Passamos um final de semana prolongado no Rio de Janeiro por conta do  Seminário Viajosfera, que reuniu blogueiros e simpatizantes do segmento de blogs de viagem e correlatos.

Em princípio minha ideia era falar sobre as delícias do Leblon e os melhores lugares para tomar um sorvete, comer um doce ou um chocolate. Mas   as incursões iniciais na Kurt Confeitaria e na Pavelka não me empolgaram. Na Kurt achei as tortas bastante doces e o que mais me agradou foi mesmo o financier que vem com o cafezinho. Tão bom que levei uma caixa deles comigo.  Na Pavelka não consegui sequer terminar o tão recomendado mil folhas, super maçudo, com um creme pesado e que lembrava muita manteiga e nada de baunilha. Tomei um sorvete apenas bom na Mil Frutas e não tive tempo de provar os chocolates da Cacau Noir indicados pela Constance nem de visitar e me esbaldar nos chocolates da Beth.

Ou seja, o post das delícias doces do Leblon virou um post de almoço, jantar e botecagem. Todos muito bem sucedidos.

Almoço no RS

Almoçar na sexta-feira no RS é uma boa pedida para quem tem vontade de provar as delícias da Roberta Sudbrack e não tem tempo e nem bolso para aproveitar os menus de degustação do jantar. Às sextas, único dia da semana em que o restaurante abre para o almoço, a Roberta serve um menu executivo super caprichado e sempre composto de pãozinho com manteiga, uma entradinha, uma salada, um prato e uma sobremesa. Há sempre duas opções de cada.

Tive a sorte de sentar-me ao lado de uma amiga que divide pratos :-D e pude provar ambas as opções de cada prato. Assim, experimentei o famoso tartare de abóbora, composto de pedacinhos de abóbora curtida em um tempero com ar oriental e o toque super crocante das sementes de abóbora, uma delícia mesmo.  Também gostei muito da salada de abóbora assada, com pedaços de abóbora macios por dentro e crocantes por fora, também realçada pelas sementes assadas, maravilhosa. Deliciosa overdose de abóbora :-D

No prato principal fiquei com o clássico picadinho do Palácio da Alvorada (filé na ponta da faca, farofa de cenoura, banana à milanesa, ovo caipira poché e arroz). Ambas as sobremesas estavam muito gostosas, o sorvete de figo de Valinhos e o mil folhas, com uma massa etérea e um creme pontilhado de sementes de baunilha, diria que dos melhores que já comi na vida.  O vinho da casa em taça é bom e acompanha bem o almoço. Para quem pedir o café, uma colher do reverenciado brigadeiro para fechar com chave de ouro a refeição. Sim, uso e abuso dos clichês para falar de comida. É a emoção :-)

Leia mais sobre a Roberta Sudbrack no Pra Quem Quiser me Visitar da Constance, no Gastrolândia da Ailin Aleixo e no DCPV do Edu Luz.

Jantar no Bazzar

Jantamos muito bem no Bazzar, lugar gostoso, moderninho mas tranquilo, com serviço atencioso e gentil. No Bazzar (que apenas rivaliza com o Chef Vivi neste quesito) comi os melhores pãezinhos de couvert dos últimos tempos.  Não dá para perder o pão de limão e o pão de passas e mel, que vêm quentinhos estalando do forno para a mesa, acompanhados de manteiga e de dois azeites temperados na casa. Escolhemos dois tapas para começar, os bolinhos de carne seca e abóbora com molho barbecue e as lascas de bacalhau acompanhadas de molho de coentro, molho de azeitona preta e um outro molho semelhante a uma mostarda de Cremona. Os bolinhos estavam deliciosos, perfeitos. O cordeiro de prato principal estava gostoso e só a sobremesa não me encantou. Há boas opções na carta de vinhos, bem completa.

Botecagem no Aconchego Carioca

Fazia muito tempo que eu queria ir ao Aconchego Carioca. Já tinha visto inúmeras fotos daqueles bolinhos e sonhava com eles :-) Pois fomos e com coragem esperamos nossa mesa por quase uma hora e meia, já que era pleno domingo na hora do almoço. O almoço virou happy hour e botecagem, mas foi inesquecível. Lugar super gostoso, decoração rústica mas caprichada, um jardim bonitinho, redes penduradas no teto, tudo simples e aconchegante, como diz o nome. Como estávamos em 8 pessoas, deu para provar um  pouco de tudo e valeu a pena. Meus preferidos foram os bolinhos de feijoada recheados com couve e bacon, os bolinhos de abóbora com carne seca e o jiló com queijo de cabra. Mas também gostei bastante dos bolinhos de feijão branco com rabada, os de aipim com bobó de camarão e as almofadinhas de tapioca. Tudo acompanhado de boas caipirinhas.

Depois dividimos um bobó de camarão e um escondidinho de camarão, dos quais estava melhor o bobó. Mas se quiser ficar apenas nos aperitivos e nas sobremesas, vale muito. Pedimos o  pudim de tapioca com cachaça, que estava divino, e os famosos palitos de queijo coalho com goiabada Zélia, muito bons também. Foi tão bom que ficamos com gostinho de quero mais!

Leia mais sobre o Aconchego Carioca no Viaje na Viagem do Riq Freire e no Pra Quem Quiser me Visitar da Constance. 

Agora, é partir para a dieta :-)

 

Compartilhar/Favoritos

Muito se falou em comida de rua no ano passado por aqui, principalmente depois de São Paulo ter (des)organizado o evento Chefs na Rua durante  a 8ª edição da Virada Cultural da cidade de São Paulo. O evento, no qual 22 chefs de cozinha se propuseram a cozinhar comida bacana e barata em barraquinhas na rua, para o deleite da população paulistana, teve tantos problemas de logística que o caldo – ou a galinhada – literalmente entornou.

Mas em Chicago, ao contrário do aconteceu em São Paulo,  o prato foi muito bem servido. Em um evento chamado Taste of Chicago, no qual estivemos na sua edição 2012, que aconteceu em julho passado na cidade. Seguindo uma dica quente da Nat do delicioso  Sundaycooks, fomos conferir o maior festival de comidas em local público do mundo.

No Taste of Chicago, que dura cinco dias, restaurantes da cidade montam suas barracas de rua e oferecem aos moradores e visitantes uma forma fácil e barata de provarem suas comidas e as especialidades de grandes chefs da cidade.  Estavam lá na edição de 2012, por exemplo,  a famosa deep pizza do Bacino’s e os deliciosos cheesecakes do Eli’s.

As barracas das comidas são armadas ao longo de uma rua dentro do Grant Park, que fica em uma região central da cidade. Além da facilidade de acesso, os visitantes podem usar a estrutura de banheiros e áreas de descanso e lazer do parque.  No Taste of  Chicago, além das barracas de comidas, há um palco para pequenos shows que acontecem diariamente, um jardim com um wine bar, locais com bancos e mesas de madeira ou cimento e gramado para quem quiser fazer piquenique. Há áreas de alimentação perto de parquinhos e espaços de lazer para a criançada brincar enquanto os pais se deliciam com as comidas. O mapa do evento dá uma boa ideia da organização do festival.

