Viewing entries in the category Lisboa

Foram tantas as aventuras que renderam bons quilos a mais… mais para mim e menos para o Mike, claro :-) Mas posso dizer que aproveitamos ao máximo, fazendo desta viagem a Portugal uma experiência cultural mas também enogastronômica. Com recomendações, causos e curiosidades para contar.

E PARA COMEÇAR, APERITIVOS

Quase em todos restaurantes portugueses, assim que sentamos à mesa, são colocados os aperitivos. No mínimo pão, manteiga e azeitonas. A atitude mais sensata, pelo menos na maioria das vezes, é recusá-los. Isto porque eles pesam – no estômago (já que os pratos individuais são geralmente muito fartos) – e no bolso também. N’O Fialho em Évora, por exemplo, só o pratinho de presunto cru (maravilhoso, diga-se de passagem) acrescentou 15 euros (!) na conta final. Abaixo, uma típica mesa farta de aperitivos.

PRATO PRINCIPAL

No interior do país há muitos, muitos mesmo, restaurantes que são tocados pelo marido (que serve as mesas) e pela esposa (que geralmente fica na cozinha). Em Lisboa, cidade grande, isto já muda. E é uma delícia ser recebido e servido pelo dono, que vai dizer quais são os pratos do dia e vai saber indicar um bom vinho. Basta dizer quanto você quer gastar e do que gosta e a indicação vem certeira. E eles fazem questão de saber, ao final da refeição, se realmente gostamos do prato servido.

A maior figura da viagem encontramos no restaurante A Maria (Rua João de Deus, 12, tel +351 268 431 143), em Alandroal, cidade próxima a Évora no Alentejo. Fomos tão bem recebidos e a comida era tão boa que voltamos lá no dia seguinte! Seu Cândido nos rendeu boas risadas. Primeiro nos disse que alguns clientes brasileiros lhe tinham dito que o restaurante dele era melhor do que um ‘famoso de São Paulo, um tal de Aquarius’ (não seria Antiquarius?!?), depois nos disse que estava feliz pois um descendente de portugueses estava ‘a disputar a Presidência do Brasil, o Manoel Serra’ (não seria José Serra?!?). No primeiro dia recusei a sobremesa e disse que não podia engordar. Na saída, ele me pegou pelo braço e olhou nos meus olhos bem sério e disse: ‘A senhora não está gorda, pare com isto!’ Eu quase acreditei :-) Sua esposa, a Maria, vinha à mesa ao final da refeição e contava como fazia os pratos. Que borrego (cordeiro) maravilhoso… No segundo dia ela me convenceu a comer sobremesa, me levou atrás do balcão e me fez colocar a mão no Bolo Rançoso para ver como ainda estava quente, recém-saído do forno :-) E não me arrependi, que bolo divino… Se estiver em Évora, vale muuuito a pena ir a Alandroal e comer no A Maria.

O borrego (cordeiro) em apresentação super tradicional e ‘rústica’ no restaurante A Maria em Alandroal…

… E o borrego (cordeiro) em uma apresentação super moderna do restaurante Alma, em Lisboa.

Também comemos muito bem no Alma, em Lisboa, que foi uma indicação do @bronza, ‘amigo tuiteiro’. Confesso que ficamos surpresos no início, pois o Alma não tinha aquele ambiente ‘legítimo português’ – sendo o tipo de restaurante que, depois que você entra, poderia estar em Lisboa, Nova York ou São Paulo (atentem para a luminária – que fica girando e parece uma nuvem de verdade). Mas a cozinha do conceituado chef português Henrique Sá Pessoa é uma interpretação moderna da tradicional cozinha portuguesa. Há vários menus-degustação legais, mas quisemos escolher os pratos um a um. Além do borrego ‘moderníssimo’ da foto acima, comemos entradinhas deliciosas e um bom polvo; e uma das sobremesas da noite entrou na lista das melhores da viagem, o arroz doce perfumado com baunilha, creme de pera e raspas de chocolate negro. O vinho Alento, que tomamos no Alma, foi uma das grandes (e boas) ‘enosurpresas’ da viagem.

