Viewing entries in the category Ribera del Duero

Além de passear pelas cidades da Ribera del Duero, visitamos três vinícolas da região: Torremilanos, Pesquera e Protos.

Torremilanos

A própria dona da Torremilanos, a simpática e acessível senhora Pilar, foi quem nos acompanhou na visita a esta vinícola. A Torremilanos, que fica na cidade de Aranda de Duero,  foi fundada em 1903,  sendo a vinícola mais antiga da região depois da Vega Sicilia. A Pilar nos contou que em 1975 ela e seu marido Pablo compraram a vinícola com a ideia de investir em vinhos de alta qualidade. Trabalharam muito sozinhos e depois com a ajuda dos dois filhos, que estão lá até hoje. Seu marido morreu há alguns anos mas ela continua firme na direção do negócio que sonharam e construíram juntos.

Contou-nos a história do trabalho de seu filho Ricardo, que durante anos buscou convencer o pai a investir e adotar modernidades na produção. O pai finalmente capitulou e Ricardo implantou na Torremilanos uma pequena produção de vinhos que envelhecem em barris de cimento de formato oval, os huevos de cemento, que ele acredita conseguem manter uma guarda  mais longa com menor possibilidade de oxidação do vinho. E Ricardo Peñalba tem conseguido produzir vinhos que são muito bem reconhecidos no mercado.

O destaque ficou por conta do prédio bonito e da decoração caprichada de seus interiores, com pequenos detalhes interessantes, como as paredes pintadas com painéis de cenas da colheita da uva e um abajur feito de cachos de uvas de cristal. É uma das únicas vinícolas na região que fabrica barris de carvalho e é possível ver a tanoaria e entender o processo. Na vinícola há um bom restaurante e um wine bar que serve os vinhos da Torremilanos em taças, acompanhadas de ótimos tapas; ambos abertos ao público. Para visitar a vinícola, é preciso fazer uma reserva pelo telefone ou pelo email indicado no site.

Pesquera

“Tinto Pesquera hasta que me muera”… O ditado conhecido na região mostra como a vinícola Pesquera, que fica em Peñafiel, é tradicional na Ribera del Duero. A Pesquera é o resultado do sonho de um homem ímpar, que desde moço queria fazer vinhos de qualidade. Alejandro Fernandéz trabalhou em diversas atividades para sustentar a família, mas nunca deixou de produzir seu vinho, com as uvas de sua pequena propriedade,  sempre sonhando com a própria vinícola. Levou dez anos para construir seu negócio. Com mais de 80 anos, está vivo e atuante até hoje.  O bacana aqui é visitar o galpão onde hoje fica exposta a primeira prensa de uvas utilizada por Alejandro e ouvir sua historia contada por ele mesmo, em um filme que é passado no local.

Além da vinícola, vale a pena esticar a visita ao Pesquera AF Hotel, que fica na mesma cidade  e onde há um bar moderno e gostoso para provar os vinhos Pesquera acompanhados de tapas. No hotel há ainda um restaurante e uma bodega subterrânea onde é legal ir jantar ou curtir a noite.

Protos

A Protos foi, sem dúvida, a vinícola mais bacana que visitamos em Ribera del Duero. Além da simpatia e do conhecimento da guia Marilena, que nos acompanhou na visita, e dos excelentes vinhos que provamos na degustação no local, a Protos é muito interessante do ponto de vista histórico e arquitetônico. Neste local que visitamos em Peñafiel não há produção de vinhos, apenas armazenamento/envelhecimento e engarrafamento. A visita começa na parte antiga da vinícola: são mais de 2 km de túneis subterrâneos, onde 14 mil barricas se amontoam em volta de paredes de pedra. Os túneis passam por baixo do Castillo de Peñafiel e, como contei aqui, têm respiradouros com 60 metros de altura que fazem o ar circular. Nestes túneis é tudo natural, não há qualquer controle de umidade e temperatura.

Mas não pára por aí. De repente saímos dos túneis e atravessamos por debaixo da estrada que corre ao lado da vinícola. Do outro lado estão as novas instalações da Protos, com suas imensas salas onde a temperatura e a umidade são controladas artificialmente. Aqui, repousam cinco mil barricas e milhares de garrafas. Neste prédio novo também estão as seções de engarrafamento, rotulagem e empacotamento dos vinhos. Além das salas de degustação e escritórios da Protos. O curioso é que o mesmo escritório de arquitetura que projetou o Terminal 4 do Aeroporto de Barajas, o Richard Rogers, construiu o novo prédio da Protos. Qualquer semelhança não é mera coincidência :-D Uma vinícola que vale a pena visitar.