Outro ponto interessante é a forma de pagamento, cópia do sistema eficiente das nossas quermesses do interior. As barracas não aceitam dinheiro. Os participantes precisam comprar fichas, que são usadas para fazer o pagamento das comidas e bebidas nas barracas, facilitando o troco e evitando que as pessoas que servem nas barracas manuseiem dinheiro. No evento, um bloco com uma dúzia de fichas saía por US$8 (ou por US$7 para quem comprasse antecipadamente). Os pratos maiores  custavam em torno de 9 ou 10 fichas, os acompanhamentos saíam por 6 ou 7 fichas e os refrigerantes por 4 fichas. Outra ideia muito bacana: quase todas as barracas vendiam taste portions, ou seja, pequenas porções apenas para degustação, o que permitia às pessoas provarem uma variedade maior de comidinhas. Estas porções de degustação saíam, em média, por 2 ou 3 fichas.

Durante o festival são servidos mais de 300 itens dos menus de mais de 70 restaurantes, que oferecem não só tradicionais comidas  americanas como de vários países, representados por seus restaurantes típicos. Assim, era possível provar de um bom hambúrguer a um goat biryani (carne de bode com arroz, açafrão e especiarias) =P

Quem tiver oportunidade, vale a pena dar um pulo no Taste of Chicago.

E que tal um festival  Sabor de São Paulo? :-D

 

Sou fã número um desta cidade organizada, charmosa (sim, acredite!) e cheia de atrações culturais, gastronômicas e musicais, entre outras. Dá para ficar dias passeando em Chicago e ainda vai faltar tempo para ver tudo.  Desta vez, uma rápida passada pela cidade rendeu programas gastronômicos em dose dupla, ótimos para gourmets e outros viajantes.

Dois lugares bacanas para almoçar em Chicago

Uma dica no Twitter nos levou ao Epic Burger. Não me lembro mais de quem foi a dica, mas estou aqui agradecendo até hoje :-)  Com cara de lanchonete do tipo McDonald’s à primeira vista, o Epic Burger serve um hambúrguer de muito respeito, feito com ingredientes naturais, orgânicos e frescos, produzidos diariamente. Com um endereço a poucas quadras do The Art Institute of Chicago e outros dois endereços bem próximos da Michigan Avenue, não tem desculpa para dar uma parada e almoçar bem, rápido e barato aqui.

Outro almoço delícia, que não é exclusividade de Chicago mas é sempre certeiro:  The Cheesecake Factory. Ótimos hamburgueres, boas saladas, pratos variados e, claro, os mundialmente famosos cheesecakes de sobremesa. Difícil escolher um só. Localizado no térreo do prédio John Hancock Center, na própria Michigan Avenue, fica fácil para dar uma paradinha e se deliciar.

Dois lugares deliciosos para jantar em Chicago

Fomos bastante felizes nas escolhas de restaurantes para jantar em Chicago. As dicas vieram da Renata Antiquera do blog Paixão por Viagens e do chef paulistano @Cabertolazzi.

No Japonais, dica da Renata, comemos deliciosas e originais combinações de sushis e sashimis. O interessante, neste restaurante, é que são duas cozinhas diferentes, tocadas por dois chefs, uma de comidas frias e outra de comidas quentes. Ficamos só nas frias, mas adoraria voltar para provar da outra cozinha, já que fiquei de olho nos pedidos das mesas vizinhas… Quem nunca? :-D Dá para sentar dentro ou na varanda, onde é bem gostoso. Não deixe de provar o Spicy Tuna Tartar e o Bin Cho.

O Avec, dica do Bertolazzi, tem outra proposta. Restaurante bem pequeno,  não aceita reservas e os lugares são no balcão ou em mesas comunitárias. Mas vale muito a pena chegar bem cedo para poder sentar, já que lota facilmente. A focaccia com queijo taleggio, ricota e ervas é uma delícia. Muito boas também a burrata e as tâmaras recheadas com chorizo com bacon e molho de pimenta piquillo. A ideia aqui é pedir duas a três entradas e/ou pratos e dividir. Fomos a fundo nesta ideia e ofereci nossos pratos aos vizinhos de mesa, que estavam de olho :-) No fim, a mesa trocou vários pratos e também conversas super divertidas, foi uma noite especial.

 Duas lojas gourmet imperdíveis em Chicago

Conhecemos estas lojas da última vez que estivemos em Chicago. Ambas faziam parte do tour gastronômico Food Tasting and Cultural Tour organizado pelo Chicago Food Planet que fizemos. Mas estava louca para voltar para renovar meus estoques de delícias :-) Lojinhas diferentes, especiais e obrigatórias para quem gosta de comer e/ou cozinhar. E, melhor ainda, uma vizinha da outra.

A primeira delas, a Spice House, dá para sentir de longe. Sentir mesmo!  Já que o cheiro delicioso de especiarias fica no ar por alguns bons metros em volta da loja. As especiarias são todas importadas ou compradas diretamente por eles e vendidas a granel na loja. Assim, dá para escolher entre uma variedade de curries, de açúcares baunilhados, de canelas e de sais de várias partes do mundo. Também fabricam suas próprias misturas de temperos deliciosos. Assim há temperos especiais para carne, frango ou peixe, para saladas e para sopas. Comprei o melhor lemon pepper que já provei na vida aqui. Desta vez, levei dois novos: um chilli con carne seasoning perfumadíssimo e um tuscan seasoning para saladas super saboroso.

Ao lado, a Old Town Oil vende dois tipos de produtos apenas: azeites e vinagres balsâmicos. Porém, que azeites e acetos! Há uma variedade absurda de acetos aromatizados e envelhecidos e azeites aromatizados e de várias procedências. Melhor ainda: tudo em tanques de metal com uma torneirinha e copinhos ao lado, ou seja, disponíveis para os clientes provarem o quanto quiserem. Trouxe um aceto balsamico com tangerina que nem conto para vocês :-P

Na semana passada dei para vocês  minhas sugestões de lugares bacanas pra jantar em Nova York.

Hoje, as dicas são de duas blogueiras brasileiras locais. A primeira delas, a @Marcie14, tem um blog super charmoso onde fala das novidades que aparecem na cidade, desde novos restaurantes e exposições até histórias do cotidiano.  A segunda, a @Tanpereyra, é uma super gourmet e está por dentro das melhores novidades gastronômicas de Nova York, as quais ela publica também aqui.

Espero que gostem! Valeu meninas :-)

Com vocês, a Marcie Pellicano, do Abrindo o Bico.

“Em primeiro lugar, o L’Absinthe, francês.  Gosto do ambiente, da comida e do serviço.

Para depois do teatro/ballet, o Café ShunLee, para dim-sums muito gostosos.

E o Fiorello, para uma deliciosa comida italiana, num ambiente bem transado.

Em Tribeca, gosto muito do Pepolino.

Também em Tribeca, muito tradicional, cheio de gente transada, o Odeon.

Em Midtown, um italiano muito honesto e gostoso, Brio.

O Gramercy Tavern, sempre uma boa pedida.

O Locanda Verde, um dos restaurantes do Robert de Niro.

Um bom brunch, Serafina (embora eu não entenda, até hoje, essa coisa de brunch, viu?!)

E, para todas suas reservas de restaurantes, o Open Table.”

