Viajamos a Madri com os filhos e o foco não foram os restaurantes descolados. De mais a mais, acabamos indo ao Botín, dito restaurante mais antigo do mundo, lugar cheio de tradição mas com serviço e comida fracos. Dos outros  salvou-se o Puerto Rico, restaurante com comida caseira muito boa e preço maravilhoso, dica excelente da viajante gourmet @carmemsil. E o Lamucca de Prado, um  moderninho com comida gostosa e preço razoável.

No fim, as experiências gastronômicas mais bacanas da viagem ficaram mesmo por conta dos mercados, tanto o de San Miguel como o de San Antón. Programas imperdíveis em Madri, por várias razões 🙂

Primeiro, porque a comida é variada e de qualidade, com preços muito simpáticos. Pelo mesmo valor de uma paella ou um menu executivo em um restaurante turístico, dá pra comer muito bem nos mercados. Para se ter uma ideia, comi no San Antón um creme de verduras com ‘farofinha’ de jamon iberico, duas almôndegas de pato com molho e torradas, mais um mini-hamburguinho de pato com queijo de cabra e cebolas carameladas, acompanhado de uma taça de vinho branco. Tudo pequeno, mas substancioso e super saboroso, por 10 euros. Para quem gosta, tem muitas opções de vinhos vendidos por taça, o que torna o programa mais interessante ainda.

Segundo, porque nos mercados também estão à venda carnes, peixes, massas, frutas e vinhos e dá pra ver/conhecer coisas novas e comprar guloseimas para levar para casa. Ou para o hotel mesmo, como nós fizemos com cerejas fresquíssimas 🙂

Por último, porque pela primeira vez em viagens com os filhos sentimos que eles curtiram provar comidas novas e não ficar só nos hamburgueres, cachorros-quentes ou filés com fritas. Comer também é um processo de inserção na cultura local e foi muito bacana vê-los aproveitando tanto o programa como nós aproveitamos!

Mas os mercados têm seus inconvenientes e requerem uma certa estratégia de ocupação. 

Gosto de dizer que os mercados de Madri são só para os fortes 🙂 Isto porque há pouquíssimos lugares para se sentar. O espanhol come de bocadinhos e de pé mesmo numa boa, muito diferente da gente, principalmente com crianças. Assim, para sua ida ao mercado ser um sucesso o ideal é primeiro fugir dos horários de pico – ou seja, almoçar ao meio-dia ou então depois das três da tarde. Ou então jantar cedo, por volta das sete da noite.

A segunda recomendação é, assim que chegar ao mercado, procurar um canto e alguns banquinhos e reservar seu lugar. Com isto dá pra ir revezando, enquanto uns ‘guardam’ os lugares os outros vão à procura das comidas, e assim vai. Demos um dinheiro para os meninos e eles amaram sair pelo mercado pedindo e provando comidas diferentes. É tudo fácil e de bocadinhos. E se viraram na língua espanhola e nos trocos, o que foi muito legal!

Como é o Mercado de San Miguel

O San Miguel está localizado bem no buchicho, vizinho à Plaza Mayor. O local é um galpão reformado, bonito e charmoso, mas bastante apertado e cheio. É bem turístico  (por acaso o lugar em Madri onde tinha mais brasileiros além do estádio do Real Madrid!) mas vale a pena visitá-lo e comer por lá. Gostamos muito dos montaditos, das tapas de frutos do mar, das croquetas e do jamon iberico em lascas, vendido num envelope de papel. Vale a pena provar os vinhos e espumantes.  Tem até uma pequena livraria para sapear 🙂

Como é o Mercado de San Antón

O San Antón é diferente do San Miguel. Muito mais locais que turistas, para começar. Mais afastado do buchicho. Mais espaçoso, mas menos charmoso. Tem dois andares, no primeiro quase só bancas de carnes, peixes, frango, frutas e verduras. No segundo piso, subindo a escada rolante, uma sucessão de lugarzinhos que vendem comida japonesa, comida grega, frutos do mar, massas, ostras fresquíssimas, tapas e vinhos. Ao longo do vão livre de onde se vê o andar de baixo, um balcão comprido com banquinhos. Mais espaçoso que o San Miguel, mas ainda com poucos lugares para sentar.

 O bacana dos mercados é que ficam abertos todos os dias, das dez da manhã à meia-noite, sendo que o San Miguel vai até às duas da manhã às quintas, sextas e sábados.

De qual gostei mais? Qual escolher? Os dois 😀

Share
12 Comentários
  1. Eu também adorei os mercados. E no San Anton – coisa que eu nunca tinha visto! – você pode comprar sua comida embaixo e levar para cozinharem pra você no restaurante, no terceiro andar do mercado. Não é genial? 😆

  2. Preciso voltar a Madri depois das suas dicas.

  3. Que bom ver que o Puerto Rico mereceu uma menção aqui!
    Eu também adorei as comidinhas do mercado de San Miguel.
    Agora preciso testar o San Antón. 😉

  4. muito bom! não conheço o San Anton, adorei a dica! quanta coisa gostosa!

    • As melhores pedidas para comer em Madri Tete 🙂 Beijos e obrigada!

  5. QUe família mais linda!

    E esse Mercado é matador!
    Fui a Madrid uma única vez na vida…
    Pretendo voltar quando for a Barcelona.
    Lu, não sei se te dou parabéns mais pelo lindo Blog ou pela família mais linda ainda!!
    Beijo grande
    Lena

  6. Meu favorito é o de San Miguel – ele é perto da casa da minha amiga então sempre passamos lá facilmente. Me acabo provando as coisas, tomando um tiquito de vinho aqui e ali. Amei as fotos. Este ano irei muito a Madrid pois uma das minhas duas melhores amigas voltou para la depois de uns 10 anos em Londres.

    • Muito bom o San Miguel né? Agora tem um mercado novo em Madri, o Isabella, estou louca pra visitar. Bjs!

  7. O Mercado de San Miguel é espetacular! Procure ir nos horários intermediários (dias de semana e, no final de semana, de manhã ou no meio da tarde). Procure o brasileiro Ricardo, na banca do caviar. Imperdíveis as bancas do jamon, dos queijos, dos tapas… prá quem curte (eu não gosto) ostras há uma banca campeã!

Deixe um comentário para Flora

Deixe um comentário