Viewing entries in the category Chicago

Muito se falou em comida de rua no ano passado por aqui, principalmente depois de São Paulo ter (des)organizado o evento Chefs na Rua durante  a 8ª edição da Virada Cultural da cidade de São Paulo. O evento, no qual 22 chefs de cozinha se propuseram a cozinhar comida bacana e barata em barraquinhas na rua, para o deleite da população paulistana, teve tantos problemas de logística que o caldo – ou a galinhada – literalmente entornou.

Mas em Chicago, ao contrário do aconteceu em São Paulo,  o prato foi muito bem servido. Em um evento chamado Taste of Chicago, no qual estivemos na sua edição 2012, que aconteceu em julho passado na cidade. Seguindo uma dica quente da Nat do delicioso  Sundaycooks, fomos conferir o maior festival de comidas em local público do mundo.

No Taste of Chicago, que dura cinco dias, restaurantes da cidade montam suas barracas de rua e oferecem aos moradores e visitantes uma forma fácil e barata de provarem suas comidas e as especialidades de grandes chefs da cidade.  Estavam lá na edição de 2012, por exemplo,  a famosa deep pizza do Bacino’s e os deliciosos cheesecakes do Eli’s.

As barracas das comidas são armadas ao longo de uma rua dentro do Grant Park, que fica em uma região central da cidade. Além da facilidade de acesso, os visitantes podem usar a estrutura de banheiros e áreas de descanso e lazer do parque.  No Taste of  Chicago, além das barracas de comidas, há um palco para pequenos shows que acontecem diariamente, um jardim com um wine bar, locais com bancos e mesas de madeira ou cimento e gramado para quem quiser fazer piquenique. Há áreas de alimentação perto de parquinhos e espaços de lazer para a criançada brincar enquanto os pais se deliciam com as comidas. O mapa do evento dá uma boa ideia da organização do festival.

Outro ponto interessante é a forma de pagamento, cópia do sistema eficiente das nossas quermesses do interior. As barracas não aceitam dinheiro. Os participantes precisam comprar fichas, que são usadas para fazer o pagamento das comidas e bebidas nas barracas, facilitando o troco e evitando que as pessoas que servem nas barracas manuseiem dinheiro. No evento, um bloco com uma dúzia de fichas saía por US$8 (ou por US$7 para quem comprasse antecipadamente). Os pratos maiores  custavam em torno de 9 ou 10 fichas, os acompanhamentos saíam por 6 ou 7 fichas e os refrigerantes por 4 fichas. Outra ideia muito bacana: quase todas as barracas vendiam taste portions, ou seja, pequenas porções apenas para degustação, o que permitia às pessoas provarem uma variedade maior de comidinhas. Estas porções de degustação saíam, em média, por 2 ou 3 fichas.

Durante o festival são servidos mais de 300 itens dos menus de mais de 70 restaurantes, que oferecem não só tradicionais comidas  americanas como de vários países, representados por seus restaurantes típicos. Assim, era possível provar de um bom hambúrguer a um goat biryani (carne de bode com arroz, açafrão e especiarias) =P

Quem tiver oportunidade, vale a pena dar um pulo no Taste of Chicago.

E que tal um festival  Sabor de São Paulo? :-D

 

Compartilhar/Favoritos

Sou fã número um desta cidade organizada, charmosa (sim, acredite!) e cheia de atrações culturais, gastronômicas e musicais, entre outras. Dá para ficar dias passeando em Chicago e ainda vai faltar tempo para ver tudo.  Desta vez, uma rápida passada pela cidade rendeu programas gastronômicos em dose dupla, ótimos para gourmets e outros viajantes.

Dois lugares bacanas para almoçar em Chicago

Uma dica no Twitter nos levou ao Epic Burger. Não me lembro mais de quem foi a dica, mas estou aqui agradecendo até hoje :-)  Com cara de lanchonete do tipo McDonald’s à primeira vista, o Epic Burger serve um hambúrguer de muito respeito, feito com ingredientes naturais, orgânicos e frescos, produzidos diariamente. Com um endereço a poucas quadras do The Art Institute of Chicago e outros dois endereços bem próximos da Michigan Avenue, não tem desculpa para dar uma parada e almoçar bem, rápido e barato aqui.

Outro almoço delícia, que não é exclusividade de Chicago mas é sempre certeiro:  The Cheesecake Factory. Ótimos hamburgueres, boas saladas, pratos variados e, claro, os mundialmente famosos cheesecakes de sobremesa. Difícil escolher um só. Localizado no térreo do prédio John Hancock Center, na própria Michigan Avenue, fica fácil para dar uma paradinha e se deliciar.