Com a palavra a Tania Pereyra, do Dulce Bee Life.

“Foi difícil escolher porque comer e cozinhar são meus passatempos prediletos. Mas nesses eu volto sempre. Aqui segue a minha lista.

Alice Tea’s Cup – casa de chá com tema da Alice no País das Maravilhas. Não é só para crianças, já que a comida é muito bem feita e os scones vem quentinhos e em sabores especiais de abóbora, morango com limão, presunto e queijo, queijo de cabra com manjericão, chocolate com caramelo salgado e o tradicional de buttermilk. Além de extensa carta de chás, tem sanduíches e quiches no almoço e serve café da manhã diariamente. Um bom pit stop pertinho da Blomingdale’s. Dois scones e uma bule de chá por US$12 é uma barganha, já que dá pra dividir. Tem 3 unidades em Manhattan (UES, UWS e Midtown).

Cascabel Taqueria – meu mexicano favorito, que fica pertinho da minha casa. Serve tacos mais modernos com de peixe com palmito, de camarão com feijão preto e carne assada com cebola crocante. O bolinho de caranguejo com milho vai perfeito com uma cerveja gelada. Ambiente bem casual com cervejas mexicanas e margaritas feitas com sucos naturais. Tem uma outra unidade no Upper West Side.

Sushi of Gari – esse também pertinho de casa, mas com uma estrela do Michelin e um dos melhores sushis de NY. Tem que fazer reserva e o ideal é sentar no balcão. O menu degustação tem um preço bem razoável de US$80 por pessoa e acho que comparando com os preços de São Paulo até que não assusta tanto. Os peixes vêm diretamente do Japão e os sushimen são todos made in Japan. Se o bolso estiver apertado tem menu a la carte. Tem 3 unidades em Manhattan (UES, UWS e Theater District).

A Voce – italiano moderno e menu sazonal da chefe Missy Robbins. Tem um menu degustação no almoço por US$24 com entrada, prato principal e sobremesa. Na unidade do Columbus Circle peça para sentar na janela e apreciar a vista do Central Park. A foccacia da cesta de pães é viciante. Quentinha com um toque de tomate e azeite pra “chuchar” o pão. Serviço super atencioso. No jantar os preços são mais altos, mas vale um jantar romântico com vista para as luzes de NY e um bom vinho italiano.

DBGB – cervejaria do chefe Daniel Boulud. Eu sou muito fã do trabalho dele em NY. Todas as suas casas têm comida e atendimento com qualidade sempre que visito. O charme do restaurante é a decoração com panelas doadas pelos seu amigos famosos – Alain Ducasse, Joel Robuchon, Eric Ripert, Thomas Keller entre outros. A comida correta com linguiças e salsichas artesanais, patês, terrines e hamburgueres de influência francesa, como o com barriga de porco confitada e queijo Morbier. Tem que deixar um espaço para a sobremesa. Sundaes artesanais e o famoso Baked Alaska.

Jing Fong  – Dim sum em Chinatown. O espaço não é aconchegante, parece um daqueles restaurantes de polenta com frango com um salão enorme. Mas o vai vem dos carrinhos, as garçonetes chinesas gritando para todo lado e o hábito chinês de dividir a mesa com desconhecidos só traz um certo charme e uma experiência tradicional. Mas já levei gente que amou e tem gente que não volta de jeito nenhum, como o meu marido. Serve pasteizinhos no vapor, fritos, de carne de porco, camarão, de vegetais e para os mais corajosos pés de galinha ou caramujos ensopados. Uma opção muito barata em Chinatown. Cada cestinha com 3 pastéis custa de US$3 – US$5. De sobremesa dê uma passadinha na Chinatown Ice Cream Factory com sabores exóticos de biscoito da sorte, gergelim preto, lichia, gengibre além dos tradicionais. Tudo feito com ingredientes naturais e a família inteira trabalhando atrás do balcão.

Brother’s Jimmy’s – churrasco típico do Sul dos Estados Unidos. Costelinhas de porco com molho barbeque, porco desfiado, frango frito crocante e os acompanhamentos típicos de mac&cheese, fritas de batata doce, milho cozido, feijão, quiabo frito. Não deve ser o melhor churrasco de NY, mas tem várias unidades em lugares mais centrais. Geralmente os restaurantes mais tradicionais ficam mais distantes no Brooklyn ou no Harlem.Tem um happy hour animado, mas é um bom restaurante pra ir com crianças com um ambiente bem casual.

Depois das dicas de lugares bacanas para almoçar em Nova York, vamos às dicas de lugares para jantar. A ideia aqui não é listar restaurantes estrelados e/ou super caros, mas  falar sobre lugares onde já fomos e nos quais nos sentimos bem, fomos bem atendidos e felizes em nossas escolhas de comida e vinho. E achamos o preço justo.

Duas observações importantes.

Procure sempre reservar seu restaurante, de preferência com antecedência. Este hábito, que começa a se tornar corriqueiro em São Paulo e em outras cidades brasileiras, é praticamente essencial em Nova York. Não é complicado. Dá para reservar nos próprios sites dos restaurantes, através do concierge nos hotéis que oferecem este serviço e, da maneira que eu acho mais prática, pelo site do Open Table. É fácil reservar e é fácil mudar ou cancelar a reserva se necessário.

Segundo, um conselho para os bebedores de vinho: cuidado com o copo. Em Nova York, não sei porque, o preço dos vinhos nos restaurantes têm um ágio bastante grande em relação aos preços nas lojas. Ou seja, tomar vinho vai encarecer consideravelmente sua refeição.

Abaixo, as minhas sugestões de turista de lugares para jantar em Nova York.  Semana que vem, as sugestões de duas blogueiras brasileiras moradoras da cidade. Fiquem de olho! :-)

O “bom, bonito e barato”:  Carmine’s

Adoro comer no Carmine’s, para mim um verdadeiro “bom, bonito e barato”.  Quase uma atração turística na cidade :-)  É verdade que ele é meio bagunçado, está sempre cheio e as porções são absolutamente gigantes. Mas por outro lado ele é perto dos teatros da Broadway, o serviço é ligeiro, a comida é boa e os preços melhores ainda. Vá com amigos, pois cada prato de massa aqui serve bem umas quatro pessoas. Recomendo as torradas com alho de entrada e o spaghetti com frutos do mar.

A pizzaria: Serafina

Gosto mais de ir ao endereço da Madison com a rua 79, lugar menor e mais tranqüilo, mas há outras filiais do Serafina na cidade, inclusive na Broadway perto dos teatros. Pizza boa, serviço atencioso, preços honestos.

 Para comer carne: Le Relais de Venise e Quality Meats

No Midtown East, o Relais de Venise é o endereço do tradicional entrecôte em Nova York. Bom para jantar com as crianças, já que o menu fixo de salada verde de entrada e entrecôte com fritas agrada a todos e os preços são razoáveis  para levar toda a família. Lugar simpático e com serviço atencioso. Bem servido, carne bem temperada, batatinhas fritas sequinhas. Nós gostamos e recomendamos.

Este foi dica dos meus amigos Jorge e Lena. No Midtown, próximo ao Central Park, o Quality Meats é um pouco mais transado e moderninho, com um ambiente cheio de bossas de design. Um lugar perfeito para comer os tradicionais cortes de carne norteamericanos, em uma apresentação mais gourmet.