O outro restaurante digno de nota da viagem foi O Alcaide, na cidade de Óbidos. Também um restaurante familiar, o dono entendia muitíssimo de vinhos e tinha uma carta de vinhos enorme, que além dos rótulos vinha recheada de poemas e ditados sobre a bebida :-) A indicação do vinho, safra de 2003, foi a dedo e agradou muito. Aqui comemos o melhor prato da viagem, um fantástico polvo a lagareiro. O bacalhau recheado com queijo da Serra e acompanhado de maçãs e castanhas assadas estava divino também. O único senão do lugar foi a falta de boas sobremesas portuguesas.

PAUSA PARA UM CAFÉ

A MELHOR hora do dia. Os portugueses páram (e nós também parávamos) para o café com um docinho à tarde. O café quase sempre é excelente, bem tirado e ‘farto’, e não é tão caro como em outros países da Europa (cortava o coração tomar um espresso na Itália, às vezes ‘um dedo’ de café por 4 euros!). Bons segredos para aproveitar os melhores doces: primeiro, pastelaria cheia – onde há rotatividade e os doces são mais fresquinhos (e não dá para fazer como em Ribeirão Preto, onde a atendente da padaria avisa que aquele doce é do dia anterior…) e segundo, escolher o doce mais típico do lugar – geralmente mais fresco ainda.

A Pastelaria Conventual Pão de Rala (R Cicioso 47, tel. +351 266 707 778) em Évora foi uma das primeiras doces surpresas. Lugar bem escondidinho e fora de mão, mas uma jóia. O doce típico da região, o Pão de Rala (pão recheado com amêndoas e doce de gila, espécie de abóbora) e o Mel e Nozes (bolo de panquecas recheado de creme de ovos com mel e nozes) tinham acabado de sair do forno e estavam divinos.

Fiquei pensando neste nome tão diferente, ‘pão de rala’, que não tem a ver com nenhum dos ingredientes envolvidos na sua receita. E me veio à cabeça que talvez este nome possa ter origem no pão challah, considerando que o Alentejo abrigou uma grande população judaica, ali instalada desde o período da ocupação muçulmana. Quem sabe meus ‘amigos tuiteiros’ professores de gastronomia @aureateodoro, @BergamoM e @Gourmandise ou as amigas portuguesas do Facebook – Ameixa, Alcina e Helena – possam trazer uma luz ao tema :-)

Os travesseiros de Sintra e os pastéis de Cruz Alta, junto com os pastéis e as queijadinhas de Sintra, também ficaram entre os melhores doces, na divina pastelaria Café A Piriquita (Rua das Padarias, 1, tel. + 351 219 230 626) em Sintra.

Last but not least, os melhores pastéis de nata de Portugal, na pastelaria Pastéis de Belém, ao lado do Mosteiro dos Jerônimos em Lisboa. Estes pastéis agradam tanto os ‘locais’ como os turistas e são bem famosos, pelo que o lugar está sempre muito cheio. A melhor hora é pela manhã, bem cedo, quando os turistas ainda não chegaram e os ‘locais’ estão tomando seu primeiro café com pastel de nata do dia. Depois, mais tarde, tem que ter paciência para enfrentar fila e empurra-empurra. Mas compensa, e muito. Estávamos ‘trucando’ que aquele pastel de nata seria melhor do que outros que comemos. Pois ele é! Fresquíssimo, massa folhada fininha e crocante, recheio quente e saboroso, doce na medida certa. Vale a pena.

E o ranking completo da viagem a Portugal…

Melhores restaurantes:
A Maria, em Alandroal
O Alcaide, em Óbidos
Alma, em Lisboa

Melhores pratos:
Borrego assado com batatas d’A Maria
Polvo a Lagareiro d’O Alcaide
Leitão assado a moda de Covões no Martinho da Arcada de Lisboa

Melhores sobremesas:
Manjar das Chagas do restaurante da Pousada D. João IV em Vila Viçosa
Bolo Rançoso d’A Maria em Alandroal
Arroz doce perfumado com baunilha, creme de pera e raspas de chocolate negro do Alma em Lisboa

Melhores doces:
Pastel de Nata do Pastéis de Belém em Lisboa
Pão de Rala da Pastelaria Conventual Pão de Rala em Évora
Travesseiros de Sintra d’A Periquita em Sintra

Melhores vinhos tintos:
Cartuxa Reserva 2006
Pera Manca 2005
Alento Luis Louro 2006
Quinta dos Roques Reserva 2007
Quinta do Portal 2003

Melhores vinhos brancos:
Pera Manca 2007
Esporão Private Selection 2008
Fournier Père & Fils Sancerre 2007

Compartilhar/Favoritos