Dois lugares deliciosos para jantar em Chicago

Fomos bastante felizes nas escolhas de restaurantes para jantar em Chicago. As dicas vieram da Renata Antiquera do blog Paixão por Viagens e do chef paulistano @Cabertolazzi.

No Japonais, dica da Renata, comemos deliciosas e originais combinações de sushis e sashimis. O interessante, neste restaurante, é que são duas cozinhas diferentes, tocadas por dois chefs, uma de comidas frias e outra de comidas quentes. Ficamos só nas frias, mas adoraria voltar para provar da outra cozinha, já que fiquei de olho nos pedidos das mesas vizinhas… Quem nunca? :-D Dá para sentar dentro ou na varanda, onde é bem gostoso. Não deixe de provar o Spicy Tuna Tartar e o Bin Cho.

O Avec, dica do Bertolazzi, tem outra proposta. Restaurante bem pequeno,  não aceita reservas e os lugares são no balcão ou em mesas comunitárias. Mas vale muito a pena chegar bem cedo para poder sentar, já que lota facilmente. A focaccia com queijo taleggio, ricota e ervas é uma delícia. Muito boas também a burrata e as tâmaras recheadas com chorizo com bacon e molho de pimenta piquillo. A ideia aqui é pedir duas a três entradas e/ou pratos e dividir. Fomos a fundo nesta ideia e ofereci nossos pratos aos vizinhos de mesa, que estavam de olho :-) No fim, a mesa trocou vários pratos e também conversas super divertidas, foi uma noite especial.

 Duas lojas gourmet imperdíveis em Chicago

Conhecemos estas lojas da última vez que estivemos em Chicago. Ambas faziam parte do tour gastronômico Food Tasting and Cultural Tour organizado pelo Chicago Food Planet que fizemos. Mas estava louca para voltar para renovar meus estoques de delícias :-) Lojinhas diferentes, especiais e obrigatórias para quem gosta de comer e/ou cozinhar. E, melhor ainda, uma vizinha da outra.

A primeira delas, a Spice House, dá para sentir de longe. Sentir mesmo!  Já que o cheiro delicioso de especiarias fica no ar por alguns bons metros em volta da loja. As especiarias são todas importadas ou compradas diretamente por eles e vendidas a granel na loja. Assim, dá para escolher entre uma variedade de curries, de açúcares baunilhados, de canelas e de sais de várias partes do mundo. Também fabricam suas próprias misturas de temperos deliciosos. Assim há temperos especiais para carne, frango ou peixe, para saladas e para sopas. Comprei o melhor lemon pepper que já provei na vida aqui. Desta vez, levei dois novos: um chilli con carne seasoning perfumadíssimo e um tuscan seasoning para saladas super saboroso.

Ao lado, a Old Town Oil vende dois tipos de produtos apenas: azeites e vinagres balsâmicos. Porém, que azeites e acetos! Há uma variedade absurda de acetos aromatizados e envelhecidos e azeites aromatizados e de várias procedências. Melhor ainda: tudo em tanques de metal com uma torneirinha e copinhos ao lado, ou seja, disponíveis para os clientes provarem o quanto quiserem. Trouxe um aceto balsamico com tangerina que nem conto para vocês :-P

Toda vez que viajamos fazemos a lição de casa antes. Primeiro, pedindo dicas aos amigos descolados, depois passeando pelos blogs de viagem mais legais e por fim fazendo a pesquisa obrigatória no Trip Advisor, para nós o melhor site de viagens que existe. Pois nos chamou a atenção o fato do Food Tasting and Cultural Walking Tour do Chicago Food Planet estar entre as cinco melhores atrações da cidade pelo TripAdvisor. Resolvido. Tivemos muita sorte de pegar um dia lindo, ensolarado.

Como funciona? São dois trajetos, sendo que fizemos o Near North, que circula pelo Old Town de Chicago. O grupo, que pode ter no máximo 12 pessoas (o nosso tinha só quatro), encontra-se com o guia (no caso a Ariela, super simpática e com ótimo conhecimento dos arredores) no primeiro lugar a ser visitado. Daí, vamos a pé pelo bairro do Old Town, escutando pelo caminho curiosidades a respeito da arquitetura e da cultura local, além de visitarmos sete lugares ligados à comida. Andamos bem, são cerca de 3 quilômetros durante 3 horas de passeio. É tudo muito organizado. Logo no início recebemos o mapa do trajeto, explicações de como voltar ao ponto inicial, endereço completo de todos os locais a ser visitados e cupons de desconto para voltar depois, já que durante o tour não é permitido fazer compras. Em cada ponto de parada, há uma pequena explicação sobre o lugar.