O italiano: Maialino

Vou ficar só em um italiano por ora, pois outros restaurantes italianos dos quais  gosto estarão certamente  na lista da minha guru novaiorquina Marcie. :-) O Maialino fica no lindo e chique Gramercy Park Hotel, em uma vizinhança muito gostosa da cidade, próximo ao Gramercy Park. Uma trattoria sofisticada, com ambiente aconchegante, serviço super atencioso e antipastos e massas bem gostosos.

Os japoneses: Nobu e Sasabune

O Nobu tem preços pouco convidativos, mas entra aqui porque acho este restaurante a cara de Nova York. Logo na entrada, uma imponente parede de barris de sake sobre o bar dá o tom da decoração moderna do local. Eu adoro as invencionices do Nobu :-) Se seu bolso é apertado mas ficou com vontade, vá ao Nobu Next Door, onde tem um menu de almoço mais em conta e super legal também.

O Sasabune é um segredo bem guardado de Nova York, que foi dica dos meus amigos Jaques e Flávia, habitués. Um japonês pouco conhecido dos turistas, figura em listas dos melhores lugares para provar um menu degustação de sushis e sashimis na cidade. O velho esquema: o sushiman pergunta se você tem alguma restrição, e vai soltando aquelas porções fresquíssimas e deliciosas. Para os fãs de comida japonesa, imperdível.

Na região do Meatpacking: Pastis e Spice Market

Cada um em uma esquina, separados por um quarteirão, no buchicho do Meatpacking District. Para mim, dois lugares onde não tem erro comer, onde é sempre gostoso. O Pastis é um pouco mais barulhento, um “bistrozão” mesmo, ambiente animado e informal.

Mas gosto ainda mais do ambiente e da comida do Spice Market, restaurante do Jean-Georges Vongerichten, que tem um menu de pratos orientais diferente e delícia. Para mim, o melhor do pedaço.

O Buddakan, na mesma região, é bastante recomendado. Porém, nunca estive nele para opinar.

Para ir após o teatro: Bar Boulud

Mais uma dica do Jorge e da Lena, o Bar Boulud, que fica perto do Lincoln Center, é ótimo para um jantar pós-teatro. É pequeno, barulhento e tem um mesão comunitário além de poucas mesas, mas ainda assim vale a pena. Pratos com apresentação linda, tudo bem gostoso. Tem uma adega super bonita e completa e ótimos vinhos, mas aqui, neste caso, a conta vai certamente subir.

Os badalados: Minetta Tavern e  Casa Mono

Próximo a Washington Square, o Minetta Tavern é estrelado, mas está aqui porque achei o preço  justo frente à qualidade dos pratos. Restaurante dos mesmos donos do Balthazar e do Pastis, é para mim uma espécie de ICI Bistrô paulistano em Nova York. A comida é muito boa, há tradicionais pratos franceses e também excelentes carnes. Lota facilmente e precisa ser reservado com antecedência.

Nas vizinhanças da Union Square, o Casa Mono foi a melhor surpresa de nossa última viagem. Um lugar pequeno, escuro e apertado, mas aconchegante. Mais indicado para casais. Com uma trilha sonora das bandas inglesas dos anos 90 de fundo, comemos tapas absolutamente deliciosos. Boa e variada carta de vinhos também. Adoramos!

Aproveitem!

E não deixem de contribuir com as suas dicas :-D

Caros leitores,

Sei que estão acostumados com as postagens neste blog sempre às sextas-feiras. Pois hoje peço a atenção de vocês neste início de semana para uma pesquisa bastante importante.

A ABBV (Associação Brasileira de Blogs de Viagem), em conjunto com seus associados (inclusive este blog) e em parceria com a empresa de pesquisas Idealis, está realizando um estudo para:

  • mapear o perfil dos leitores de blogs de viagem no Brasil;
  • entender a importância dos blogs como fonte de informação durante o planejamento de uma viagem.

Existem diversas pesquisas que mostram que a Internet é um dos principais meios de consulta para busca de informações sobre viagens e destinos. Uma pesquisa feita pelo Ministério do Turismo em 2009, por exemplo, revela que 39% dos brasileiros que viajam regularmente usam a Internet para buscar informações na hora de planejar uma viagem. Sendo que agências de viagem, revistas, guias turísticos, jornais e televisão, somados, representam apenas 18,4%. Outra pesquisa, realizada pela Comscore, mostra um crescimento no Brasil em 42% do acesso à Internet para planejamento de viagem entre 2010 e 2011.

Mas como os blogs de viagem se inserem neste cenário? Esta é a resposta que estamos buscando. E você pode nos ajudar. Basta clicar no link abaixo e responder o questionário. É rapidinho, não vai tomar mais do que 5 minutos do seu tempo.
Pesquisa ABBV

Obrigada pela participação!

Semana passada, em um texto sobre o Daniel Piza,  comecei a falar sobre literatura de viagem. Que abrange desde os livros de viagem propriamente ditos, ou ‘diários de viagem’, que relatam percursos e jornadas – até os livros que nos levam a viajar por outras culturas.

Este tema de literatura de viagem foi também objeto de discussão em um grupo virtual de leitoras viajantes. E foi neste grupo que surgiu a ideia de fazermos uma blogagem coletiva sobre os cinco livros que marcaram nossa vida de leitoras. Aproveitando o tema, escolhi falar sobre os cinco ‘diários de viagem’ que mais me marcaram.

Que inspirem outros leitores viajantes :-)

CINCO LIVROS  DE VIAGEM QUE ME MARCARAM

AMYR KLINK – Cem dias entre céu e mar

Foi o primeiro diário de viagem que li, ainda adolescente. Amyr narra sua primeira travessia solitária a remo no Atlântico Sul, entre o Brasil e a África, realizada em 1984, uma jornada de 3.700 milhas e 100 dias pelo Atlântico.  O livro podia ser chato, mas Amyr descreve toda a preparação da viagem, seus sentimentos durante o planejamento, a emoção da partida e da chegada, as conversas com os objetos e animais que aparecem no seu caminho durante a travessia, com muita prosa e um quê de poesia. Cem dias entre céu e mar foi uma leitura bastante marcante na época em que o li, uma fase pós-adolescência e início de vida profissional na qual eu precisava de exemplos de foco, planejamento, trabalho duro e conquistas de objetivos e sonhos :-)

JON KRAKAUER – No ar rarefeito

Li quase todos os livros deste autor, que é certamente um dos meus prediletos. Adorei Onde os homens conquistam a glória e A bandeira do Paraíso. Mas foi No ar rarefeito – um relato de viagem da sua expedição ao Everest –  que me cativou. Krakauer foi contratado por uma revista para participar e depois escrever sobre uma expedição ao topo do Everest, com o propósito de fazer uma crítica à “comercialização” do turismo de aventura nos dias de hoje. Ele não chega ao topo, mas no trajeto presencia a morte de um alpinista, encontra muitos tipos interessantes e se depara com uma série de problemas, como o excesso de lixo deixado pelos turistas. Krakauer faz justamente um contraponto ao Klink, já que mostra pessoas que querem realizar um sonho e atingir uma meta, mas sem o planejamento e preparo necessários.  Acho sensacional como ele consegue intercalar os relatos e descrições com doses de aventura, suspense, visão crítica e sem preconceitos.