 

Compartilhar/Favoritos

Essa nossa viagem pela Espanha começou em Madri onde passeamos de Segway, fomos a Cava Baja e ao Gourmet Experience, comemos muito bem no Cañadio e no DiverXo e ainda assistimos a um show bacana de Tablado Flamenco. Mas o objetivo principal da viagem era mesmo visitar regiões vinícolas da Espanha. Escolhemos as duas principais, Ribera del Duero e Rioja.

Começamos pela Ribera del Duero. No post de hoje um pouco sobre o hotel onde ficamos, os restaurantes onde comemos bem e os passeios que fizemos pela região. Semana que vem, mais sobre as vinícolas.

Hotel

Ficamos hospedados no Hotel Residencia Real Castillo de Curiel. Pontos fortes: foi de fato um castelo e hospedou uma família real, pelo que há todo um clima interessante na arquitetura e na decoração do lugar. Vistas lindas do alto do morro. Quartos charmosos e confortáveis, com alguns banheiros um pouco pequenos, mas nada que comprometa. Um restaurante simpático que atende bem café da manhã e jantar. Pontos fracos: o castelo é bem isolado. Fica na cidade praticamente “fantasma” de Curiel de Duero e a cidade mais próxima, Peñafiel, fica a pouco mais de 6 km. E só lá você vai achar restaurantes, lojas, farmácia. Ou seja, é preciso pegar o carro ou andar bastante a pé, sendo que a volta é uma subida íngreme.

Outro hotel muito bacana na região fica em Peñafiel e pertence à vinícola Pesquera. Visitamos o  Pesquera AF Hotel e gostamos muito da localização, do ar moderno, dos quartos decorados com objetos de design  e das boas opções de restaurantes e bares no local.

Restaurantes

Em Peñafiel almoçamos no Molino de Palacios, um dos mais tradicionais da cidade, com suas paredes de pedra, mesas rústicas e o forno à lenha perfumando o ambiente. A especialidade da casa, o cordero lechal al horno de leña  (cordeiro-mamão assado no forno a lenha) estava excelente. Foi o melhor custo-benefício em Ribera del Duero.  Também gostamos do El Bodegon de Mario (Calle Derecha al Salvador, 14), onde o próprio Mario e sua família cozinham (tudo uma delícia) e servem as mesas. O Mario é uma figura. Tocou corneta, fez discurso e brindou conosco ;-)

Almoçamos muito bem na cidade de Burgos, no restaurante Landa, que fica no hotel do mesmo nome. Restaurante com jeitão de casa de fazenda, com várias salas decoradas como uma sala de jantar de casa mesmo, e que serve pratos tradicionais preparados em forno a lenha. A comida é muito boa. Fomos na tradicional terrina de cordero lechal e de entrada provamos as morcillas, deliciosas. A sobremesa, mil hojas, foi uma das melhores da viagem.

Jantamos um dia na bodega do Pesquera AF Hotel. O hotel é lindo e oferece três ambientes distintos para comer e beber. Tem um restaurante mais formal, um bar informal ao lado da recepção (com mesinhas e uma mesona comunitária, onde petiscamos e provamos os vinhos Pesquera em taças após voltarmos da visita a esta vinícola) e um bar/bodega bem bacaninha no subsolo, que fica animado nos finais de semana.

Passeios

Peñafiel

A maior cidade da região é Valladolid, mas Peñafiel é considerada a ‘capital’ de Ribera del Duero, especialmente pelas suas atrações e por ser sede de grandes vinícolas como a Pesquero e a Protos. Uma cidadezinha nos moldes de muitas que vimos na região: ruas estreitas,  pouco movimento de pessoas. Mas vale a visita. A Plaza de Toros é bem interessante, pois assim como ocorre em Pamplona, aqui também a corrida de toros (ou tourada) acontece em plena praça e nas ruas da cidade. As casas em volta da praça têm barras de madeira nas portas de entrada, para impedir a entrada dos touros ;-)

O Castillo de Peñafiel é outra atração bacana na cidade, especialmente pelas curiosidades que o envolvem, começando pelo formato de um barco. Faça o tour guiado, vale a pena ouvir sobre a história e como era a rotina do lugar. Em seguida, visite lá mesmo o Museo Provincial del Vino. Ah! Não deixe de olhar de cima das muralhas para baixo do morro e procurar umas chaminés que parecem sair de dentro da terra. Saem mesmo. São os respiradouros da bodega Protos. Se for depois visitar esta bodega, vai lembrar deles e vê-los por outro ângulo.

Burgos

Burgos é uma cidade maior, com mais movimento, e é gostoso andar pelas ruas e praças e descobrir pequenas igrejas e casas antigas.  O Paseo del Espolón, uma alameda larga e arborizada que liga o Arco de Santa Maria ao Teatro, é um charme. Nesta época do ano, os galhos e ramas dos plátanos ali plantados se entrecruzam, formando um túnel, lindo de ver. A Catedral de Burgos é imponente e interessante, vale muito a visita.