Queria compartilhar com vocês este passeio tão legal. A seguir, fotos e explicações para que também possam viajar conosco em um Food Tasting and Cultural Tour virtual!

Food Tasting and Cultural Tour do Chicago Food Planet

1. Ashkenaz Deli

Encontramos o grupo nesta pequena e bem típica delicatessen judaica, onde experimentamos o Reuben, sanduíche criado no início do século e que depois virou um clássico nos EUA. Com pequenas variações, é feito com pão integral, pastrami ou corned beef (espécies de embutidos feitos com carne de boi curada), queijo suíço, chucrute e molho Russian (uma maionese bem temperada com cebola picada, alcaparras, raiz forte, ketchup, páprica, ervas, etc). Delicioso…

Este sanduíche, que normalmente vem com quase 10 cm de pastrami no pão integral, deve ser o precursor daquele famoso sanduíche de mortadela do Mercadão em São Paulo… A foto do Reuben que eu comi não ficou legal, então pedi esta emprestada daqui para vocês terem uma ideia como ele é.

 

2.Tea Merchants/Tea Gschwendner

Sim, a loja é diferente mas é a mesma marca da que tem em São Paulo, capital. Foi bem legal aprender mais sobre a bebida mais consumida no mundo e entender as diferenças entre chá branco, verde, preto, etc. Também aprendemos a fazer chá da forma correta, sem deixar a água ferver e sem deixá-la horas na infusão com a planta. E experimentamos um chá gelado divino, Cranberry Mango Green Tea. Comprei mais tarde neste lugar o melhor chá que eu já bebi na vida, o africano Rooibush, aromatizado com Cream Caramel, não tem nada igual. E não tem cafeína, sendo ótimo para tomar à noite. Se puderem, experimentem!

Isto é Old Town Chicago… ruas limpas, largas e arborizadas.


3. The Spice House

A ME-LHOR parte do passeio para mim! Da esquina dava para sentir aquele cheiro divino de mistura de especiarias. Dentro, uma loja antiga, com cara de entreposto, cheia de sacos, caixas, potes, potinhos e cheiros deliciosos por todos os lados. No próprio porão da loja eles ralam, secam, preparam misturas, pesam e embalam. Também teve uma mini aula sobre pimentas e canelas. Difícil resistir aqui! Eu queria comprar tuuudo. Quem quiser babar, dá uma olhada no catálogo deles – só de sal e mixes de sal tem 24 tipos diferentes (eu devia ter deixado para comprar a flor de sal aqui, mas já tinha comprado em NY, voilà…)

4. Old Town Oil

A segunda melhor parada do passeio. Uma loja só de azeites e balsâmicos, de todas as idades, acidez, aromatizados ou não :-) Eles têm mini copinhos para degustação e indicam na hora incríveis misturas entre os dois, como por exemplo aceto aromatizado com cranberry e azeite aromatizado com manjericão – juro, gente, é bom ;-) É bem legal também degustar e comparar acetos de vários graus de envelhecimento.

Esta placa estava lá na parede do Old Town Oil.

5. The Fudge Pot

Fábrica artesanal de chocolate que, como a maioria dos estabelecimentos do Food Tour, é antiga e familiar. Os fundadores eram ex-funcionários chocolateiros da fábrica de chocolates Hershey’s, na parede da loja tem fotos e a história deles.

E vamos andar mais um pouquinho, ver mais da arquitetura deste bairro antigo da cidade…

6. Catering/Chocolate

Esta é a loja do Chef Chocolatier Jay Shindler, que é um dos mais badalados caterers da cidade. Seu serviço de buffet atende hoje o Presidente Obama quando está em Chicago, além de outras personalidades. Dentro do tour, foi o lugar mais sem-graça, enfim… Provamos queijos e um hummus que estava gostosinho, só.