TIZIANO TERZANI – Um adivinho me disse

Escrito por um jornalista italiano que viveu na Ásia, o livro nasceu de uma visita que fez a um “adivinho”, que lhe recomenda não viajar de avião durante um ano de sua vida, que é 1993. Terzani então passa o ano todo viajando a pé, de barco, de ônibus, de carro e de trem por vários países asiáticos, entre eles Burma, Tailândia, Laos, Cambodia, Vietnam, China, Mongólia, Japão, Indonésia, Singapura e Malásia. As viagens mais lentas possibilitam a ele ter mais contato com a população dos lugares por anda passa e rende boas histórias. Ele, inclusive, faz da consulta a adivinhos um hábito durante toda a jornada. Tendo em vista as transformações sofridas neste pedaço de mundo nos últimos anos, imagino que várias das descrições dos países visitados estejam defasadas. Mas em geral ele dá uma ideia muito boa de como vivem os povos asiáticos nos países (naquela época, pelo menos) ainda pouco “contaminados” pelo mundo moderno e pela influência ocidental. Leitura muito bacana para quem pretende conhecer estes países.

HANS CHRISTIAN ANDERSEN – Travels

Sim, o escritor dinamarquês de livros infantis foi um viajante e escreveu textos interessantes sobre suas viagens, que foram reunidos em um livro chamado Travels (sem tradução em português). Uma dica da Marcie. Andersen conta sobre suas viagens pela Europa Ocidental e Oriental, passando pela França, Alemanha, Áustria, Itália, Grécia, Turquia, Romênia e Hungria, entre outros países, em uma época que viajar não era comum e nem fácil. O mais bacana no livro é tomar contato com a personalidade deste autor de histórias tão famosas e que cativam até hoje, como “A Pequena Sereia”, “A Princesa e a Ervilha” e o “O Patinho Feio”.  Andersen é uma figura, um tanto ingênuo e suscetível a críticas, por vezes cômico nas descrições e observações, por outras detalhista e ótimo cronista. Nas andanças pela Europa ele encontra grandes nomes das Artes (Heine, Liszt, Mendelssohn, Victor Hugo e Balzac, por exemplo), outros tantos tipos anônimos interessantes e visita uma série de lugares. É curioso perceber que os viajantes só mudam mesmo de época e de endereço :-)

JOSÉ SARAMAGO – A viagem do elefante

Este livro é diferente dos demais, porque não narra a viagem de uma ou mais pessoas, mas a jornada de um elefante de verdade mesmo :-) Foi o único livro de Saramago que li, e muita gente mais escolada nas leituras deste autor português acha este livro leve demais. Talvez seja por isto que gostei dele…  Saramago teve a ideia do livro quando, durante uma viagem a Áustria, entrou em um restaurante em  Salzburgo chamado ‘O Elefante’ e ouviu a história do elefante que cruzou a Europa, entre Lisboa e Viena, como um presente de casamento do rei de Portugal D. João III ao arquiduque austríaco Maximiliano II. Uma delícia de ler este livro, cheio das sutis ironias do Saramago, principalmente criticando a burocracia, o poder e os excessivos salamaleques e gastos de um governo.

Semana que vem, minha lista de desejos de outros ‘diários de viagem’ muito bacanas!

 

Participam desta blogagem coletiva:

Camila Navarro do Viaggiando

Helô Righetto do Básico e Necessário

Karine Fontes do  Caderninho da Tia Helo

Luciana Betenson do Rosmarino

Mari Campos do Pelo Mundo

Mo Gribel do Por Onde Andei

Renata Inforzato do Direto de Paris

Em grupos de discussão no Facebook, que reúnem pessoas que gostam  muito de ler e de viajar, surgiu o tema dos livros de viagem. Diria que são duas as categorias. A dos livros de viagem propriamente ditos, ou os diários de viagem, que relatam viagens, percursos, trilhas. E outra dos livros que nos levam a viajar por  culturas diferentes.  Como leitora e viajante contumaz, gosto muito dos dois tipos.

Pois esta primeira categoria de livros me lembrou muito do Daniel Piza, um cara sensacional que, infelizmente, foi embora muito cedo deste nosso mundo. Tenho muita saudade dos textos do Daniel, um cara extremamente culto e bastante maduro para a idade, que escrevia textos sempre muito ponderados.

Há um do Daniel, em especial, que tirei do jornal O Estado de S. Paulo e pendurei junto a outros textos queridos no meu mural no escritório. Este texto, do qual recortei sem querer a data, foi escrito por ocasião da Copa do Mundo na África do Sul em 2010 e chama-se O vento do mundo.

Como sempre, um baita texto do Daniel. Do qual divido com vocês algumas passagens.

“É uma expressão que li no jornalista H.L. Mencken, “to feel the wind of the world on your face”, quando falava da necessidade do jornalista e escritor  de ver as coisas por si próprio, de se mexer e viver experiências que não fazem parte de suas origens sociais e/ou geográficas.”

“…qualquer pessoa só terá a ganhar se sair do seu mundinho, abrindo a cabeça para outras realidades, ainda que incômodas. Somos condicionados de muitos modos pela criação que tivemos, o que significa que precisamos nos recriar para nos ver melhor, e nada como ter contato com outras classes e culturas para perceber os condicionamentos.”

“A boa narrativa de viagem não é escrita com facilidade. O escritor precisa vencer boa parte dos preconceitos e fazer um novo encontro entre a sua subjetividade e aquilo que objetivamente viu e viveu; precisa combinar o pessoal e o informativo, o ponto de vista e o desprendimento, a crônica e o ensaio.”

Daniel Piza, no texto, indica uma série de livros de viagem bacanas. São eles:

    • Ébano, de Riszard Kapuscinsky: “Kapuscinsky viajou décadas por quase todos os cantos da África, e essa coletânea é a melhor introdução ao seu trabalho.”
    • O Safári da Estrela Negra, de Paul Theroux: “Theroux conta uma viagem inacreditável que fez: desceu do Cairo até a Cidade do Cabo, nos mais variados meios de transporte, conversando sempre com os habitantes.”
    • Sir Richard Francis Burton, de Edward Rice: “biografia do explorador e erudito Sir Richard Francis Burton, uma narrativa poderosa de sua busca pela foz do Nilo e sua conversão ao islamismo”.
    • Arabian Sands, de William Thesinger: “Thesinger virou lenda com suas viagens e seu estilo; sua obra mais famosa, Arabian Sands, é estudada em todos os cursos do gênero”. (sem tradução para o português)
    • Journey without maps, relato de Graham Greene sobre a Libéria. (sem tradução para o português)
    • African Diary, de Bill Bryson. (sem tradução para o português)

Claro que estes livros foram para a minha loooonga lista de livros para ler. Paul Therox é bastante conhecido e já foi recomendado por muita gente. Bill Bryson é um escritor do qual já li outros livros e gosto muito.

Mas este assunto ainda rende muita conversa. Nas próximas semanas, uma lista compilada por mim e por amigos de bons livros de viagem. E, mais para frente, recomendações também de livros que viajam por outras culturas, tão bacanas para ler antes de ir para algum lugar.

