Conversávamos no Twitter sobre intercâmbio de receitas. E a @DanielaAF contou um caso ótimo. Na sala de espera do consultório da terapeuta ofereciam sempre café com um pedaço de pamonha de forno. Um dia ela pediu a receita para a secretária. E a fofa disse que não dava porque a receita ‘era só dela’ 😉

Quem nunca passou por isto? Mais comum ainda são aqueles que não querem dar a receita, mas não conseguem ser tão sinceros. Faz uns meses pedi uma receita e a pessoa me enrolou, fingiu que não ouviu, prometeu, não cumpriu. Enfim, estou esperando a receita até hoje rsrs…

Acho engraçado quem não dá receita. Cozinhar não é uma ciência exata e receitas iguais dificilmente resultam em pratos idênticos. Cada um tem uma mão diferente, os equipamentos de cozinha e a qualidade dos ingredientes também variam muito. E vamos combinar que o mundo está aí no Google dentro do nosso computador né? E que trocar receitas é um hábito saudável de dar e receber!

Claro que há casos e casos. Entendo perfeitamente que alguém que comercializa um determinado produto não queira divulgar sua receita. Ou alguém que dá uma aula de cozinha para ensinar um prato não queira passar esta receita para frente de qualquer jeito. São honrosas exceções. Há outros motivos para receitas não serem divulgadas, embora sejam compartilhadas. Uma vez pedi para a @cozinhadeideias uma receita de um pudim de castanhas, que era segredo de família. Ela me respondeu: “Oi Lu! Segue a receitinha, mega de família, do caderno mais amarelado de todos! Só queria te pedir pra não divulgar porque apesar de ridiculamente fácil, é uma coisa de valor afetivo mesmo e quem sabe ainda publico um livro de receitas, né? Espero que você goste! Depois me conte. Bjs”. Não foi de uma delicadeza ímpar? 🙂

Tenho o maior prazer em dividir receitas com quem gosta de cozinhar e fico feliz quando alguém me conta que fez uma receita ‘minha’ e gostou. Só implico mesmo quando as receitas são divulgadas com texto e fotos minhas. E sem mencionar meu nome. Aí fica feio não?

E a pamonha de forno é para a Dani.

Pamonha de forno

4 xíc (chá) de milho verde fresco
1 ½ xíc (chá) de açúcar
2 xíc (chá) de leite
2 ovos
4 col (sopa) de maisena
1 col (sopa) de fermento
50 g de manteiga
1 pitada de sal

Pré-aquecer o forno a 160ºC. Untar uma forma quadrada ou retangular média. Bater todos os ingredientes no liquidificador. Despejar a massa na forma e levar para assar por 45 minutos.

Share
19 Comentários
  1. Ih, Lu, eu sou meio parcial com isso de dividir receita. Tem algumas que eu me esgoelei para aprimorar, e dá meio que dó de simplesmente entregar o ouro, assim, sem mais. Tipo de coisa que acabo meio que "escolhendo" pra quem vou repassar, porque quero que seja apreciado, e não vá parar no Cybercook. Uma que me pedem sempre e não repasso é o Apfelstrudel da avó do Allex. A vez em que ela me ensinou a abrir a massa foi a última vez em que preparou o doce antes de morrer; a receita é de família e só eu e a minha cunhada que preparamos (o resto não se aventura ou não conseguiu fazer direito). Então dá um ciuminho mesmo, uma sensação de segredo, de coisa sagrada, que não se coloca em blog… pra ir parar no Cybercook. 😉 hehehe…

    Adorei a pamonha. Vou ver se arranjo milho orgânico pra preparar! 😀

    Bj

  2. Lu,

    Que carinho de sua parte dedicar esse post à Dani…
    Eu sou alucinada por doces que levam milho fresco – e jamais esqueço das pamonhas que minha avó fazia, costurando as palhas na máquina de costura… Ahhhh… que saudades!!
    E eu tenho na minha vida, nunca, nunca deixar de dividir com as pessoas, o que aprendi.
    Porque alegar "exclusividade" de uma receita é no mínimo, uma grande bobagem.

    Parabéns, seu Blog é lindo e delicioso!!!
    Beijo carinhoso
    Lena

  3. Ana, é isto mesmo, acho que há uma diferença entre compartilhar receitas de família e divulgá-las a torto e a direito. São coisas muito diferentes 😉

    Lena, obrigada, eu sou uma das grandes beneficiadas da sua generosidade em compartilhar receitas, já fiz cada bolo bom seu rsrs… 😉

  4. Há aqueles que não dão as receitas, há os outros que usam as receitas de outros como se fossem suas e há os que se acham no direito de fazer o que lhes dá na real gana sem respeito pelo trabalho dos outros. Imoralidade é uma coisa triste mas essa pamonha fez-me sorrir 🙂

  5. Lu querida,

    Que gentileza sua lembrar desse email!!

    Já sofri com concorrentes se apropriando de receitas minhas mas ó, sublimei. O que é do homem bicho não come.

    Agora uma coisa que me irrita muito é abrir as revistas especializadas e só de ler a receita já saber que não vai dar certo. A gente que cozinha percebe logo que não quiseram entregar o pulo do gato. Por que então aceitam participar das matérias? Muito feio isso…

    Beijo grande pra vc, Lu! Sou sua fãzona!

