostoso. Também comemos uma pizza campeã na cidade, na Pizzeria Tre Porte.

Greve in Chianti/Panzano in Chianti e San Donato in Poggio

Passamos também por Greve in Chianti, onde paramos para visitar o mercado/feira livre que acontece aos domingos de manhã. Em Panzano in Chianti, fomos a Antica Macelleria Cecchini e andamos pela cidade. Também fomos a San Donato in Poggio, cidade da mesma região, onde tivemos um jantar inesquecível na Antica Trattoria La Toppa. Mas falarei destes lugares em outros posts. Por hoje, é só :-D

Normalmente os textos para os posts fluem facilmente. Mas desta vez foi difícil começar a escrever. Talvez pelo excesso de informações novas ou de emoções compartilhadas, demorei para decidir o que falar, como falar. Então resolvi começar pelo começo mesmo :-) E, portanto, contando para vocês da nossa confraria de vinho, a Turma do Vinho Nelson Barbieri, assim denominada ‘oficialmente’ no ano passado.

Em 2005, um casal de amigos que se reunia sempre e gostava de tomar vinho resolveu fazer uma ‘degustação oficial’ e convidou mais dois casais para participar. A este encontro seguiram-se outros e a confraria do vinho foi tomando forma. Sempre de maneira informal, sem frescuras, a ideia era nos reunirmos para experimentar vinhos diferentes, bater papo, trocar experiências e dar muita risada. Com o passar dos anos e das garrafas, fomos criando verdadeiros laços de amizade. Nós mudamos para Ribeirão Preto, outros dois casais foram para Florianópolis e Valinhos, os demais continuam em Araraquara, mas não perdemos o contato. Nosso grupo tem pessoas de idades, nacionalidades e personalidades diferentes, mas o conjunto funciona muito bem. Já fizemos algumas viagens pequenas pelo Brasil, mas esta foi a nossa primeira viagem internacional. Planejada com muito cuidado, desde setembro do ano passado, tomou forma agora no final de maio.

Toscana, aí vamos nós! O Jacques, como nosso maior gourmet e enólogo de verdade, fez o roteiro das vinícolas e sugeriu a hospedagem em um hotel no campo, na região do Chianti. Passamos então uma semana visitando vinícolas e rodando por pequenas cidades da Toscana. Na semana seguinte, eu e o Mike encerramos a Toscana com chave de ouro entre Siena e Firenze, com direito a um dia em Pisa e Lucca. É desta viagem que falarei nos próximos posts. As visitas às vinícolas, as cidades, nossa aula de culinária na Tenuta Casanova, os melhores restaurantes e os melhores vinhos que tomamos. Foi uma viagem muito especial, não somente pelas delícias dos lugares por onde passamos mas principalmente pelas companhias. Um grupo de pessoas bem-humoradas, divertidas, que topam tudo – é um privilégio fazer parte desta turma de amigos.

Espero que os leitores do blog gostem da nossa ‘experiência toscana’. Semana que vem tem mais! :-)

ENTRE OS MUROS DE BERGAMO

Enquanto Milão foi agitado e o Lago di Como foi romântico, Bergamo foi a chave de ouro da viagem: charmoso.

Bergamo se divide em duas: a Città Bassa, que é a metrópole urbana moderna, e a Città Alta, que é a cidade velha, no alto do morro, cercada por muralhas e bem medieval. Ao redor das ruazinhas de paralelepípedos ficam restaurantes, lojas que vendem queijos e frios, confeitarias com vitrines de encher os olhos, lojas e alguns poucos hotéis – sem falar nas construções antigas lindas, como a Piazza Vecchia, o Duomo, a igreja de Santa Maria Maggiore e a Biblioteca de Bergamo. É o máximo passear por esta cidade e ficar imaginando como ela funcionava há séculos.

Para ir da Cidade Baixa para a Cidade Alta usa-se o bondinho, ou funicular.

Comemos e bebemos muítissimo bem em Bergamo. E a culinária bergamasca é super interessante nas suas particularidades. Vamos lá.

A massa típica bergamasca é o casoncelli (ou casoncèi). Assim como a nossa feijoada, sua origem é humilde, pois era feito com pedaços de massa que eram recheados com restos de carne bovina e suína. Os casoncelli são raviolis bem rústicos, enrolados a mão mesmo. O mais tradicional é o casoncelli bergamaschi con pancetta burro e salvia (com manteiga, sálvia e pancetta). É uma delícia.

Além das tortas feitas com nozes, amêndoas e frutas secas e dos doces folhados e recheados, o doce mais típico da culinária bergamasca chama-se curiosamente Polenta e Osei – que quer dizer “polenta e andorinhas” :) Mas o nome se deve unicamente ao aspecto do doce! É um bolo aromatizado com limão e baunilha, recheado com uma pasta amanteigada de chocolate e coberto com marzipã amarelo e com pequenos passarinhos também feitos de marzipã. Toda vitrine de confeitaria tem sua versão da Polenta e Osei, nos mais variados tamanhos, de um bolinho individual (como eu comi) até um bolo de 3 kg ou mais.

Este gnocchi di patate fatti in casa con funghi porcini, finferli e pinoli tostati mostra bem o traço da culinária piemontesa a base de creme de leite e manteiga e com dois tipos de funghi, mas com o toque do charme bergamasco, o cacau em pó.

Outro primo piatto bem gostoso e diferente. No menu chamava-se Creme Bruleé di Zucca e Gorgonzola, mas estava mais para um suflê mesmo :)


A sobremesa mais gostosa que comemos em Bergamo foi certamente este Tiramisù: o melhor que comi na vida, deixou saudades.