Saudades, Daniel.

 

Ainda criança, já com alma de viajante e “mal-acostumada” pelos meus avós e meus pais a gostar de viajar, meu sonho era ter um globo terrestre. Ganhei um de aniversário e a brincadeira predileta era rodar o globo de olhos fechados e colocar o dedo em algum lugar dele:  era para lá que seria minha próxima viagem. Tive a sorte de me casar com outra alma viajante e aventureira, também um apaixonado por mapas, atlas, bandeiras e História. Dei de presente para o meu viajante, há alguns anos quando ele montou o escritório novo, um mapa-múndi de parede. Sabia que era algo que ele ia gostar.

Também, pudera: ter um mapa-múndi na parede é sonho de muitos viajantes.  Já pensou quantas viagens e quantas conversas vão surgir ao redor dele? E foi assim que outro dia esta conversa sobre mapas-múndi apareceu no Facebook, coincidentemente na mesma semana, em um grupo de viagens e em seguida em uma foto postada pela Carla Portilho, viajante de carteirinha e que tem um blog muito bacana, o Idas e Vindas.

Foi dando as ideias de mapas de parede para a Carla que resolvi dividi-las como todos vocês.

Os mapas são todos importados. Não achei, no Brasil, nenhum local que venda mapas de parede pronta-entrega. Se alguém souber, nos conte. Mesmo nos EUA, de onde são minhas sugestões, todos os mapas são vendidos somente pela internet. Para quem vai viajar, o ideal é encomendar seu mapa e pedir para entregar no hotel ou na casa de algum amigo que more lá. Ou achar alguém que se prontifique a trazer um tubo de papelão com seu mapa na mão :-)

Vale a pena anotar os endereços abaixo, pois são presentes bacanas e que não custam muito caro. A Amazon tem a melhor seleção de mapas-múndi de parede. Mas você também vai encontrá-los na Pottery Barn e na Wall Spirit, além de uma versão infantil na Toys “R” Us.

AMAZON

Aqui a Amazon indica os mapas de parede mais vendidos. Selecionamos os mais bacanas entre eles:

World Classic Wall Map

Versão mais recente do mapa geopolítico elaborado pelos cartógrafos da National Geographic. Tamanho aproximado: 110 x 76 cm. É um adesivo laminado, fácil de limpar e prático: dá para fazer anotações com canetas a base de água e limpar/apagar depois. Preço: US$24.99.

World Wall Map Deluxe Laminated (M Series Map of the World)

Mapa geopolítico elaborado pela tradicional editora especializada em mapas, atlas e livros didáticos Rand McNally. Indica as latitudes e longitudes e os nomes dos países e das principais cidades. É o maior deles. Tamanho aproximado: 127 x 81 cm. Também um adesivo laminado, fácil de limpar e prático. Preço: US$24.95.

World Executive Wall Map Laminated (World Maps) (National Geographic)

Outro mapa da National Geographic, só que este, em tons sépia, imita um mapa antigo. Tamanho aproximado: 116 x 76 cm. Também um adesivo laminado. Preço: US$24.99.

Illustrated Map of the World for Kids (Children’s World Map) (Wall Map, Laminated)

Muito bacana para crianças, este mapa vem com a superfície laminada e plastificada e permite que se escreva nele com caneta marcadora ou qualquer caneta a base de água. Vem com centenas de ilustrações de animais, monumentos históricos, navios e barcos; além de rios, montanhas e nomes de países e capitais. Da editora Akros. Tamanho aproximado: 100 x 70 cm. Preço: US$19.99.

POTTERY BARN

Jumbo World Map Mural

É um mapa topográfico e não geopolítico. São oito adesivos que unidos formam o mapa, gigante, que ocupa uma boa parede. O bacana deste mapa é que pode ser colocado de três formas diferentes na parede e assim enfatizar/centralizar as Américas, a Europa/África ou a Ásia. Também um adesivo laminado, fácil de limpar e prático. Preço: US$199. Tem preço em reais (bem salgado!), para entrega no Brasil: R$476,10.

TOYS “R” US

FAO Schwarz Big World Map

Mapa infantil, mas que não deixa de ter seu charme e de ser uma ideia bacana para dar de presente para crianças. Não é adesivo. Possui ganchos para pendurar na parede de forma fácil e pode ser transportado em uma malinha própria. Vem com 60 imãs para a criança brincar de “colar” nos lugares certos, com nomes de países, cidades e bichos. Tamanho aproximado: 180 x 120 cm. Preço: US$79.99.

WALL SPIRIT

Site especializado em adesivos, vende um mapa-múndi estilizado, só com os contornos, mais decorativo mesmo. Dá para escolher entre 30 cores diferentes e  tamanhos entre 60 x 30 cm e 238 x 120 cm. Se quiser, dá para enfeitar/marcar lugares no mapa com cristais Swarovski! Preços a partir de US $39,95.

Agora é só escolher o seu :-D

Em tempo: depois de publicado este post, a @Marcie14 me sugeriu incluir nele a Studio Decore, uma opção nacional de adesivos de mapa-múndi. O preço é um pouco mais salgado do que dos mapas mostrados acima, mas pode compensar para quem não tem a possibilidade de comprar fora e trazer para cá. Obrigada Marcie :-) A Mirelle Siqueira, do blog 13 Anos Depois…, também sugeriu a loja europeia Maps International, que vende online mapas lindíssimos. Confiram estas outras alternativas também!

 

Como já contei neste post, desta vez nosso tempo em Nova York era muito curto e tivemos que escolher entre as dezenas de opções de comidas de rua na cidade. Assim, ficamos com aquelas que estavam mais próximas do nosso hotel e aproveitamos um final de semana corrido para provar as delícias de alguns dos carrinhos da região.

No Midtown a meca da comida de rua é a Sexta Avenida, em especial as esquinas entre as ruas 43 e 56. Neste pedaço estão estacionados alguns dos carrinhos mais famosos da cidade.

Selecionei alguns entre os mais citados e/ou premiados pelo público nos últimos anos, seguindo indicações do Vendy Awards e de outros guias como o Yelp. Infelizmente, por ser pleno verão e época de férias na cidade, muitos carrinhos não estavam funcionando. Se puder escolher, vá em outra época.

Ficamos sem provar os previamente selecionados El Rey del Sabor,  Daisy May BBQ,  Jamaican Dutchy,  Hallo Berlin e   Carnegie John’s.

Mas conseguimos experimentar as delícias do Trini-Pak Boys, do Kwik Meal, do Byriani, do Moshe’s Falafel, do Kim’s Aunt Kitchen e, claro, do Famous Halal Guys.