  6. Concordo com você, Lu. Mas temos várias receitas de familia que guardamos muito bem. Mas é por puro egoismo mesmo. Para não dividir algo tão maravilhoso. É o caso de um incrível tortei que minha irmã e eu passamos anos vendo e aprendendo,até dominar com perfeição o sabor. Há um pequeno segredo na receita que jamais vi em outras receitas de tortei, que faz dela singular. Mas acho que para você sou capaz de dar a receita do nosso tortei.
    Henrique Brandão
    @ikegalli

  7. Obrigada Ameixinha 🙂

    Ana, obrigada, eu que sou sua fã menina!!

    Ike, eu quero sim esta receita de tortei, socorro, me deu muita vontade agora 😉

    Beijos!

  8. Acho engraçado esse negócio de não dar receita. E isso é muito confundido com não TER receita. Explico: eu faço molhos com base de iogurte pra salada. Cada vez sai de um jeito, com os ingredientes que eu tiver a mão na hora. Daí, quando alguém pergunta e eu digo "a base é iogurte e maionese de leite, o resto é o que você quiser", nêgo fica chateado comigo. Não é que eu não queira dividir, é que não existe MESMO uma receita. Sabe o que eu acho? Que as pessoas gostam mesmo é de encher o saco! =P

  9. Uh! E vou fazer essa pamonha no fim de semana, hein? Tá LINDA!

  10. Pois é quem não passou por isso 🙂 eu tenho uma cunhada que não me dá e faz tudo para eu sair da cozinha quando faz alguma coisa diferente, a pena é que meu olho clinico topa tudo hehe eu adoro partilhar receitas, desde bem novinha e adoro que me ensinem algo novo 🙂
    Gostei dessa pamonha, sabe que fiquei com pena quando fui ao brasil e não provei, é que faz parte dos nossos conhecimentos por aqui, pelas novelas e sempre tive curiosidade de saber o que era 🙂
    bjs

  11. Mayra, me dá sua receita de molho de salada de iogurte?? 😉

    Alcina, a pamonha 'clássica' é uma delícia! Só que muito trabalhosa, porque a massa é cozida dentro da palha do milho, amarradinha. Esta é um jeito mais fácil de matar a vontade de comer pamonha. Bjs!

  12. Bati palmas, Lu!
    Beijos!

  13. Luciana,
    Sou a Jô, mãe da Marina do Confissões de uma Doceira Amadora.
    Me identifiquei totalmente com teu blog! Também falei das minhas avós, acredito completamente no respeito à diversidade e transformo minhas viagens em turismo gastronômico. Voltarei sempre,
    http://arteamiga.wordpress.com/2010/09/22/primavera-em-flor/
    http://arteamiga.wordpress.com/2010/09/29/em-flor-madeira/
    BJô

  14. Luciana,
    amei seu blog!
    Que bom que você gostou do post da minha mãe! Veja o blog dela tb! Tem o link no post!

    Meu deus, o que é essa pamonha!? Nunca fui fã, mas depois dessa receita acho que vou mudar de ideia…
    Sobre dividir receitas eu tb acho que tem situações e situações… Especialmente hoje em dia com internet, que várias coisas que eu faço vem dali, gosto muito de compartilhar! Mas tem algumas, que eu inventei, que me doem passar pra qualquer um. Passo só pra "quem merece"! Hehe!
    E uma gentileza que é típica das mulheres da minha família: se alguém te passa uma receita, sempre anote no caderno com o nome da pessoa! Por exemplo, Pamonha da Luciana. Assim você sempre pode dar o crédito a quem merece!
    beijo,
    Marina

  15. Lu, eu não como pamonha HÁ SÉCULOS, tô aguando aqui! Linda!

    Minha avó dá receita até em fila de banco, de mercado… Eu herdei isso dela. 🙂

  16. Monise e Pat, obrigada 🙂 Pat, também dou receita em qualquer lugar rsrs…

    Jò, então somos duas turistas gastronômicas rsrs… adorei te achar pelo blog da Marina, que me conquistou também. Marina, sua ideia é ótima de dar crédito 'batizando' a receita, adorei!!

  17. Gostei pela facilidade da receita, vou apresentá-la ao meu sogro que é o adorador de quase tudo feito com milho.

    E eu tb nunca me importei em compartilhar receitas, acho que a graça da coisa ta justamente nisso, da pessoa gostar e desejar fazer também!

  18. Olá Luciana, estou a adorar seu blog pois tem receitas deveras deliciosas. Desde que se respeite este intercâmbio bolgueiro fica sempre tudo bem não é mesmo!!!! Desde já agradeço a partilha . Gosto muito da vossa gastronomia tem cada coisa mais gostosa…..Gostava de saber se a pamonha pode ser feita com o milho cozido aquele que é vendido em lata,isto porque eu vivo em Almada (Portugal ) e aqui o milho verde não existe à venda.Beijos e bom fim de semana

    • Manuela, fico feliz em saber que gosta do meu blog 🙂 A pamonha pode ser sim feita com milho de lata, não vejo problema! Nunca fiz, então fico curiosa sobre o resultado, me conte se gostou. Um abraço!

Deixe um comentário para Alcina

Deixe um comentário