7. Bacino’s Pizza

Atenção, paulistas e paulistanos… A pizza Chicago-style, chamada por uns de stuffed pizza e por outros de deep-dish pizza (há os que acham que diferem ligeiramente uma da outra) não é uma pizza propriamente dita, mas uma torta-pizza. Nesta pizza inventada em Chicago no restaurante Uno e da qual eles têm o maior orgulho, a massa é colocada no fundo e nas laterais de uma forma redonda de pelo menos 3 cm de altura, bem untada com azeite, e sobre a massa vão queijos, carnes, vegetais etc. Por cima, um molho normalmente feito com tomates crus. O interessante desta pizza da Bacino’s, onde terminou nosso Food Tour, é que é feita com mussarela light e molho de tomates praticamente sem gordura. Assim, ela é saborosa mas não tão calórica. Foi um ótimo encerramento. :-)

OBS. Este texto foi publicado originalmente no blog Rosmarino e Prezzemolo.

A coleção de arte pública de Chicago é reconhecida internacionalmente. São dezenas de trabalhos planejados e executados para áreas públicas, na maior parte espaços abertos e acessíveis a todos. São esculturas, monumentos, memoriais, murais, fontes e outras instalações, que se espalham pela cidade como pequenas (ou grandes) surpresas.

É preciso camelar para ver quase tudo, mas boa parte se concentra nos principais parques – Lincoln Park, Oak Park, Grant Park e o Millenium Park. Outras estão espalhadas pelo Loop e arredores.

As duas obras mais representativas estão no Millenium Park: a Crown Fountain e o Cloud Gate, mais conhecido como the bean(‘o feijão’). Lindos, surpreendentes!A Crown Fountain, desenhada pelo artista espanhol Jaume Plensa, foi inspirada no povo de Chicago. São dois blocos de torres de vidro com uma piscina de águas rasíssimas no meio, onde as crianças adoram brincar. As torres projetam imagens em LED de rostos de mil moradores da cidade. O efeito da água fluindo através de um buraco nas torres dá a ilusão de que as pessoas estão ‘cuspindo’ água pela boca. É uma referência ao tradicional uso de gárgulas nas fontes, nas quais rostos de figuras mitológicas eram esculpidas com bocas abertas para saída da água, um símbolo de vida.



O Cloud Gate é o primeiro trabalho de arte pública do artista britânico de origem indiana Anish Kapoor a ser exposto nos EUA. A escultura elíptica, que pesa 110 toneladas, é inspirada no mercúrio líquido e é formada por uma sobreposição de placas de aço altamente polidas e sem contornos marcados, que funcionam como um espelho e refletem o skyline da cidade e as nuvens sobre ele. O arco no meio funciona como um ‘portão’ para entrar na câmara côncava sob a escultura, onde os visitantes podem tocar a superfície da escultura e ver suas imagens refletidas sob uma variedade de perspectivas. Este trabalho mostra a genialidade do Kapoor, para mim um dos grandes artistas da atualidade. Incrível mesmo!


Há tantos outros trabalhos que é difícil escolher o que postar aqui! A seguir, uma amostra de outras public art em Chicago que chamaram minha atenção. As fotos sem créditos são minhas, as demais estão identificadas.

A God Bless America, de J. Seward Johnson Jr., é outra interessante. Inspirada em um famoso quadro de Grant Wood de 1930, “American Gothic”, mostra um casal de fazendeiros americanos coloniais. É uma das imagens de arte do século XX mais familiar aos americanos, e uma das mais parodiadas também. Na instalação itinerante de Johnson Jr., o casal de fazendeiros ganha malas e viaja pelos EUA. Esta foi montada em 2008 e veio de Key West, na Florida. Está atualmente estacionada na Michigan Avenue em Chicago.

Sim, tem Picasso e Miro ao ar livre em Chicago ;-) A escultura conhecida simplesmente como The Picasso fica no Daley Plaza e foi criada a partir de uma maquete de uma escultura de Pablo Picasso de 1965 que está exposta no Art Institute of Chicago. O próprio Picasso aprovou a montagem, que virou domínio público em 1970. O Miro de Chicago, inicialmente denominado O sol, a lua e uma estrela, é de 1981 e também fica no Daley Center. Já o Flamingo de Alexander Calder, no Federal Plaza, é de 1974.

http://www.cirrusimage.com/chicago/chicago_picasso_xx.jpg

Crossing do Hubertus von der Goltz, que mostra o delicado equilíbrio entre o distrito comercial e o distrito cultural da cidade, que se convergem no corredor da rua LaSalle.

fonte: http://chicago-outdoor-sculptures.blogspot.com/2009/03/crossing.html

A “escultura sonora” de Harry Bertoia, criada em 1975, uma fonte que produz sons advindos de filamentos de cobre encaixados em bases de granito.

fonte: http://www.diddit.com/activity-fqrgbx/outdoor-sculptures-chicago/untitled-sounding-sculpture-bertoia/