Aproveitem e comam conosco :-)

TRINI-PAK BOYS

Comecei meu tour gastronômico de rua justamente na esquina direita da rua 43 com a Sexta Avenida, no carrinho dos Trini-Pak Boys. Os donos são um casal, ela de Trinidad & Tobago e ele do Paquistão. A mistura de cozinhas deu certo aqui. Escolhi o prato de resistência, o Pakistani chicken and rice plate, cujo molho de pimenta tem toques da cozinha de Trinidad, e adorei. Arroz basmati sequinho, frango desfiado e muito bem temperado por cima, um molho de iogurte campeão e um pouco de molho de pimenta. Preço:  US$ 4,00 por um prato que serve uma pessoa. Uma surpresa, não esperava tanta gustosura de tão pouca belezura.  Eles também têm alguns “especiais do dia”, que podem ser um curry ou um chicken tikka masala, que ficarão na vontade. É bom chegar cedo porque formam-se filas e as comidas acabam :-)

KWIK MEAL

Em seguida provei a comida do Kwik Meal, na esquina esquerda da rua 45 com a Sexta. Interessante que, aqui, são dois carrinhos com o mesmo nome, mas só no que está mais perto da esquina – e que coincidentemente tem mais filas – trabalha um chef  “de verdade”, que frequentou escolas de gastronomia e trabalhou no Russian Tea Room, o Mohammed Rahman, vindo de Bangladesh. Dá para sentir seu “grau de celebridade”, já que ele adora posar para as eventuais fotos dos gulosos na fila. Diz o chef do Kwik Meal que seu lamb gyro  não é feito com carne processada de cordeiro como no tradicional shawarma, mas com cubos de cordeiro marinados em um molho de iogurte com papaya verde, cominho e sementes de coentro, entre outros temperos. Provei o lamb gyro e estava mesmo muito bom, cordeiro bem macio e saboroso. Por US$ 9,00 um prato que serve duas pessoas.

BYRIANI

Na esquina seguinte, no mesmo ponto, fica o Byriani, especializado em comida indiana. O dono, Meru Sikder, também vindo de Bangladesh, foi cozinheiro no restaurante do hotel Hilton de New Jersey por oito anos e serve uma comida com ingredientes frescos e de qualidade, tentando replicar a comida de rua das cidades indianas. Eles são famosos pelos kati, que são uma espécie de “taco indiano” feito com pão chapati. Uma delícia mesmo, por US$ 4,00 cada.

 MOSHE’S FALAFEL E KIM’S AUNT KITCHEN

Atravessando a Sexta Avenida, do outro lado da rua 46, ficam o Moshe’s Falafel e o Kim’s Aunt Kitchen. O primeiro, como o próprio nome diz, especializado em falafel, estes deliciosos bolinhos fritos feitos com massa de grão de bico. Não tive coragem de provar o sanduichão gigante de pão pita recheado com salada e vários falafel e fui na mini porção de cinco unidades de falafel. Uma delícia. Crocantes, sequinhos, macios por dentro, acompanhados por um delicioso molho tahini, por apenas US$ 3,75.

Ao lado, o Kim’s Aunt Kitchen é um latino especializado em fish & chips :-)  Escolhi o linguado frito com batatas fritas e embora as batatinhas estivessem ótimas, o peixe estava um pouco encharcado de gordura. Uma pena, pois percebia-se que era peixe fresco mesmo. Preço: US$ 6,50 um prato que serve bem uma pessoa.

DICA:  Seguindo pela rua 46, quase chegando na Quinta Avenida, à direita tem uma praça com mesinhas, cadeira e bancos que é ótima para quem vai se aventurar na comida de rua e quer saboreá-la com um pouco mais de conforto.

 

53TH & 6 AVE E FAMOUS HALAL GUYS

 A jornada gastronômica terminou na provavelmente mais movimentada esquina da comida de rua novaiorquina, da Sexta Avenida com a rua 53. Na esquina do lado esquerdo, dois carrinhos. Um deles, o mais próximo da esquina e sem nome, é reconhecido pela boa comida e pelo slogan “Different. Tasty. Delicious.” Do lado direito, o carrinho de comida mais famoso da cidade, os chamados Famous Halal Guys.  As filas neste lugar são absolutamente gigantescas, mas a qualidade da comida é controversa. Há gente que não acha nada demais e outros que endeusam os pratos deste carrinho. Pesquisei a respeito e, na realidade, os verdadeiros Famous Halal Guys só ficam neste ponto após às 7 horas da noite. Antes, é outra turma que ocupa o mesmo pedaço.

Assim, como era de dia, resolvemos ficar com a comida do lado esqurdo da rua mesmo :-) Se a comida nesta esquina é melhor do que as dos outros locais não sei, mas que os caras são bons de marketing, isto são. Os cozinheiros/vendedores de rua mais simpáticos que encontramos.  Provamos o combo de chicken and lamb rice, que por US$ 6,00 servia bem uma pessoa. Era  gostoso.

Enquanto isto, a fila do outro lado para provar a comida dos “falsos” Halal Guys ia crescendo… :-D

 Do que gostei mais? Acho que do Trini-Pak, mas talvez por ter sido o primeiro, a surpresa que tirou o ranço de que comida de rua é sem graça e sem sabor. Mas também adorei os falafel crocantes, quentinhos e sequinhos do Moshe’s Falafel. E os cubos de cordeiro do Kwik Meal. E o pão macio e fresquíssimo do Byriani. 

Ùltimas recomendações para quem quer se aventurar neste mundo da comida de rua novaiorquina:

  • melhor ir acompanhado se quiser provar vários pratos ou a comida de vários carrinhos. Com raras exceções, as porções são bastante grandes.
  • leve dinheiro trocado para facilitar a vida deles – e a sua também.
  • cuidado com os molhos apimentados – os hot sauces – todos têm e eles são parte importantíssima do seu prato. Porém, peça sempre para colocarem só um pouco, ao lado do prato, pois os molhos são bem fortes e podem arruinar sua refeição.
  • bole uma estratégia prévia de onde vai comer, seja na praça na rua 46 ou mesmo em outro parque, e vá rápido para seu local de piquenique para a comida não esfriar :-)

 Aproveite. E venha me contar suas experiências depois!

 Semana passada teve post com sugestões de lugares bacanas para almoçar em Nova York. Entre restaurantes, mercados gourmet e fastfood, faltou contar para vocês das minhas recentes experiências com a comida de rua novaiorquina. Para começar, algumas informações úteis sobre o assunto.

Só para os fortes :-D

Costumo dizer que comida de rua é só para os fortes.  Isto porque é a comida “BB” –  boa e barata, mas nada bonita. Comer na rua normalmente significa comer ao ar livre e muitas vezes em pé ou sentado num canto ou banco de praça. E receber talheres e um prato de plástico ou isopor. Porém, para quem topa a parada, há um mundo de sabores incríveis e uma comida de alta qualidade por um preço bem justo.

Fazia tempo que eu queria provar as comidas de rua de Nova York, muito além dos onipresentes cachorros-quentes e pretzels das esquinas. E fui pesquisar a respeito. A comida de rua em Nova York, que tem até site exclusivo,  é tão respeitada que é objeto de resenhas em revistas e guias como o Zagat. Existe até mesmo um concurso para eleger as melhores comidas de rua, o Vendy Awards. E um app só para ela :-D

Food carts x food trucks

Há uma diferença entre os food carts e os food trucks. Os primeiros, mais tradicionais, são carrinhos relativamente pequenos que ficam estacionados em um mesmo ponto. Os food trucks, ou caminhões-restaurantes, normalmente estacionam em lugares diferentes a cada dia e oferecem uma estrutura e um menu mais elaborados. Hoje são uma febre, até por conta do reality show televisivo “The Great Food Truck Race”.