Um capítulo à parte para a Pizzeria Il Fornaio. Lotada o dia inteiro, sempre com pizzas diferentes na vitrine (a gente passava em frente só para ver o que tinha de novo), vendiam-se as pizzas aos pedaços que eram cortados pela atendente com uma tesoura (!). Os pedaços voltavam ao forno para uma tostada final e eram pesados e entregues sobre um guardanapo de papel. Até pizza de batata-frita apareceu uma vez… sim, na Itália :-)

Vejam como são lindas as vitrines de Bergamo.

Em Bergamo também tomamos o vinho mais gostoso da viagem.

Bom, por ora é só! Espero que tenham curtido conosco a viagem :)

AO REDOR DO LAGO DE COMO O Lago di Como é mesmo candidato a um dos lugares mais românticos do mundo. Cada cantinho uma surpresa – uma paisagem linda, um jardim florido, um lugarzinho pitoresco para tomar um café, uma casa colorida… tudo regado por aquele céu azul com o lago e as montanhas nevadas ao fundo. Estivemos em Tremezzo, onde visitamos a Villa Carlota, e depois atravessamos de barco para Bellagio. Um almoço leve – panini (sanduíches) feitos com piadina (pão achatado e frito) recheados com folhas, crudo (como eles chamam o presunto cru) e grana (que é o queijo grana padano). Uma pausa para o café, sempre presente em nossos passeios. Vitela com espinafre e risoto, bem típico do local. Reparem nas folhas de sálvia fritas na manteiga… ficam divinas!! Um prato com polenta – a polenta é muito saborosa, feita com a sêmola mais grossa do que vemos normalmente por aqui. Os limões sicilianos da Villa Carlota. Arriverdeci… Nós vemos em Bergamo! :)

fonte da imagem: http://www.simonde.com.br/SimondeWeb/Materias/frmMateria.aspx?m=15

Viajamos uma semana pela Lombardia, no norte da Itália. Junto com a vizinha região do Piemonte, a Lombardia é conhecida pelas massas frescas, polentas e risotos. A região é inclusive a principal produtora de arroz do país. Por conta também da produção de pecuária bovina nas encostas das montanhas, é a terra da vitela e conhecida por usar mais a manteiga do que o azeite em seus pratos. Lá, é mais fácil achar massas frescas com molhos à base de creme de leite e manteiga do que molhos de tomate. As sobremesas típicas também seguem a mesma linha do uso da manteiga e do creme de leite: tanto o tiramisù como a panna cotta têm sua origem no noroeste da Itália. Alem destes dois doces, muitos outros são feitos com frutas secas e nozes, em especial as avelãs.

Viram que região mais LIGHT? Não é à toa que eu e o meu marido juntos engordamos 4 kg na viagem :-)

Levarei vocês conosco nesta aventura gastronômica, passando pelas ruas movimentadas de Milão, pelas encostas do Lago di Como e pelas ruas tortuosas de Bergamo. Aproveitem!

PELAS RUAS DE MILAO

Milão, início de nossa viagem pela Lombardia. É claro que não podíamos deixar de comer os dois pratos mais típicos da culinária milanesa – o risotto alla milanese e a cotoletta alla milanese. Muito simples, mas deliciosos. O risotto é aquele bem básico feito com manteiga, cebola, vinho branco, brodo e queijo parmesão – mas com o toque especial do açafrão e do tutano de boi. A cotoletta é uma boa fatia de lombo de vitela com o osso, empanada e frita na manteiga. Tenho que dizer que é diferente e muito mais gostoso do que o nosso bife, pois a carne é macia e suculenta sem ser muito gordurosa, e a cobertura é bem crocante. Todo restaurante de Milão tem sua versão destes pratos.


Os aspargos, junto com o espinafre e as alcachofras, foram os vegetais mais presentes nos menus milaneses. Comemos também uma piccata di vitello ai asparagi que deixou boas lembranças na Trattoria Bagutta (Pizza San Babila, centro de Milão), restaurante bem antigo e tradicional.


Por recomendação da Adriana Haddad, fomos à Premiata Pizzeria, lugar gostoso e aconchegante e também tradicional em Milão. A pizza escolhida, a Capricciosa, tinha molho de tomates, mussarela, alcachofra, funghi, alcaparras e azeitonas. Combinação deliciosa!


Almoços sempre mais leves para agüentar a comilança do jantar… Este foi “prato de resistência”, comemos mais de uma vez um carpaccio di bresaola, rucola e Parma. Esta rúcula italiana com folhas bem pequenas é simplesmente deliciosa, concentra o gostinho da rúcula sem ser muito picante.


Outro prato de resistência, a famosa salada caprese :)


O que mais em Milão? Passamos um final de semana delicioso andando pelas ruas do centro e aproveitando tudo o que havia para ver. Fomos ao Duomo, à Pinacoteca de Brera, ao Castello Sforzesco e à galeria Vittorio Emanuele II, onde comprei um livro bem legal de receitas de risotos na livraria Rizzoli.

Vitrines de dar água na boca no caminho.


Sou viciada nestas castanhas portuguesas assadas que a gente compra nas ruas e que são servidas em um cone de papel de embrulho. Mas as ‘fontes’ de fatias de coco fresco para vender são o toque tropical que achamos em Milão :-)

Em seguida, rumo ao Lago di Como. Aguardem mais histórias. Olhem só que paisagem “feia” pelo caminho!

PS. Post originalmente publicado no blog Rosmarino e Prezzemolo.