No Hyde Park, a Fountain of Time lembra o estilo do Monumento às Bandeiras paulistano.

fonte: http://pcj.typepad.com/planning_commissioners_jo/2007/12/the-fountain-of.html

No Grant Park, chama a atenção de longe a Agora, de Magdalena Abakanowicz, de 2006. A instalação mostra 106 figuras humanas, todas diferenciadas por algum detalhe, mas sem cabeças. Descrita pelo autor como o “eu contra o mundo todo”.

fonte: http://www.abakanowicz.art.pl/permanent/Agora2950.php

Se quiser saber mais, o blog Public Art in Chicago mostra uma coleção bem completa destas obras.

fontes de pesquisa:
http://www.millenniumpark.org/
http://www.explorechicago.org/city/en/supporting_narrative/attractions/dca_tourism/Featured_Public_Art.html
http://www.chicagotribune.com/entertainment/arts/chi-publicart-080501-gallery,0,7905996.photogallery
http://en.wikipedia.org/wiki/Chicago


Chicago foi uma grande surpresa. Não esperava mais do que uma cidade grande norte-americana, mas Chicago consegue ser bonita, limpa, organizada e cool ao mesmo tempo.

Primeiro, come-se muitíssimo bem na cidade. Chicago é hoje a capital da gastronomia molecular nos EUA. Sede do Alinea, comandado pelo chef Grant Achatz e considerado por muitos o melhor restaurante dos EUA hoje, também abriga o restaurante Moto de Homaru Cantu, outro chef criativo e inovador. Foi no Moto nosso jantar inesquecível na cidade. Há muitos outros restaurantes bons e descolados, tais como o Graham Elliot, o Tru, o L20, o Frontera Grill. Para os que curtem fast food, foi em Chicago que surgiu a deep dish pizza, uma pizza tipo ‘torta’ famosa no país todo. Também fizemos em Chicago um tour gastronômico a pé, organizado pela Chicago Food Planet, muito original e interessante.


Em Chicago, home of the Blues, ouve-se muita música boa. Foi lá que surgiram nos anos 50 e 60 os clubes e as comunidades de artistas que tocavam blues. E há muita comédia stand up boa na cidade, sede do Second City, um teatro e centro de formação de onde saíram comediantes famosos como Tina Fey e Mike Myers. E, assim como em Nova York, há uma grande diversidade cultural – a diferença é que em Chicago é tudo mais ‘espalhado’ por conta da geografia da cidade, enquanto que em NY fica quase tudo lá, walking distance, em Manhattan. Ah! A maioria das lojas que os brasileiros gostam de freqüentar também estão lá, porém com menos filas.


Mas há duas características principais que tornam Chicago única: a arquitetura e a public art.

Chicago foi, no passado, uma daquelas cidades cujo crescimento muito rápido trouxe os tradicionais problemas urbanos. Sua reputação no século XIX era de ser a cidade mais suja dos EUA. Depois de sofrer um incêndio em 1871 que destruiu boa parte da cidade, seus administradores resolveram reconstrui-la de outra forma. Daí nasceu a escola de arquitetura de Chicago, conhecida mundialmente por ser a precursora dos arranha-céus e por construir de forma rápida, prática e eficaz. É uma arquitetura cuja imponência muitas vezes está alicerçada numa reverência à praticidade, à economia, ao respeito à malha viária e ao planejamento urbano.

Qualquer estudante de arquitetura e urbanismo, se tiver condições, deve ir a Chicago. Há architectural tours organizados pela Chicago Architecture Foundation fantásticos, onde os guias explicam detalhadamente sobre épocas, ideias, formas, escolas e contextos. As paisagens dos arranha-céus são impressionantes, lindas mesmo. Uma boa maneira de começar a estreitar os laços com o skyline é fazer um passeio de barco. Tanto o trajeto pelo rio Chicago como o trajeto pelo lago Michigan são interessantes. E juntar os dois em um combined tour economiza tempo e dinheiro, vale a pena. São diversas as opções.


A public art reúne esculturas, monumentos, memoriais, murais, fontes e outras instalações, que se espalham pela cidade como pequenas (ou grandes!) surpresas. É preciso camelar para poder ver quase tudo, mas boa parte se concentra nos principais parques – o Lincoln Park, o Grant Park e o Millenium Park. Outras estão espalhadas pelo Loop e arredores. Muito, muito legal.


Em tempo: Não é toa que Chicago aparece entre osTop 25 Destinations in the World chosen by Europeans no Trip Advisor Traveller’s Choice 2010!