O que é halal food

Muita gente se pergunta o que é este termo, halal, que aparece em muitos dos carrinhos na cidade. Halal em árabe significa “permitido” ou “autorizado”. É o termo usado na religião islâmica para identificar as roupas, comidas, comportamentos e outros elementos que estão de acordo com os preceitos desta religião. É equivalente ao termo kosher da religião judaica. Em Nova York, os carrinhos de rua em sua maioria são halal e vendem comidas que respeitam os seguintes preceitos: sem carne de porco ou produtos derivados dela, sem carne de animais carnívoros, sem carne de animais mortos sem obedecer às regras corretas de abate, entre outros.

Onde comer

Há carrinhos de comida espalhados por toda Nova York. Alguns lugares, no entanto, concentram os carrinhos mais conceituados e que oferecem comida além dos simples cachorros-quentes e pretzels. Assim, há focos de comida de rua de qualidade em Downtown, no Midtown, no Queens e no Brooklin.

Como nosso tempo nesta última viagem era limitado, tivemos que reduzir nossas escolhas e decidimos provar as comidas de rua apenas no Midtown, em especial ao longo da Sexta Avenida, uma das mecas de comida de rua na cidade. Infelizmente, por ser verão e época de férias, muitos dos carrinhos que havíamos escolhido neste local não estavam abertos.

Também ficamos apenas com as comidas salgadas, deixando de fora com dor no coração o Wafels and Dinges e o Big Gay Ice Cream. Por fim, também ficaram para outra oportunidade lugares reconhecidos e recomendados que ficavam longe do Midtown: o Sigmund’s Pretzels na frente do Metropolitan, que estava fechado, sobre o qual a @AilinAleixo falou aqui; o Rafiq’s, indicação da @MaBibas e os food trucks recomendados pela @tanpereyra.

Mas ainda assim provamos muita coisa boa! Semana que vem tem mais :-)

Sempre reluto em fazer posts com indicações de restaurantes. Porque eles abrem e fecham, entram e saem de moda, melhoram e pioram. E assim fica difícil fazer um post que seja mais atemporal, como eu gosto. Abri honrosas exceções para Buenos Aires e abrirei também para Nova York, já que muita gente me pede indicações de lugares para comer nesta cidade.

Assim, resolvi fazer um apanhado de sugestões para almoçar e para jantar. O post de hoje é da hora do almoço.  Sugestões variadas, que caibam em diversos gostos e bolsos também. Lugares visitados por mim e por amigos que foram à cidade.

Aproveitem!

RESTAURANTES

Estas sugestões são para aqueles que não abrem mão de sentar e almoçar com mais calma ~$$ ~, descansando da correria do dia em Nova York.  O Balthazar, no Soho, não tem erro.  O ambiente é agradável e é sempre gostoso para comer uma salada ou um prato rápido. Gosto especialmente de pedir o steak tartar. Outra boa opção no bairro é o Le Pain Quotidien, com sanduíches e pratos rápidos feitos com ingredientes orgânicos e super frescos.

Um lugar gostoso vizinho ao Soho para comer uma boa massa e de sobremesa provar o melhor cheesecake / ricotta tart que já comi na vida é o Pepolino. Conheci este restaurante através da @Marcie14 e quase sempre que vou a Nova York gosto de voltar lá por esta sobremesa divina. Gostei tanto dela que fiz até a minha versão da receita em casa, publicada aqui. :-) Para um bom hambúrguer ou outro prato de carne na mesma vizinhança, fique com o Blue Ribbon, um favorito local.

Nas vizinhanças, no Lower East Side, a tradicional Kat’z Deli onde Harry encontrou Sally :-) Peça o sanduíche de pastrami, clássico.

Mais para cima, na região da Union Square, dois outros lugares onde não tem erro comer: o Union Square Cafe e o Blue Water Grill, gostoso para comer peixes e frutos do mar.  São ótimos lugares para jantar, também.

Chegando a Times Square, os restaurantes que mais agradam às crianças: o Hard Rock Cafe e o Planet Hollywood.

Quase no Central Park, dois museus bacanas têm bons restaurantes para almoçar. O primeiro deles, o The Modern, fica no MoMA e é bonito, gostoso e caro.  O segundo, o Robert, fica no Museum of Arts and Design e é um achado da @carmemsil e da @anamdo, com sua vista para o Central Park e um menu executivo que fica abaixo dos 30 dólares.

No Uptown, um lugar muito bacana que também conheci através da @Marcie14, o E.A.T.  Uma mistura de mercadinho gourmet com restaurante, pouco frequentado por turistas, tem várias opções de sopas, saladas e sanduíches, tudo caprichado e gostoso. E, de lambuja, você pode encontrar o Paul McCartney almoçando do seu lado, como foi o nosso caso :-D

MERCADOS GOURMET

Já falei destes dois mercados neste post, mas eles aparecem aqui porque são uma tremenda alternativa para quem não quer gastar muito em um restaurante, mas ainda quer comer  muuuuuito bem e, de quebra, visitar banquinhas de comidas e produtos gourmet variados. O primeiro deles, já bem conhecido dos brasileiros que vão a Nova York, é o Eataly. Mistura de mercado, feira e restaurante, é uma delícia passear e comer neste lugar. Há uma variedade grande de ofertas e a comida é muito gostosa, feita com os ingredientes à venda nas barraquinhas do local. Outro lugar para comer bem é o Plaza Food Hall. Escondido no subsolo do Plaza Hotel na beira do Central Park, é uma grande ‘praça de alimentação chique’, onde é possível comer de sushi a hambúrguer, passando por ostras frescas e massas. Ao lado, diversas banquinhas de doces divinos. Vale a experiência de comer pelo menos uma vez em um destes lugares.

FASTFOOD

Existe ‘vida inteligente’ nos fastfoods de Nova York: o Così.  De Downtown a Midtown, há diversas unidades deste local gostoso e charmoso. Para mim, o melhor fastfood da cidade. As saladas são uma delícia e ótima pedida para um dia de calor e pressa. Prove a Signature Salad, minha predileta, com folhas verdes, uva, pera, cranberries secas, pistaches e gorgonzola, acompanhada de vinagrete de sherry.

Mistura de fastfood com comida de rua, outro muito bom é o Shake Shack. Com alguns endereços espalhados na cidade, mesmo com poucas mesas geralmente ao ar livre, vale a pena tentar provar um dos hambúrgueres mais aclamados pelo público.

STREET FOOD

Costumo dizer que comer na rua, não só em Nova York como em outros lugares, é só para os fortes :-) Isto porque a comida geralmente vem numa embalagem plástica nada atraente, dificilmente você vai encontrar um lugar para sentar com conforto e apreciar seu prato. Ou seja, é ideal para quem não liga para estes ~pequenos ~ detalhes e vai comer comida de qualidade por um preço muuuuito bom. Tanto nos caminhões – food trucks – como nos carrinhos de rua – food carts – há inúmeras surpresas agradáveis. Testei alguns food carts famosos e tradicionais no Midtown nesta última viagem. Semana que vem, conto mais para vocês sobre esta experiência :-)

E as suas sugestões para almoçar em Nova York, quais são?

 

< 2 3 4 5 6 7 8 >